26 de nov de 2008

COB explica gastos com ciclo olímpico

A verba aplicada pelo Comitê Olímpico Brasileiro nos últimos quatro anos chega a corresponder à décima parte do que foi investido pela Grã-Bretanha, Alemanha e China no ciclo olímpico Beijing 2008 (2005 a 2008). O estudo do COB foi apresentado durante a audiência pública na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle e na Comissão de Turismo e Desporto da Câmara. Durante três horas, os deputados das duas comissões puderam conhecer em detalhes como foi a participação do Brasil nos Jogos Olímpicos 2008 e a realidade do esporte brasileiro se comparada a países que ocupam o topo do quadro de medalhas olímpicas. O COB foi representado pelo presidente Carlos Arthur Nuzman e pelo superintendente executivo de esportes Marcus Vinicius Freire. Também participaram da audiência representantes de empresas estatais que patrocinam o esporte e os presidentes das Confederações de Atletismo, Desportos Aquáticos, Handebol e Voleibol. Durante a apresentação, Nuzman e Marcus Vinicius elencaram as responsabilidades e atividades do Comitê Olímpico Brasileiro, fizeram uma análise da participação do Brasil nos Jogos Olímpicos da China e compararam os investimentos feitos pelo COB com outros países de ponta do esporte mundial. Como exemplo, no ciclo olímpico para Beijing (2005 a 2008), o COB aplicou em atividades e nos programas das Confederações Brasileiras Olímpicas um total de R$ 288 milhões (cerca de US$ 133 milhões no quadriênio) oriundos dos recursos da Lei Agnelo/Piva e com a devida prestação de contas ao Tribunal de Contas da União e à Controladoria Geral da União. No mesmo período, a Austrália aplicou US$ 550 milhões no esporte, contra US$ 1 bilhão da Grã-Bretanha, US$ 1,2 bilhão da Alemanha e US$ 2 bilhões da China. "São países que, como Brasil, investem em uma gama variada de modalidades. A diferença está no montante dos recursos. Para se obter resultados como os desses países são necessários investimentos a longo prazo, entre oito e 12 anos, definição estratégica do que se quer atingir e gestão profissional para programas de alto rendimento. Mas vale ressaltar que os investimentos em um determinado ciclo não visam apenas a participação nos Jogos Olímpicos. Há todo um trabalho nas categorias de base que não aparece, mas que é importantíssimo para o longo prazo. Além disso, nos últimos quatro anos tivemos conquistas de títulos mundiais em diversas modalidades, como judô, taekwondo, ginástica artística, vela e vôlei, entre outros. Portanto, não faz sentido se dividir o valor investido no esporte pela quantidade de medalhas conquistadas nos Jogos Olímpicos. É uma conta que não existe no esporte"- afirmou Nuzman. O superintendente executivo de esporte do COB, Marcus Vinicius Freire, explicou a diferença de estratégia entre alguns países. "A Grã-Bretanha, por exemplo, levou a Pequim apenas o hóquei sobre a grama como esporte coletivo. Já países como Jamaica, Etiópia e Quênia investem os recursos apenas no atletismo, e mesmo assim em provas em que não competem entre si. O Brasil tem por tradição investir de forma equilibrada em todas as modalidades, mas está cada vez mais claro que para obtermos mais medalhas olímpicas será necessário direcionarmos os esforços para modalidades que distribuem muitas medalhas" - explicou. Os Jogos Olímpicos 2008 apresentaram avanços significativos do esporte olímpico brasileiro e marcaram mais um passo rumo ao desenvolvimento do esporte no país. A delegação brasileira já chegou a Beijing estabelecendo recordes, com um total de 277 atletas (o recorde anterior havia sido em Atenas 2004, com 245) e a participação em 32 modalidades esportivas (em Atenas foram 28). Das 15 medalhas conquistadas (3 de ouro, 4 de prata e 8 de bronze), seis foram inéditas, o que comprova a qualidade da preparação nos últimos quatro anos com os recursos da Lei Agnelo/Piva. Além disso, o país participou de 41 finais, um aumento de 36% em relação a Atenas 2004 e de 86% em relação a Sydney 2000. Na disputa direta pela medalha de ouro foram 31 contra 17 em Atenas, aumento de 82,35%. Dos 277 atletas da delegação, 75 conquistaram medalhas (27%), sendo que 108 (39%) disputaram finais. A análise feita pelo COB após 2008 conclui alguns fatos importantes. A conquista de medalhas está cada vez mais difícil. Se em Atenas 74 países conquistaram medalhas, em Pequim 2008 esse número saltou para 87, com a quebra de 128 recordes olímpicos e 42 recordes mundiais. Os países mais desenvolvidos do mundo também são os que mais ganham medalhas em Jogos Olímpicos. Dos 10 primeiros países no quadro de medalhas, oito fazem parte do G-8 e oito estão entre os 30 primeiros no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). "Em que pesem as dificuldades cada vez maiores para a obtenção de medalhas olímpicas, a evolução do esporte brasileiro é evidente. Estamos acelerando o ritmo de crescimento neste novo ciclo olímpico até 2012, a partir de uma nova definição de metas por modalidade. O COB está investindo no aprimoramento de sua gestão profissional e das Confederações, com foco nas melhores condições para os atletas e comissões técnicas" - finalizou Nuzman.

Redação Sport Marketing

LeBron James e Microsoft não renovam

LeBron James não renovou patrocínio com a Microsoft, gigante do ramo da informática. Keith Estabrook, porta-voz do ala do Cleveland Cavaliers - mesmo time do pivô brasileiro Anderson Varejão -, confirmou o encerramento do acordo de dois anos negócios entre a empresa e o jogador de basquete. LeBron foi garoto-propaganda da Microsoft, tendo participado de anúncios de novos produtos da megaempresa norte-americana. No entanto, o astro foi pouco utilizado, tendo feito comerciais para a televisão sobre novos produtos apenas no início de 2007. Nesta temporada, LeBron James aparece como o maior cestinha da liga norte-americana de basquete, liderando o Cleveland Cavaliers em uma campanha que já tem 11 vitórias e apenas três derrotas. LeBron James diz que a crise financeira economica mundial não vai dificultar os contratos de patrocínio, mesmo após a notícia do rompimento de acordo entre o golfista Tiger Woods e a General Motors (ler matéria arquivo Sport Marketing: GM cumpre promessa e corta verba do golfe). James, 23 anos, trabalha com uma série de empresas, incluindo Nike e Coca-Cola Co. . "Todos os contratos são de longo prazo. Só posso comentar aquilo que eu tenho e olhar em frente" - disse o jogador. James assinou um contrato de sete anos, no valor de US$ 90 milhões com a Nike antes de entrar na NBA.

Redação Sport Marketing

VERO é a empresa de consultoria do Rio 2016

A VERO, empresa de consultoria empresarial e comunicação especializada em esportes, fechou três importantes novos contratos: o International Paralympic Committee (IPC) - Comitê Paraolímpico Internacional, o Comitê Organizador da Candidatura Rio 2016 (cidade candidata a sediar os Jogos Olímpicos e os Jogos Paraolímpicos de 2016) e o projeto Beyond Sport - Além do Esporte (um projeto social apoiado pelo ex-primeiro-ministro Tony Blair - ler matéria arquivo Sport Marketing: LOCOG, Time, BBC e Honda apóiam entidade de ...). Junto ao IPC, o órgão mundial do Movimento Paraolímpico, a VERO prestará serviços de consultoria sobre a marca e estratégias de comunicação, marketing e patrocínio. O Comitê Organizador da Campanha RIO 2016 para sediar os Jogos Olímpicos e os Jogos Paraolímpicos, nomeou a VERO como a agência responsável pela campanha estratégica e de comunicação. A agência será responsável por gerir, inclusive, o dia-a-dia da implementação das atividades com a mídia, e para tal, a consultora Catherine St-Laurent ficará sediada no Rio de Janeiro. "Estamos muito satisfeitos por estar trabalhando com a equipe VERO. A VERO tem experiência em conduzir campanhas vencedoras internacionaias e contatos que acreditamos vão nos ajudar a conquistar o direito de sediar os Jogos de 2016 " - disse Carlos Arthur Nuzman, presidente do COB. O IOC - International Olympic Committee -Comitê Olímpico Internacional irá selecionar a cidade que hospedará os Jogos de 2016, em 2 de outubro de 2009 no congresso em Copenhagen. Os valores dos novos contratos adquiridos pela VERO não foram revelados. As negociações foram fechadas durante a visita de membros do COB a Londres que resultaram, inclusive, em possibilidades de intercâmbio entre os comitês (ler matérias arquivo Sport Marketing: COB fecha intercâmbio com Associação Olímpica ...). Entre os clientes da VERO descam-se IAAF, UEFA, Liverpool.

Redação Sport Marketing

Copa Davis fecha contratos com empresas ambientalmente responsáveis

A Helix Wind, Inc. dos EUA, empresa responsável pelo design e a produção de pequenas turbinas de vento de eixo vertical, e a EDAL RE Inc., empresa argentina que produz energia renovável, são as novas patrocinadoras oficiais das finais da Copa Davis (BNP Paribas). O evento que terá disputas entre Argentina vs. Espanha, será disputado entre o 21 e 23 de novembro na cidade de Mar del Plata. A EDAL RE é a distribuidora exclusiva para a Argentina e o Brasil das pequenas turbinas de vento da Helix Wind. "Trata-se de um esforço pioneiro num importante evento esportivo na Argentina ou em qualquer parte do mundo"- afirmou Freddy Molina, diretor da EDAL RE Inc. "É um prazer sermos os principais patrocinadores e fornecedores de energia renovável em um evento esportivo tão prestigiado quanto a Copa Davis" - disse Scott Weinbrandt, presidente de diretoria da Helix Wind, Inc.

Redação Sport Marketing

Ronaldo no Timão

Especula-se que a diretoria do Corinthians está disposta a pagar cerca de R$ 200 mil mensais e buscar apoio e patrocínios junto a Nike e outros parceiros para totalizar R$ 600 mil por mês para a contratação do atacante Ronaldo. A vinda de Ronaldo para o Timão seria uma resposta da patrocinadora ao clube do Parque São Jorge, que tanto cobra apoio da empresa. O contrato entre o clube e a fornecedora termina esse ano, e seria fundamental para uma renovação a vinda do atleta. "O Ronaldo interessa!", disse Andrés Sanchez.

Redação Sport Marketing

COB encaminha projetos à Petrobras

O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) encaminhou cinco projetos para a Petrobras, somando R$ 37 milhões em investimento. Nesse ano, a empresa liberou R$ 27 milhões para o COB, para ajudar na preparação olímpica para Beijing-2008. A informação da Folha de São Paulo salienta que os projetos encaminhados à Petrobras abrangem desde o esporte de base e iniciação até os atletas de ponta. O "Operação do Centro Olímpico de Desenvolvimento de Talentos" pede R$ 10,4 milhões para a manutenção e início das atividades do Parque Aquático Maria Lenk e do Velódromo do Rio, ambos legados do Pan-Americano de 2007. Já o "Rumo ao Ouro Brasil de Iatismo" quer R$ 4,5 milhões para uma semana de vela com atletas do exterior. Outros projetos contemplam preparação da nova geração para o ciclo olímpico de 2012, ajuda para os Jogos da Lusofonia e para a delegação que vai para os Jogos de Inverno de Vancouver, em 2010.

Redação Sport Marketing

LG torna-se parceria da F1

A LG Electronics foi anunciada como a nova parceira tecnológica da F1. A empresa sul-coreana será responsável por fornecer todos os aparelhos eletrônicos, celulares e processadores de dados para a categoria. Os valores da negociação não foram divulgados, mas pelo acordo de cinco anos, a LG terá o logo vinculado aos sistemas e aos gráficos de cronometragem. “A LG é uma empresa líder neste campo e pioneira no desenvolvimento de tecnologias, sempre preocupada com a excelência e o pioneirismo de produtos, assim como a F1.” -disse Bernie Ecclestone. "Este é um dos maiores desafios que a empresa já enfrentou e acredito que o investimento na categoria é muito valioso" - ressaltou Boden, chefe de marketing da LG.

Redação Sport Marketing

Santander na Ferrari

O Presidente do banco Santander, Emilio Botín, afirmou que a instituição deixará de patrocinar a McLaren e estará com a Ferrari a partir de 2010. O empresário também deixou claro que pretende levar para a escuderia italiana Fernando Alonso."O Santander está com a Ferrari em 2010, garanto"- disse Botín ao jornal "As" em Assunção, Paraguai. O piloto espanhol acabou de renovar com a Renault para as próximas duas temporadas, mas nunca escondeu o desejo de correr um dia na equipe de Maranello."Alonso é o melhor piloto do mundo e gostaria de trabalhar com ele. Ferrari e Santander são duas marcas vermelhas, por isso estaremos com a equipe e tentaremos o melhor piloto do planeta, ainda que isso seja algo que não dependa só de nós",-explicou. Na Ferrari, Felipe Massa e Kimi Raikkonen: ambos têm contratos válidos para 2009 e 2010.

Redação Sport Marketing