18 de fev de 2009

Rússia reduz em 15% gastos com Jogos de Inverno

A Rússia cortou em 15% o orçamento para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014. "Deixamos o orçamento para os estádios 15% mais baixo" do que o que se planejava originalmente" - disse o vice-premiê Dmitry Kozak. De acordo com a agência russa Interfax, o processo de redução de gastos será aplicado a todos os grandes projetos de construção nos quais o Estado estiver envolvido, não só os relacionados aos Jogos.

Redação Sport Marketing

Rio 2016 representa o esporte da América

Os organizadores da candidatura do Rio de Janeiro aos Jogos Olímpicos de 2016 afirmaram contar com o "total apoio" de toda a América do Sul. "A candidatura carioca conta com o total apoio do governo brasileiro e de toda a América do Sul"- declarou à AFP o secretário-geral de "Brasil 2016", Carlos Roberto Osório, destacando que o orçamento total destinado ao projeto é de 14,4 bilhões de dólares."Este orçamento conta com o apoio e a garantia do presidente Luiz Inácio Lula da Silva"- ressaltou Osório, que viajou a Londres com o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman. "A candidatura do Rio é muito forte, por isso acreditamos que seremos escolhidos" para sediar os Jogos, declarou Osório, lembrando que se o Rio for eleito "as Olimpíadas de 2016 serão as primeiras da história organizadas na América do Sul". "Temos o apoio formal de todos os comitês olímpicos da América do Sul, o que significa que representamos mais de 180 milhões de jovens de menos de 18 anos", insistiu. O Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciará o nome da cidade escolhida para sediar os Jogos de 2016 no dia 2 de outubro em Copenhague. Além do Rio, as cidades candidatas são Madri, Chicago e Tóquio.

Redação Sport Marketing

Virgin Group com a Honda

O Virgin Group pode ter iniciado negociações para ter a equipe Honda de F-1. De acordo com o jornal "Daily Telegraph", Nick Fry e Ross Brawn estavam se preparando para um "management buy-out", termo utilizado quando uma empresa é assumida por antigos administradores, quando surgiu a proposta do grupo liderado pelo bilionário inglês Richard Branson. Sem citar o nome do potencial comprador, uma fonte disse ao jornal que o interessado é "de boa reputação e capaz de trazer estabilidade financeira, com uma marca conhecida ao redor do mundo. A F-1 os aceitaria de braços abertos". Branson criou a gravadora Virgin nos anos 70. Atualmente, atua na aviação, no transporte ferroviário, na parte de comunicações, bebidas e até no turismo espacial.

Redação Sport Marketing

Mercado: Bebida feita de urina de vaca é popular na Índia

Na região indiana de Haridwar é difícil encontrar Coca-Cola. É que os locais, como alternativa, têm um substituto ao refrigerante mais popular do mundo: o gau jal, uma bebida feita de urina de vaca. Um grupo cultural conhecido localmente, o Rashtriya Swayamsevak Sangh, desenvolveu a bebida. A ideia, agora, é exportar o refrigerante mais popular da região de Haridwar para outras localidades na India e no mundo. A bebida ainda está em fase final de desenvolvimento no Departamento de Proteção da Vaca, da organização Rashtriya Swayamsevak Sangh (RSS), segundo reportagem do jornal inglês "The Times". O chefe do departamento, Om Prakash, disse que a bebida chamada "Gau jal" ("água de vaca") está em testes laboratoriais e deve ser lançada oficialmente "em breve, talvez até o final deste ano". "Ela não cheira como urina e vai ser gostosa"- disse Prakash ao "The Times", na cidade de Hardwar. Segundo ele, a bebida vai ser muito saudável e será desprovida de qualquer toxina. O refrigerante de urina de vaca é a mais recente tentativa da RSS, que foi fundada em 1925 e diz ter oito milhões de membros, para livrar a Índia da influência estrangeira e promover a ideologia nacionalista Hindutva, que prega a supremacia hindu. Na Índia, o consumo de fezes de vaca é tido como normal, devido à adoração que os hindus têm do animal. Algumas regiões, urina e fezes de vaca são vendidos da mesma forma que leite e iogurtes. As mesmas matérias primas são também utilizadas para fazer pastas dos dentes indianas e isotônicos indianos. Com o gau jal, o departamento de proteção das vacas espera promover a crença de que a urina deste mamífero tem poderes curativos. Om Prakash, diretor responsável da bebida, quer desenvolver métodos mais eficientes para que a bebida tenha um prazo de validade maior e possa ser comercializada em outras regiões da Índia e até fora do país. Enquanto a mania da bebida ainda não é nacional e ne internacional, a Coca-Cola Co, a maior fabricante de refrescos do mundo, informou que obteve um lucro melhor que o esperado no quarto trimestre de 2008, graças ao aumento em volumes na China, Índia e Europa Oriental. A renda líquida da empresa no quarto trimestre caiu para US$ 995 milhçoes, ou 43 centavos de dólar por ação, frente a renda de US$ 1,210 bilhão, ou de 52 centavos por ação, de igual período do ano anterior. Excluindo alguns itens, a Coca-Cola teve um ganho de 64 centavos por título. Os analistas esperavam, em média, lucro de 61 centavos por ação, de acordo com a Reuters Estimates. Os ingressos da companhia caíram 2,7%, para US$ 7,130 bilhões, enquanto que as vendas a nível mundial por volume cresceram 4%. O volume na América do Norte caiu 3%.

Redação Sport Marketing

Meio Ambiente: Honda irá usar 'eco-plástico'

A fábrica da Honda em Sumaré, interior de São Paulo, será a primeira do país a utilizar plástico biodegradável na proteção dos assentos. A iniciativa ecológica é válida para os modelos New Fit e New Civic. O material é obtido a partir de batata, cana-de-açúcar, milho, mandioca, ou outra matéria-prima de fonte renovável. Além de não causar danos no ambiente durante a biodegração, os componentes orgânicos eliminam o peso e a toxicidade dos metais. Ao se desintegrar, a proteção ecológica dos assentos libera apenas água, gás carbônico e adubo (húmus), e demora cerca de seis meses para se decompor. A embalagem convencional, antes usada pela Honda, demora cerca de 200 anos para se decompor.

Redação Sport Marketing

Isenção de impostos estimula patrocínio na Copa de 2014

Seguindo praxe de países que sediam a Copa do Mundo, o Ministério do Esporte prepara um projeto de lei que prevê isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e Imposto de Renda para empresas nacionais e internacionais. O projeto deverá ser encaminhado ao Congresso e espera-se que seja aprovado até o final do ano. Os estádios e hotéis que precisarão ser construídos em cidades-sedes da Copa de 2014 serão pagos pela iniciativa privada. Ao governo federal caberão investimentos de infraestrutura, como a ampliação de aeroportos, portos, estradas, redes de comunicação e sistemas de transportes públicos. "Rede hoteleira, estádio e arena é um assunto para a iniciativa privada" - afirmou Orlando Silva, que se reuniu com técnicos da FIFA e do Ministério da Fazenda.

Redação Sport Marketing

Bancos vão abandonar F1

O ex-piloto e atual comentarista de F1, Marc Surer, afirmou que os bancos deverão acabar com
os patrocínios na categoria. As saídas do Credit Suisse, ex-BMW Sauber, e do ING no fim de 2009, ex-Renault, marcarão o fim de uma era para o esporte, assim como houve com as empresas tabagistas. Apenas o Royal Bank of Scotland (RBS), patrocinador da Williams, por enquanto, permanece na categoria apesar de a instituição financeira estar também passando por crise financeira. "Após os efeitos da crise financeira, os bancos não combinam mais com a imagem da F1. A festa acabou, mas a categoria vai sobreviver, assim como aconteceu no fim da era tabagista" - disse Surer, de 57 anos, em entrevista à agência de notícias alemã "SID".

Redação Sport Marketing

Wall Street Journal retira apoio do tênis

A edição europeia da publicação econômica Wall Street Journal rompeu contrato de patrocínio com o Torneio de tênis feminino de Dubai. O motivo foi a recusa das autoridades dos Emirados Árabes de conceder um visto à tenista israelense Shahar Peer, que não pôde participar da competição. "A filosofia do Wall Street Journal é baseada no livre comércio e na liberdade dos indivíduos" - explicou em comunicado o jornal do magnata Rupert Murdoch. Shahar Peer, ex-18ª mundial que ocupa hoje o 48º lugar da Classificação WTA, não quis fazer comentários. No início do ano, ela foi vaiada por parte do público no Torneio de Auckland, por causa da ofensiva militar israelense na Faixa de Gaza. "Não sou o governo de Israel e não represento Israel no âmbito político"- havia declarado Peer, 21 anos, que se tornou no ano passado em Doha a primeira tenista israelense a participar de um torneio organizado em um país do Golfo. A WTA (Women Tennis Association), a organização que administra o circuito feminino de tênis profissional, avisou que estuda a possibilidade de se retirar do Torneio de Dubai.

Redação Sport Marketing

Jackson-Triggs Espirit estampa logomarca olímpica em rótulos

Seguindo a tradição, o VANOC - Vancouver Organizing Committee - Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Vancouver 2010, terá entre os fornecedores uma marca de vinho. A fabricante Jackson-Triggs Espirit, tradicional da região de Niagara Peninsula já conta com a logomarca do evento nas embalagens e já está aquecendo com um buquê requintado o turismo local. A menos de um ano dos Jogos de Inverno, as garrafas já estão à venda e à disposição nos hotéis do Canadá.

Redação Sport Marketing