16 de out de 2008

COB lança filme

A trajetória da mulher brasileira no esporte ganhará as telas da TV neste sábado, dia 18. Produzido pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB), o documentário “Mulheres que Brilham” aborda a vitoriosa trajetória da mulher no esporte nacional. O projeto é co-patrocinado pelo Programa Solidariedade Olímpica do Comitê Olímpico Internacional (COI) e ganha ainda mais importância após a histórica participação feminina brasileira nos Jogos Olímpicos de Pequim, quando nossas atletas alcançaram resultados inéditos. O documentário será exibido em primeira mão pelo Canal Futura, neste sábado, dia 18, às 17h30, com reprise na segunda-feira, dia 20, às 23h30, e quinta-feira, 23, à meia-noite. O filme é baseado no livro de Oscar Valporto, “Atleta, substantivo feminino – vinte Brasileiras nos Jogos Olímpicos”, do Selo COB Cultural, que narra a história de grandes personagens do esporte nacional. Dirigido por Jorge Mansur, mesmo diretor de “1958 – O ano em que o mundo descobriu o Brasil”, filme sobre a conquista da primeira Copa do Mundo do futebol brasileiro, o documentário terá 52 minutos, com depoimentos de atletas e ex-atletas brasileiras de diferentes gerações. Foram escolhidas desportistas com historias marcantes, trajetórias de conquistas e exemplos de conduta no esporte e na vida. A idealizadora do projeto é a Diretora do Departamento Cultural do Comitê Olímpico Brasileiro, Christiane Paquelet. “A cada ano as mulheres vêm conquistando mais espaço no cenário esportivo. Nos Jogos Olímpicos de Pequim, as brasileiras tiveram desempenho excepcional, alcançando resultados históricos. O registro em vídeo de histórias de superação e sucesso das nossas atletas é um documento importante para eternizar a carreira desses ícones esportivos do nosso país” -comentou Christiane, que, como atleta disputou os Jogos Pan-americanos de 1971, em Cali, e de 1975, na Cidade do México, quando conquistou duas medalhas de bronze na natação. Algumas das atletas entrevistadas fizeram história nos Jogos Olímpicos de Pequim 2008, com resultados inéditos para o país. “Mulheres que Brilham” terá depoimentos de ícones do esporte nacional de várias gerações, como Aída dos Santos (atletismo), quarta colocada no salto em altura dos Jogos Olímpicos de Tóquio-64; Jaqueline Silva (vôlei e vôlei de paia), primeira mulher brasileira a conquistar uma medalha de ouro, em Atlanta 96, ao lado de Sandra Pires; Fernanda Venturini (vôlei) medalha de bronze em Atlanta 96; Daiane dos Santos (ginástica artística), finalista olímpica em Atenas 2004 e Pequim 2008; Hortência (basquete), campeã mundial em 1994 e medalha de prata em Atlanta 96; Natália Falavigna (taekwondo), medalha de bronze em Pequim 2008, a primeira da história da modalidade; Fabiana Murer (atletismo), primeira brasileira a fazer uma final olímpica no salto com vara; Fernanda Oliveira (vela), primeira desportista do país a conquistar um medalha na vela, bronze em Pequim 2008 ao lado de Isabel Swan, e Marta (futebol), detentora de duas medalhas olímpicas de prata em Atenas 2004 e Pequim 2008 e eleita pela FIFA a melhor jogadora do mundo por duas vezes consecutiva. O documentário é de cunho educacional, sem fins lucrativos ou comerciais, e será transmitido em rede nacional. Além da exibição na televisão, o COB e o Canal Futura levarão o filme para as escolas, como forma de promover a prática esportiva entre os jovens. Além disso, o documentário será distribuído para o mundo através dos 205 Comitês Olímpicos Nacionais membros do COI. “Estabelecemos três metas ao desenvolver esse projeto: divulgar as trajetórias e exemplos de vida dessas atletas; usar esse documento para auxiliar na educação das crianças, incentivando-as a ingressar na prática esportiva; e aumentar o acervo de memória audiovisual do esporte no Brasil” - explicou Christiane Paquelet resposável também pela direção editorial do livro Ouro Olímpico - a história do marketing dos aros, escrito pelo diretor do COB, Marcus Vinicius Freire em parceria com a jornalista Deborah Ribeiro.

Redação Sport Marketing

Governo britânico libera verbas para construções

O governo britânico liberou 95 milhões de libras adicionais (167 milhões de dólares) para evitar atrasos nas obras da Vila Olímpica de Londres-2012. Dirigentes olímpicos alertaram na semana passada que a crise do crédito poderia provocar um déficit de 250 milhões de libras no projeto, uma parceria público-privada. A ODA, órgão responsável pelas construções dos Jogos de Londres, recebeu um pagamento parcial do fundo de contingência do governo, que tem um montante de 2,7 bilhões de libras. Em nota, a ODA disse manter as discussões sobre o financiamento de longo prazo, apesar do "dificílimo ambiente econômico". "Vamos informar sobre o progresso nas próximas semanas e meses", diz o texto. A desaceleração econômica também afetou o número de apartamentos planejados para depois dos Jogos. Com a queda no preço das moradias, que poderia ameaçar a recuperação do dinheiro investido na Vila Olímpica, o número de apartamentos a serem vendidos caiu de 4.200 para cerca de 3.000.

Redação Sport Marketing

Cadbury - um parceiro de pêso

Enquanto o LOCOG - London Organizing Committee Olympic Games - Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Londres procura novos parceiros e, apesar da crise financeira mundial, se esforça para fechar acordos de patrocínio locais, o diretor Sebastian Coe se defende da insatisfação dos londrinos. A negociação com a fabricante de chocolates Cadbury está agitando alguns defensores da saúde. "É um assunto muito sério, pois existe açúcar demais em nossas dietas. Se eles só vão tentar vender mais barras de chocolate atrás deste negócio com o LOCOG, então eu me oponho" - disse Dr David Haslam, diretor clínico do National Obesity Forum. A Cadbury tem tradição no marketing esportivo. Cinco anos atrás, a empresa também causou controvérsia quando lançou a promoção 'Get Active!', a qual encorajou crianças a comer chocolates em troca de equipamentos esportivos para a escola. A ação foi lançada em parceria com a Youth Sport Trust e teve apoio do então Ministro de esporte, Richard Caborn, que foi fortemente censurado. Calculou-se que para uma escola ganhar um conjunto de redes de vôlei, por exemplo, as crianças teriam que consumir cerca de £2.000 em barras de chocalate, o equivalente a quase 1.25 bilhão de calorias. A Cadbury insiste que as estratégias de marketing da empresa mudaram e que não pretendem mais encorajar volumes mais altos de vendas. A companhia se recusa a discutir detalhes sobre a intenção de estar entre as empresas ligadas aos Jogos Olímpicos de Londres, mas um porta-voz afirmou que: "Nós não faríamos nada que encorajasse as pessoas a comer mais chocolate." (ler matérias arquivo Sport Marketing: Cadbury de olho nos Jogos de 2012; Sport Marketing: LOCOG tenta driblar a crise).

Redação Sport Marketing

França cancela GP por causa da crise

A Federação de Esportes a Motor francesa (FFSA) retirou o financiamento o GP da França de F1. A FFSA cancelou o GP de Magny-Cours que se realizaria em junho de 2009. De acordo com a BBC, a França agora não apresentará em próximo ano calendário de FIA. "Por razões econômicas, a FFSA decidiu cancelar o GP. A FFSA gostaria de agradecer todos os clientes que apoiaram o evento nos últimos anos" - declarou a FFSA que pretende reembolsar os ingressos comprados.

Redação Sport Marketing