9 de ago. de 2008

Fortaleza e Lotto fecham contrato

A Lotto fechou contrato com mais um time de futebol brasileiro, dando andamento na meta da fábrica italiana de materias esportivos de ampliar a atuação no mercado brasileiro. A partir de setembro, o Fortaleza terá linha de materiais esportivos fornecida pela marca que substitui a nacional Kanxa. O contrato, cujos valores financeiros não foram revelados, é de quatro anos e meio ."Acredito que esta é a união de duas marcas fortes: a Lotto, com presença internacional, e o Fortaleza, com uma abrangência regional por conta da imensa torcida. Trata-se de uma parceria inicial de quatro anos e meio e esperamos que seja próspera" - disse o diretor de marketing do clube cearense, Kleber Dias. Também estão previstas em contrato várias ações conjuntas, incluindo a construção de uma loja oficial do Fortaleza. "Todos só têm a ganhar, e estamos muito satisfeitos com este passo importante que demos" - acrescentou Dias. Com o Fortaleza, a marca passa a ser a fornecedora de material esportivo de três equipes na região Nordeste do Brasil. Os outros times que patrocinados pela multinacional são Sport e Bahia.

Redação Sport Marketing

Inter instala painel na freeway em referência ao título mundial

O Inter mandou instalar um painel gigante destacando a maior conquista do time. A peça está localizada na freeway, próximo à rótula da BR-116 que dá acesso à Canoas. O frontlight ostenta o título de Campeão Mundial FIFA exibindo a imagem da taça da competição. O logo da Reebok, fornecedora de material esportivo do Clube também assina a placa.

Redação Sport Marketing

Cerimônia de abertura é recorde em audiência

Quase um bilhão de chineses assistiram à cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Beijing. De acordo com dados revelados pela CCTV - estatal chinesa detentora dos direitos de transmissão dos Jogos com, exclusividade, 896 milhões de pessoas acompanharam o evento ao vivo. Os números são olímpicos.

Redação Sport Marketing

Família de técnico sofre atentado em Beijing

Um incidente trágico tirou a alegria do primeiro dia de competição dos Jogos Olímpicos de Beijing. Por volta das 12:20 locais, durante visita à Torre do Tambor, em Beijing, a apenas cinco quilômetros do Estádio Olímpico, o “Ninho de pássaro”e próxima à Cidade Proibida, sogro e sogra do técnico, Hugh McCutcheon (foto), da seleção de vôlei de quadra dos Estados Unidos foram vítimas de um ataque violento. Todd Bachman morreu e a esposa, Barbara, ficou gravemente ferida e corre perigo de morte, informou o site do comitê americano. Bachman era pai da esposa de McCutcheon, que fez parte da equipe olímpica americana de Atenas-2004, Elisabeth Bachman McCutcheon. O atentado foi realizado por um assaltante armado com uma faca, que, em seguida, cometeu suicídio, atirando-se do segundo andar da Torre do Tambor. A filha do casal, Elisabeth, estava com eles no momento do ataque. O agressor foi identificado como Tang Yongming, de 47 anos. O Comitê Olímpico Norte-Americano diz que a equipe está “tremendamente triste e chocada”. Em nota oficial, o IOC - International Olympic Committee - Comitê Olímpico Internacional (COI) lamentou profundamente o incidente trágico. "O COI gostaria de estender condolências sinceras para a família e para todos os membros da delegação dos EUA" - ressalta o informe o qual destaca que o COI proverá qualquer ajuda necessária à família do treinador e está em contato com o Comitê Olímpico Americano.

Redação Sport Marketing - Beijing 2008

Patrocinador olímpico premia ouro com escola

Patrocinador local dos Jogos Olímpicos de Beijing, o Grupo Haier, maior fabricante chinês de equipamentos elétricos para residências, lançou um programa para construir uma escola primária em uma zona rural pobre, para cada medalha de ouro que os atletas chineses conquistarem nos Jogos. Duas escolas já estão garantidas, graças à chinesa Chen Xiexia, que subiu no degrau mais alto do pódio, no levantamento de peso 48kg e à atiradora, Pang Wei, ouro na pistola de ar. O Grupo Haier, entrou para a seleta lista de dez patrocinadores oficiais locais em agosto de 2005. Como patrocinadors oficial, a Haier proveu além de aporte financeiro, eletrodomésticos e serviços relacionados para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Beijing 2008, BOCOG, o Comitê Olímpico da China como também as delegações olímpicas chinesas. A empresa tem base na cidade de Qingdao, onde acontecerão as competições de vela. As doações serão realizadas por meio do Projeto Esperança, entidade beneficente dedicada a promover mais acesso à educação para crianças de regiões mais pobres da China. "A decisão para patrocinar os Jogos de Beijing tem estado extensamente reconhecida e apoiada pelos empregados da Haier e está de acordo com a cultura e filosofia de negócios do Grupo Haier. A cultura corporativa da Haier está de acordo com o espírito olímpico de "Citius, Altius, Fortius" (mais rápido, mais alto, mais forte)" - afirmou o CEO da Haier Zhang Ruimin. A Haier foi responsável pelo fornecimento de equipamentos eletrônicos que mobiliaram os quartos dos atletas nas Vilas Olímpicas e os restaurantes da Vila.

Redação Sport Marketing - Beijing 2008

Seleção obedece regras do COI e joga sem escudo da CBF

A controvérsia com relação ao uniforme da seleção brasileira de futebol, masculina e feminina, chega ao fim. As equipes vão jogar as partidas dos Jogos Olímpicos com uma camisa sem escudo algum, ou seja, sem o CBF e sem o do COB. A única marca no uniforme das equipes será da Nike, fornecedora oficial de materiais esportivos da Confederação Brasileira de Futebol. Havia-se aventado a possibilidade de ser usado o logo do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), porém, a entidade é patrocinada pela Olympikus, detentora dos direitos exclusivos de utilização do logotipo, formado pela bandeira nacional e dos aros olímpicos. O cerne da questão é que a CBF insiste em ter 'voz de decisão' nos Jogos Olímpicos, que são organizados pelo IOC - International Olympic Committee - Comitê Olímpico Internacional (COI), o qual tem normas e regras de marketing distintas da FIFA. O COI não permite, por exemplo, publicidade nas arenas esportivas dos Jogos e tão pouco, o uso de distintivo de federações, mas sim dos CONs - Comitês Olímpicos Nacionais, vinculados à entidade. Sob esta visão, é mais do que correto que o escudo da CBF, com as cinco estrelas, não esteja na camisa das seleções de futebol olímpica que nunca ganharam um título olímpico! Ciente de que o COI e o COB poderiam exigir que as regras da carta olímpica fossem respeitadas, a CBF disse que levou um lote de camisas sem o escudo. A pergunta que fica no ar é: se levou camisas sem o escudo, porque não usou, uma vez que sabia que estaria infringindo uma regra? Por que esperou o desgaste? Atitude típica do futebol brasileiro - lamentável como o desempenho da seleção masculina de Dunga.

Redação Sport Marketing - Beijing 2008

Ana Paula e Larissa - vitória merecida

Conheço a Ana Paula Connely desde que ela, ainda jogava vôlei de quadra. Nosso primeiro encontro foi no time formado pelo Clube Paulistano que contava com o patrocínio da Davene. Na época, a marca queria investir em marketing esportivo e ter uma gartota propaganda com a beleza de Ana Paula para divulgar os produtos era o ideal. Ana Paula, na época, vinha de uma contusão, não podia jogar regularmente, mas foi contratada pela equipe e aceita pela marca. O idealizador dessa parceria Davene - Clube Paulistano, foi o jornalista Eli Coimbra, falecido, grande amigo da época em que trabalhamos juntos na equipe de Luciano do Valle, na saudosa equipe de esportes da Bandeirantes e do Show do Esporte. Ana Paula já era uma linda simpatia. Tempos depois, quando estava no Sportv, em São Paulo, meus caminhos voltaram a cruzar com Ana Paula. Na época, ela estava casada com um jogador de basquete e eu ocupava o cargo de editora chefe do programa Basketmania. A simpatia e a beleza de Ana Paula haviam apenas aumentado. No dia da gravação da entrevista com o marido, ela foi junto e surgiu então a idéia de gravar uns takes extras para mandar para o Rio de Janeiro avaliar se Ana Paula tinha condições de apresentar um programa. Não deu outra. Nossos caminhos se reencontraram, desta vez, no Rio de Janeiro, ela como apresentadora de um programa de vôlei no Sportv, onde eu então ocupava o cargo de editora executiva. Ana Paula, continuava a mesma, enchendo de luz os corredores da Globosat. Ana saiu da telinha, foi ser musa no vôlei de areia de Ipanema, virou mãe, ganhou medalhas e títulos...enfim, o tempo passou até que neste ano, eu e Ana Paula novamente nos encontramos. Eu, sócia direitora da New Gap Productions - Soluções em Mídia, responsável pela coordenação do Filme Oficial dos Jogos Olímpicos de Beijing, junto com a equipe de cineastas da CCTV (estatal chinesa, detentora dos direitos de transmissão dos Jogos) e, Ana Paula, ainda na busca da vaga para os Jogos (ler matéria arquivo Sport Marketing - Sport Marketing e New Gap Productions em parceria com a CCTV; Equipe da CCTV está no Brasil produzindo filme olímpico, Equipe CCTV é recebida pelo presidente do COB, . Como não podia deixar de ser, Ana foi um exemplo de ser humano e profissionalismo. Recebeu todos com profunda atenção e simpatia. O destino nos colocou frente a frente novamente numa quarta-feira à tarde no cinema do Shopping Downtown, no Rio de Janeiro, onde nos cruzamos após assistirmos ao filme Viagem ao Centro da Terra em terceira Dimensão. Ana, então, não tinha conseguido a sonhada vaga olímpica. Paramos para trocar algumas palavras amigas. Ana lamentou-se de forma positiva, sempre rodeada pelo filho e disse que desejava de coração muita sorte à dupla Larissa e Juliana. Vindo de Ana Paula, os desejos eram verdadeiros. Conheci Larissa e Juliana, dupla patrocinada pela Supergasbras, na produção do Filme Oficial dos Jogos, quando fomos gravar com a dupla em Fortaleza (ler matéria arquivo Sport Marketing - Exclusivo: Juliana e Larissa - brilham duas estrelas). Foi paixão à primeira vista. Paixão pela família da dupla, que nos recebeu com a característica simpatia acolhedora do povo do nordeste. Paixão pela dupla, que apesar de todos os títulos conquistados e pela já esperada classificação para os Jogos Olímpicos, não ostentava e se distinguia pela simplicidade, pela humildade, pela humanidade no lidar com as pessoas. Desde então, posso dizer que fixamos um vínculo de amizade. Quando soube da contusão de Juliana, meu coração ficou apertado. Ninguém mais do que a Santista Juliana merecia estar em Beijing e lutar pela medalha olímpica. O destino não pensou assim e venceu as forças da leonina Ju, mas colocou ao lado de Larissa, uma pessoa também especial. Esse foi o meu alívio. Ninguém mais, entre todas as atletas das duplas eliminadas, merecia estar nos Jogos Olímpicos do que Ana Paula. A grande prova disso, Ana Paula deu na arena - ajudou Larrisa a conquistar a primeira vitória, de virada, na abertura dos Jogos Olímpicos, superando o trauma do pouco entrosamento. Ambas merecem a vitória e Juliana, merece o orgulho de ter uma parceira forte e leal, que não deixa de mencioná-la nas entrevistas e de tê-la como inspiração a cada lance.

Deborah Ribeiro - Redação Sport Marketing - Beijing 2008