3 de fev. de 2009

Até tu Phelps?

Michael Phelps foi flagrado fumando maconha em uma festa universitária pelo jornal britânico "News of the World". O mito da natação, de 23 anos, que nos Jogos Olímpicos de Beijing faturou oito medalhas de ouro, se desculpou, mas não dissipou a nuvem de comentários que se formou em volta da carreira do atleta americano que tem como meta seguir faturando alto em marketing. A administradora de cartões de crédito Visa, patrocinadora do nadador, anunciou que vai continuar a apoia-lo. " Falamos com o Michael e ele
manifestou estar arrependido por esta situação, se comprometeu a ser responsável e melhorar o seu comportamento no futuro. Vamos continuar a apoiá-lo" - disse a empresa, por meio de um comunicado. Outros patrocinadores, incluindo a fornecedora de material esportivo Speedo, a relojoaria suíça Omega e a fabricante da bebida esportiva PureSport também disseram que vão continuar patrocinando o atleta, mesmo condenando o comportamento dele (ler matérias arquivo Sport Marketing: Retrospectiva Sport Marketing 2008 - Michael Phelps).

Redação Sport Marketing

Conselho de Clubes Formadores de Atletas Olímpicos

O Conselho de Clubes Formadores de Atletas Olímpicos (CONFAO) iniciou hoje atividade e têm como meta principal disputar um repasse estatal, uma fatia da Lei Agnelo-Piva, que giraria em torno de 30% do valor destinado ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB). Presidentes de Corinthians, Vasco, Flamengo, Fluminense, Grêmio Náutico União, Minas Tênis Clube, Sogipa e Pinheiros se reuniram para formar o Conselho. A Lei Agnelo-Piva determina que 2% da arrecadação bruta das loterias federais sejam repassadas ao COB e ao CPB. Ambos dividem o montante, respectivamente, em 85% e 15%, e administram a verba incluindo repasses para todas as federações esportivas. Clubes não podem ser incluídos como beneficiários das verbas públicas. Em nota oficial, o COB reconheceu a importância do papel dos clubes na formação de atletas e afirmou que entende a necessidade de maior captação de verbas por parte dos clubes brasileiros que investem em esportes olímpicos. Porém, ressalta, que a Lei Agnelo/Piva não é suficiente, pois corresponde a apenas 1/3 das necessidades. A nota ressalta que desde o início da aplicação dos recursos da Lei Agnelo/Piva, em janeiro de 2002, o COB vem contribuindo de forma decisiva para a qualificação técnica dos atletas (ler matéria arquivo Sport Marketing: COB apresenta ações) e que, portanto, os recursos da Lei Agnelo/Piva já chegam aos atletas e técnicos, sem a necessidade de entrarem nos cofres dos clubes. Nessa onda toda de repentino interesse dos clubes pelas verbas que rodeiam os esportes olímpicos, vale observar alguns pontos, por exemplo: alguns entre os clubes que agora olham os esportes olímpicos como galinhas dos ovos de ouro estão desesperados com as dívidas crescentes decorrentes de péssimas gestões que perduram há anos; alguns clubes do Conselho deixam claro que o futebol é o carro chefe dos departamentos de marketing e que, portanto, não demandam esforços de captação de recursos para os esportes olímpicos; os clubes que levantam a bandeira dos esportes olímpicos já perceberam que a Timemania, que seria a tábua de salvação das dívidas, não deu certo (ler matéria arquivo Sport Marketing: Esportes Olímpicos viram as 'galinhas dos ovos de ... ), ou seja, estão à procura de uma tábua de salvação! A pergunta que fica no ar é: caso a Lei passe a beneficiar os clubes formadores de atletas, será que as verbas serão mesmo implantadas nos esportes olímpicos? O Flamengo, por exemplo, segue com problemas fiscais e administrativos, os quais, inclusive, impedem que as verbas do patrocínio da estatal Petrobras, chegue aos cofres do clube. O time da Gávea, recentemente, graças a Patrícia Amorim, fechou acordo com a prefeitura de Niterói que irá bancar os ginastas do clube. Como é que essa verba irá chegar aos atletas? Isso ainda não foi explicado à imprensa. Será feito um contrato diretamente com os atletas? (ler matéria arquivo Sport Marketing: Ginastas fecham com Prefeitura de Niteroi) Outro ponto a ser observado é: caso os clubes resolvam dividir o mesmo pedaço de pizza, ou seja, da Lei Agnelo/Piva, o COB que atualmente é responsável por todas as ações referentes ao desenvolvimento dos esportes olímpicos terá menos verba e, consequentemente, parte das responsabilidades com os esportes olímpicos serão também repassadas aos clubes. Será que os clubes estão preparados, tem know how, para assumir responsabilidades como aquisição de equipamentos e materiais esportivos, treinamentos de atletas no exterior, garantir a participação dos atletas nas principais competições internacionais, contratação de técnicos estrangeiros, contratação de comissão técnica multidisciplinar, entre outras ações? Ou seja, com parte da verba a Lei, os clubes também terão que arcar com parte das responsabilidades que hoje estão em totalidade nas mãos do COB. Isto será benéfico para os esportes olímpicos e para os atletas? Levando-se em conta a atual situação financeira e gestão dos clubes é uma questão a se pensar! Talvez, o ideal fosse que os clubes profissionalizassem definitivamente os departamentos de marketing, tornando-os capazes de realizar projetos vencedores, tanto para o futebol, quanto para os esportes olímpicos. O que hoje, com raras exceções, não acontece. O Flamengo, por exemplo, recentemente, demitiu a ex-atleta e vice-presidente de esportes olímpicos, Patrícia Amorim, quem sempre nadou sozinha contra a maré do departamento de marketing da Gávea que apenas ruma em favor do futebol (ler matéria arquivo Sport Marketing: Marketing do Flamengo não segura esportes olímpicos). A demissão aconteceu após Patrícia articular o patrocínio da Prefeitura de Niterói para a ginástica olímpica, ameaçada pelo clube de acabar por falta de verba. O motivo certo da demissão de Patrícia ninguém sabe, mas especula-se que por ser ano de eleição no Rubro-Negro, Márcio Braga tenha se sentido ofuscado pela competência de Patrícia que pretende se candidatar à presidência. No lugar de Patrícia, Márcio Braga contratou João Henrique Areias, dono de uma empresa de consultoria de marketing esportivo; ao invés de fazer com que o departamento de marketing do clube, que já recebe salários, trabalhe também pelos esportes olímpicos. É fato que projetos com base na Lei de Incentivos Fiscais ao Esporte, a qual permite a captação de patrocínios, é uma realidade pouquíssimo utilizada pela maioria dos clubes formadores de atletas olímpicos. Por que? Porque demanda de trabalho, profissionalismo e competência. Em suma, o CONFAO pode ser, no futuro, caso consiga a meta de abocanhar parte da disputada, mas pequena pizza da Lei Agnelo-Piva, um verdadeiro tiro na história do desenvolvimento dos esportes olímpicos do país em longo prazo. É esperar prá ver quais são as reais intenções atrás de todo esse movimento, pois prá mim, ainda não está totalmente transparente as intenções e as vantagens dos clubes falidos administrarem parte da verba destinada aos esportes olímpicos. Nessa briga de gigantes, temo que o esporte acabe sendo o lado mais fraco da corda.

Deborah Ribeiro - Diretora Redação Sport Marketing

Cimento Nassau faz ação para Libertadores

A Cimento Nassau vai levar torcedores do Sport Clube do Recife para os jogos do time na Libertadores da América, no Chile. Os consumidores deverão criar vídeos usado a camisa do clube e postar no YouTube. Leva o prêmio o autor dos vídeos mais acessados. Até agora, mais de 60 torcedores já fazem parte da promoção, totalizando cerca de 100 mil visitas em apenas uma semana. Uma campanha publicitária divulga a novidade.
Redação Sport Marketing

Sport Club Internacional em busca de mascotes

O Sport Club Internacional segue cm ações boas prá cachorro e outros bichos também! O time reforçou a atuação no segmento pet e além de contar com 15 produtos licenciados voltados a animais de estimação, o clube agora possibilita que o animal tenha uma carteira de identificação e credenciamento como associado. O pacote "mascote colorado" custa R$ 50, mas não autoriza a entrada de animais domésticos em dias de jogos no estádio.

Redação Sport Marketing

Coreia do Sul quer Copa do Mundo

A Coreia do Sul anunciou a candidatura à organização dos Mundiais de Futebol em 2018 ou 2022, prova de que já foi anfitriã em 2002, numa organização conjunta com o Japão. De acordo com o porta-voz da Federação sul-coreana, You Young-Chuel, a candidatura foi formalizada numa carta enviada para a FIFA na segunda-feira, último dia do prazo de apresentação de propostas para a organização daqueles dois Mundiais. A Coreia do Sul junta-se assim a uma lista que inclui Austrália, Inglaterra, Bélgica e Holanda, China, Japão, México, Indonésia, Portugal e Espanha, Qatar, Rússia e Estados Unidos. A lista oficial de interessados na candidatura aos Mundiais de 2018 e 2022 ainda não foi divulgada pela FIFA, que anunciará em dezembro de 2010 os países organizadores das duas provas.

Redação Sport Marketing

Campanha "Estamos juntos" tem início

A segunda fase da campanha publicitária do Campeonato Africano das Nações (CAN2010),
denominada "Estamos juntos", começa a ser implementada nas quatro províncias sede - Luanda, Benguela, Cabinda e Huíla. Serão distribuídos, nas quatro províncias sede, camisas e bonés, além de fixados painéis publicitários, sendo 10 em Luanda e seis nas demais cidades. No mesmo dia, começam os spots em rádios e emissoras de tv. A campanha "Estamos juntos" é uma forma de transmitir aos angolanos que o povo está unido em torno do sucesso da 27ª edição da Taça de África das Nações. A primeira fase, denominada "Vencemos", começou com a divulgação da mascote e logotipo. A designação surgiu para exprimir o sentimento de felicidade por vencer a candidatura para realização da competição que será disputada de 10 a 31 de janeiro de 2010. O diretor do COCAN, Justino Fernandes explicou que o início da campanha internacional aguarda pelo contrato com a Sport Five, detentora dos direitos de transmissão da prova.

Redação Sport Marketing

VIVO patrocina time de futebol em Pelotas

A empresa de telefonia Vivo fechou contrato de patrocínio com o Brasil-Pe para a disputa do Gauchão 2009. O time pelotense é o único clube de futebol do país e do Estado patrocinado pela empresa. "Neste momento especial a Vivo decidiu firmar parceira com o Brasil-Pe. Estamos felizes em poder apoiar a comunidade neste momento sensível "— afirmou a diretora regional sul da Vivo, Clenir Wengenowicv. "A partir de hoje, o Brasil-Pe passa por um momento de reinício. Sua fiel torcida fica muita grata com esta possibilidade" - desabafou o presidente do Brasil-Pe, Helder Lopes.

Redação Sport Marketing

Ceará, Ferroviário e Fortaleza dividem mesmo patrocinador

A Prefeitura de Fortaleza vai patrocinar Ceará, Ferroviário e Fortaleza. Os valores da negociação não foram divulgados, mas as camisas das equipes terão estampadas o brasão da Prefeitura de Fortaleza nas mangas. A verba será paga de uma vez só e o contrato começa a vigorar a partir de março. Ceará e Fortaleza receberão um valor maior do que o Ferroviário, por disputarem a Série B do Campeonato Brasileiro, proporcionando um maior retorno de imagem. No começo de março haverá uma sonelidade de assinatura dos contratos, quando o valor pago aos clubes será revelado.

Redação Sport Marketing

RD-Flex do Brasil investe no futsal

A RD-Flex do Brasil, empresa sediada no Rio Grande do Sul e que já patrocina algumas equipes de stock-cars, optou em estender o patrocínio para o futsal do América. "Estamos tentando ajudar ao America há algum tempo, mas infelizmente não tivemos oportunidade de fechar um patrocínio com o clube. Este ano, com a renovação que está acontecendo no clube ficou mais fácil e fico feliz em poder ajudar uma equipe de garotos com qualidade e vontade de conquistar um tpitulo - disse Marcus Vinícius Barbosa, um dos representantes da empresa no Rio de Janeiro. Os valores da negociação não foram revelados. "Sinto-me o mesmo garoto que fui quando cheguei ao clube. Precisamos de vida neste clube, com crianças, adolescentes, meninos e meninas. Se Deus quiser não vamos parar aí. Estamos em negociações com outras empresas, federações, escolas e clubes. Precisamos mudar a cara abatida daquele America doente. Estamos fazendo um America novo e todos, americanos ou não, estão entendendo a nossa mensagem - disse o diretor geral de Esportes Olímpicos do clube, Cesar Alves Teixeira.

Redação Sport Marketing