24 de jan de 2009

Associação Europeia de Clubes prega mudanças nos negócios do futebol

A recém-criada Associação Europeia de Clubes (ECA) já iniciou conversas preliminares com a UEFA, visando a delimitação de um teto orçamental para a transferência de jogadores e salários. De acordo com fontes contactadas pela Agência Reuters, os montantes envolvidos na proposta do Manchester City por Kaká (cerca de 110 milhões de euros), são impossíveis a longo prazo. "As conversas estão numa fase preliminar, mas existe a perspectiva de que um clube não pode suportar esta situação a longo prazo" - disse um dos integrantes da Associação Europeia de Clubes. A ECA ocupa o espaço do extinto G-14 e conta com 16 membros fundadores, incluindo Manchester United, Real Madrid, AC Milan e o próprio F.C. Porto. Contactado pela Reuters, um oficial da UEFA confirmou as conversações com a Associação Europeia de Clubes. A FIFA, a UEFA e a União Europeia já demonstraram preocupação pela crescente entrada de capital extra-europeu no Velho Continente, especialmente em Inglaterra. A União Europeia, aliás, pondera avançar com medidas concretas se os organismos desportivos não agirem.

Redação Sport Marketing