22 de ago. de 2008

Michael Phelps lança novo livro

A épica conquista de oito medalhas em uma mesma edição dos Jogos Olímpicos irá virar livro. O super campeão americano Michael Phelps pretende descrever em palavras toda a preparação, os bastidores e as vitórias no Cubo D'água dos Jogos Olímpicos de Beijing. O livro, cujo lançamento já está marcado para dezembro, será editado pela Free Press, da Simon & Schuster. A obra conta a rotina e os métodos de treinamento do nadador de 23 anos, detentor de sete recordes mundiais, sem esquecer detalhes da vida pessoal e dos valores morais que recebeu da mãe solteira que teve que aprender a lidar com a SDA (Síndrome de Déficit de Atenção) - hiperatividade do atleta que virou um mito das piscinas mundial.

Redação Sport Marketing

Maurren Maggi é ouro em Beijing

Maurren Maggi, atleta patrocinada pela BM&F e Grupo Pão de Açúcar, é medalha de ouro no salto em distância dos Jogos Olímpicos de Beijing. A brasileira saltou 7,04m e garantiu pela segunda vez nesta edição olímpica, a marca Olympikus no degrau mais alto do pódio olímpico. O primeiro atleta brasileiro a ganhar ouro nos Jogos de Beijing foi o nadador Cesar Cielo. Aos 32 anos, Maurren Maggi foi a primeira mulher brasileira a ganhar a prova olímpica do salto em distância e a desfilar com a bandeira brasileira. O ouro olímpico de Maggi ofuscou a disputa do bronze da seleção masculina de futebol da qual o país esperava um desempenho bem melhor do que o apresentado nos Jogos de Beijing. O Grupo Pão de Açúcar vai oferecer prêmios (bônus pódio) aos competidores e pagará a Maurren Maggi pelo ouro R$ 100 mil e um pacote de viagem para a Disneylândia. Desde 2003, quando estabeleceu o sistema de bônus, já foram entregues mais de R$ 500 mil em prêmios. Tradicionalmente, a BM&F também entrega um prêmio em ouro aos medalhistas em grandes eventos. Contudo, a assessoria de imprensa da entidade, afirmou que até o momento não há nenhuma confirmação do bônus para Maurren. Ela também receberá outros R$ 50 mil da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt). Maurren foi escolhida para levar a bandeira do Brasil no desfile de encerramento dos Jogos. A medalha de Maurren foi a quarta feminina do Brasil nos Jogos de Beijing - antes, o futebol levou a prata, enquanto a judoca Ketleyn Quadros, na categoria leve, e as velejadoras Fernanda Oliveira e Isabel Swan, na classe 470, ficaram com o bronze.

Redação Sport Marketing - Beijing 2008

Museu Virtual do Cartoon cria galeria olímpica

O Museu Virtual do Cartoon, em comemoração aos Jogos Olímpicos de Beijing, criou a “Galeria Humor Olímpico”, que pode ser visitada em www.cartoonvirtualmseum.org. A galeria é exclusivamente dedicada ao humor olímpico. Todo cartoonista pode participar, enviando os desenhos por e-mail. Nesta janela aberta ao mundo, será mostrada a força da linguagem do cartoon e da liberdade de expressão. A galeria já conta com caricaturas de Vanessa Fernandes e Michael Phelps, entre muitas outras. O cartoon da vice-campeã olímpica de triatlo é da autoria de António Santos. Já o desenho de Michael Phelps pertence ao cartunista brasileiro João Bosco. Um site que vale a pena visitar.

Redação Sport Marketing

Pelé veste Olympikus na Vila Olímpica de Beijing

A visita do Rei Pelé na Vila Olímpica de Beijing foi um agito só. Embaixador da candidatura do Rio de Janeiro aos Jogos Olímpicos
de 2016, Pelé foi conferir de perto as instalações dos atletas e foi prontamente recebido pelo chefe da delegação e diretor voluntário do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Marcus Vinicius Freire e pelos membros da missão brasileira em Beijing. Recebido com pompa pela prefeita da Vila Olímpica, Chen Zhili, Pelé ficou 40 minutos na Vila, tempo em que ele usou uma camisa com a marca Olympikus, ao invés da camisa jeans oficial da candidatura Rio-2016, que não tem logomarcas de empresas, usada pela jogadora Janeth, que também é embaixadora do Brasil. Muito assediado, Pelé distribuiu autógrafos, pousou para fotos junto com atletas, dirigentes olímpicos e ainda deu essa ação de marketing para a Olympikus, patrocinadora do COB. (Ler matérias arquivo Sport Marketing-Pelé fecha com a Nestlé; Pelé e a Timemania!; Pelé e Serra assinam escritura do Museu Rei Pelé; Pelé fomenta futebol em Abu Dhabi).

Redação Sport Marketing - Beijing 2008

2 - o número da sorte de Usain Bolt

Para os chineses, o número da sorte é o 8 e, por isso, a cerimônia de abertura da vigésima nona edição dos Jogos Olímpicos aconteceu no dia 08, às 8 horas e 8 minutos da noite. Mas, para o corredor jamaicano Usain Bolt, o homem mais rápido do mundo (ler matéria arquivo Sport Marketing - Usain Bolt, o puma mais rápido do mundo), recordista olímpico dos 100 metros com o tempo de 9,69 segundos, o número de sorte é 2! Se na prova mais tradicional do atletismo Bolt bateu o próprio recorde mundial, que era de 9s72, foi nos 200 metros que Usain Bolt consagrou-se como o maior sprinter de todos os tempos e escreveu definitivamente o nome na história dos heróis olímpicos do atletismo ao quebrar recordes míticos. Até o show de Usain Bolt no 'Ninho de Pássaro', três nomes estavam imbatíveis como recordistas mundiais dos 200 metros. Tudo começou com o negro americano Tommy Smith, que em 1968, nos Jogos Olímpicos do México, foi ouro e bateu a melhor marca mundial (19.83). No pódio, ele se eternizaria com o punho em riste (ler matéria arquivo Sport Marketing - ) uma saudação Black Power. O recorde demoraria 11 anos para ser batido até que o italiano Pietro Mennea (19.72) disparou na pista nos Jogos de Moscou 1980. O recorde de Pietro Mennea duraria 17 anos, até os Jogos Olímpicos chegarem em Atlanta - 1996, quando Michael Johnson faria 19.32. A marca extraodinária durou 12 anos, até que as pistas olímpicas conhecessem a alegria irreverente e brilhante de Usain Bolt que marcou na prova dos 200 metros o tempo de 19,30 segundos graças às sapatilhas Puma douradas, da cor dos dois ouros conquistado. Sapatilhas que Bolt fez questão de mostrar ao mundo desde que chegou em Beijing, como um talismã que carregava para todos os lugares e que estava presente em todas as fotos do atleta jamaicano que é patrocinado pela marca alemã de materiais esportivos desde 2002. Quando Usain mostrou as sapatilhas douradas Theseus II para a multidão depois da histórica vitória nos 100m, o velocista criou um momento ímpar para a Puma que deu uma infinita visibilidade na mídia mundial e que irá se perpetuar nos livros de história. O gesto mercadológico lembrou um capítulo singular da carreira do nadador Mark Spitz que, nos Jogos de Munique - 1972, como menciona o livro Ouro Olímpico - a história do marketing dos aros, carregou o par de tênis Adidas nas mãos ao invés de nos pés no caminho do pódio e ainda levantou o tênis acenando para a multidão. Levando-se em consideração que Puma e Adidas são empresas de dois irmãos, a ação de marketing está no DNA das empresas, apesar da Puma, assim como a Adidas em 72, alegar que não pediu ao atleta que fizesse a exibição da sapatilha. O feito do jamaicano é inédito em toda a história olímpica. Antes dele, nomes como Jesse Owens (1936), Bobby Joe Morrow (1956), Valeriy Borzov (1972) e Carl Lewis (1984) já haviam vencidos as finais dos 100 e dos 200 metros na mesma edição dos Jogos. No entanto, nenhum havia quebrado os dois recordes mundiais nas finais que lhes valeram as medalhas de ouro, como fez Bolt. As duas medalhas de ouro em Beijing conquistadas por Usain Bolt no 'Ninho de Pássaro' é, sem sombra de dúvidas, o momento esportivo mais assistido e exibido do ano e deu à Puma, um upgrade de marketing digno de deixar com inveja as concorrentes Nike e Adidas. Nos 100 metros, a Puma deixou comendo poeira a Nike de Asafa Powell e a Adidas de Tyson Gay (ler matéria arquivo Sport Marketing - Tyson Gay fracassa no Ninho de Pássaro). Carismático, o showman Usain Bolt, recebeu a segunda medalha de ouro nos 200 metros, e após o hino da Jamaica, o 'Ninho de Pássaro' foi tomado por um "Parabéns a Você", cantado em coro pelos torcedores em homenagem a Bolt que comemorava 22 anos. Antes da entrega da medalha, o atleta passou o dia com os pais e comemorou o aniversário com um bolo em um hotel no centro de Beijing reservado à família de Bolt pela Puma. O mundo ainda teve mais uma chance de conferir a alegria do jamaicano na pista de Beijing. Hoje, dia 22, a equipe jamaicana conquistou a vaga dourada no pódio olímpico do revezamento. Foi a vitória da alegria e do aniversariante da semana, um jovem inspirador atleta de 22 anos, 2 medalhas de ouro nas provas individuais mais importantes do atletismo e 1 medalha de ouro na prova do revezamento dos Jogos Olímpicos de Beijing! O 'Ninho de Pássaro' sentirá saudades deste puma da velocidade!

Deborah Ribeiro - Diretora Sport Marketing - Beijing 2008