26 de fev. de 2009

Valor de patrocínios caem nos EUA

O valor dos patrocínios no automobilismo norte-americano sofreu a primeira queda desde 1985. De acordo com a empresa de consultoria IEG Sponsorship Report, as empresas localizadas nos Estados Unidos devem gastar cerca de US$ 3,3 bilhões (R$ 7,6 mi) com patrocínio, cerca de 6% a menos que na temporada passada, quando foram investidos US$ 3,5 bi (R$ 8 milhões). Os acordos seguem acontecendo, segundo a IEG, mas as empresas estão evitando fazer contratos para a temporada inteira, algo que já acontece com regularidade apenas na Nascar. Além da Nascar e suas divisões, o automobilismo norte-americano tem como principais expoentes a Indy, a ALMS (American Le Mans Series), a Grand-Am.

Redação Sport Marketing

Royal Bank of Scotland deixa Williams

A Williams perdeu o patrocínio do Royal Bank of Scotland (RBS) na F1. As duas partes anunciaram o final do acordo que começou no ano de 2005 através de um comunicado oficial.Um dos principais patrocinadores da equipe britânica, o RBS decidiu deixar a principal categoria do automobilismo mundial em função da crise econômica global (ler matéria arquivo Sport Marketing: Royal Bank of Scotland pode deixar a F1). Ainda nesta semana, a instituição financeira deve anunciar um prejuízo recorde na história empresarial britânica. O RBS e a Williams iniciaram a relação de patrocínio há cerca de quatro anos. Em 2007, as duas partes renovaram por mais três temporadas. De acordo com a BBC, o contrato é de 10 milhões de libras anuais. "O RBS foi um grande patrocinador para essa equipe e agradecemos pela maneira que trataram essa difícil situação", declarou Frank Williams. A decisão de não renovar o contrato com a Williams faz parte da iniciativa do RBS de reduzir pela metade os investimentos no esporte. A instituição financeira também pretende rever seus contratos com alguns esportistas, como o tenista escocês Andy Murray.

Redação Sport Marketing