13 de mai de 2009

LNB tenta implantar conceito da NBA de game-show

Responsável pela organização do Novo Basquete Brasil (NBB), a Liga Nacional de Basquete (LNB) trabalha para estimular os clubes a adotarem o conceito de jogo-espetáculo no país. A exemplo do que já acontece na NBA - Liga Americana de Basquete Profissiona, algumas praças, como Bauru, Brasília e Joinville já estão adotando o casamento de basquete e show, através de ações de marketing que visam trazer e conquistar o público. "A ideia é incorporar ao basquete brasileiro o mesmo espírito que marca competições esportivas como a NBA, nos Estados Unidos. Nosso objetivo é a fidelização do público. Tanto o que já gosta de basquete, quanto aquele que está começando a se familiarizar com ele. Sorteios de brindes, apresentações de dança, mascotes, Djs e outras atrações começam a aparecer nos jogos em algumas praças. É importante que se trate o basquete como espetáculo. Primeiro temos de pensar em atrair o público para as arenas. Depois adotar fórmulas que pensem no torcedor, desde a chegada ao ginásio, da recepção em si, ao que ele vai ver e como particpará antes, nos intervalos, nos pedidos de tempo e até no fim do jogo. Temos de atuar para que ele tenha vontade de voltar e leve outras pessoas" - explicou o gerente da LNB, Sérgio Domenici. Os clubes começam a abraçar a proposta e têm se esforçado para promover atrações cada vez mais envolventes. No início do returno, o Pinheiros/Mackenzie preparou uma festa com o MC Dengue, coral, banda de jazz e apresentação dos ginastas do clube. Um cardápio bem ao gosto do público jovem, que apóia a equipe. O MC Dengue tem sido uma presença constante no ginásio do clube, distribuindo bombons e camisetas para os jovens mais animados da torcida.No interior paulista, quem vai aos jogos do GRSA/Itabom/Bauru também encontra atrativos: banda marcial, números de street dance e outros estilos nos intervalos. A equipe de ginástica rítmica desportiva é outra parceira frequente nos jogos. Com o apoio dos patrocinadores, a cada partida são sorteadas quatro geladeiras de isopor com produtos Itabom, além de cinco lanches completos do Bob's e camisetas do time. "No começo do campeonato chegamos a sortear até televisores" - lembrou o técnico Guerrinha. Mas o atrativos não param por aí. A equipe aproveitou a tradição nacional das coleções de figurinhas e produziu os ingressos dos jogos como cards com o retrato de jogadores. Além de uma recordação imediata, o torcedor que colecionar as entradas ganha prêmios extras. "No jogo contra o Amigão/Andorinha/Assis (nesta quarta-feira, pela última rodada do returno), quem apresentar a coleção completa ou, pelo menos, o maior número de cards, recebe um kit com camisa oficial, lanche e geladeira de produtos" - disse o administrador Joaquim Pedro de Figueiredo Neto. Quem também investiu em atrações foi o Universo/BRB/Financeira Brasília. Neste returno, a equipe organizou grandes festas para os jogos contra o Pitágoras/Minas e o Flamengo. A preparação para os eventos começou com a votação on-line para a escolha de sua mascote. O público elegeu o Lobo Guará como símbolo do time e a mascote foi apresentada oficialmente para 16 mil pessoas que lotaram o ginásio Nilson Nelson, na partida contra o rubro-negro. O público é recorde da competição até agora. Mais recentemente, o Ciser/Araldite/Univille/Joinville fez o mesmo para apresentar sua mascote: um boneco estilizado, que lembra porcas e parafusos, no jogo contra o Universo/BRB/Financeira Brasília. Agora, os torcedores podem sugerir nomes para a mascote no site oficial do clube (www.basquetedejoinville.com.br). "Todos nossos jogos têm música, apresentador e números com dançarinos ou cheerleaders. Desde o início do campeonato, a cada jogo sorteamos 150 camisetas, 100 bonés e bate-bates durante os intervalos" - destacou o gerente de marketing da equipe, Sandro Steuernagel. E a equipe promete mais para a fase dos playoffs.


Redação Sport Marketing