21 de jun de 2008

São Bento anuncia patrocínio de empresa da construção civil

O São Bento está fechando o patrocínio com uma empresa da área de construção civil de São Paulo, cujo contrato será assinado na próxima semana. Os valores do contrato de patrocínio é em torno de R$ 30 mil a R$ 40 mil. O nome da empresa ainda é mantido sob sigilo, mas o vice-presidente Osvaldo Daniel assegura que o contrato irá até o fim da Copa Federação Paulista de Futebol. Investimentos de empresas da construção civil em marketing esportivo, principalmente, no futebol, vem sendo uma constante. A Tenda financia o Cruzeiro e a MRV Engenharia patrocina o Vasco da Gama. As companhias apóiam, ainda, times menores em cidades onde estão investindo: a MRV financia o Uberlândia Futebol Clube, de Uberlândia (SP); e a Tenda, o Boa Vista, de Saquarema (RJ).

Redação Sport Marketing

Justiça suspende licitação da CBFS e coloca em questão Mundial de Futsal

A Justiça suspendeu o processo de organização do Mundial de Futsal 2008. A empresa Poly Promoções foi a vencedora da licitação realizada pela CBFS, porém as outras duas empresas participantes alegam que a Poly, que venceu o pregão, é da filha de um diretor da CBFS, Hideraldo Jorge Santana Martins. Duas outras empresas (MPM Media e Sete e Sete Eventos) entraram com pedido de impugnação. A empresa MPM Media conseguiu liminar que impede a assinatura de contrato. O juiz federal da 10ª Vara, Alcides Saldanha Lima, suspendeu o pregão eletrônico 0001/2008, que licitou três lotes de serviços para a organização do Mundial de Futsal 2008, que será realizado em outubro e novembro, no Rio de Janeiro e em Brasília. O motivo foi a vitória da empresa Poly Promoções e Eventos Ltda, que segundo alegação de outras duas empresas (MPM Media, Planning & Marketing Eventos ME e Sete e Sete Eventos e Promoções Ltda), foi beneficiada na licitação, porque a sócia-proprietária é filha de um dos integrantes do Comitê Organizador Local. Na última quinta-feira, a MPM Media conseguiu liminar suspende o pregão e também não permite que o contrato com a Poly Promoções seja assinado. "A grande questão é que o vice-presidente da CBFS (de Administração, Hideraldo Jorge Santana Martins) é pai da sócia da empresa vencedora (Verônica Garcia Santana Martins)" - comentou o advogado e representante da MPM Media, Leonardo Pitombeira em entrevista ao jornal O Povo, na qual ele lembrou ainda que Hideraldo Martins já foi representante da Poly em outros pregões, o que o implica mais no atual processo. Para o presidente da Confederação Brasileira de Futebol de Salão (CBFS), Aécio de Borba, o processo correu dentro das normas. "Fizemos de acordo com o que a Fifa planejou. Estiveram supervisionando membros da CBFS, Governo Federal, e da própria Fifa." Sobre a sócia da empresa vencedora ser filha do vice-presidente administrativo, Aécio de Borba, preferiu não se posicionar. "Eu não entendo nada de Direito, então não posso dizer se isso faz diferença." Depois do pregão eletrônico realizado na semana passada, as empresas que não venceram a licitação tinham três dias para manifestar o desejo de impugnar a vencedora. Após, quem recebeu o pedido de impugnação, tem mais três dias para contra-argumentar. Após todo esse processo, o responsável pelo pregão ganha outros três dias para avaliar se o processo deve ser refeito ou não. "A Confederação só vai se pronunciar quando o pregoeiro der o veredito. E depois, vamos ver como a Justiça continuará no caso" - explicou Aécio de Borba. Para ele, a situação não deveria chegar a esse ponto. "Recebemos dinheiro público e fizemos uma licitação, como se manda. Foram R$ 20 milhões do Ministério do Esporte e se a Poly for confirmada, vamos é devolver dinheiro. Porque o orçamento vai sair por um valor menor" - cerca de R$ 16 milhões. Ainda segundo o jornal O Povo, no final, o presidente da CBFS ironizou. "É a primeira vez que vejo alguém ser punido por infra-faturamento. Porque as punições são com quem faz superfaturamento." Mas a MPM Media, 2ª colocada no pregão, promete ir até o final. "O processo foi feito de forma ilícita e vamos recorrer" - disse o advogado Leonardo Pitombeira.

Redação Sport Marketing

Revezamento cancelado

O primeiro Revezamento Internacional da Tocha dos Jogos Paraolímpicos foi suspenso pelo Comitê Organizador dos Jogos Paraolímpicos de Beijing. A informação foi noticiada pelo periódico inglês The Observer que destaca que um anúncio oficial será feito pelo Comitê Paraolímpico Internacional na próxima semana. Segundo o jornal, o receio de repetir os protestos e a publicidade ruim que acompanhou o Revezamento da Chama Olímpica, teria inspirado o governo chinês a mudar de idéia com relação ao Revezamento internacional da Tocha dos Jogos Paraolímpicos. Esta seria a primeira vez na história dos Jogos Paraolímpicos que o Revezamento da Tocha aconteceria fora do país sede. No trajeto internacional a Tocha iria passar por Londres, Vancouver e Sochi, as cidades anfitriãs das próximas edições dos Jogos de Verão e Inverno.

Redação Sport Marketing

Dilema de marketing divide opiniões na natação norte-americana

Um dilema está dividindo opiniões nas piscinas norte-americanas. O USOC - United States Olympic Committee - Comitê Olímpico dos Estados Unidos está criando regras para prevenir que os atletas da natação usem logotipos e marcas de patrocinadores pessoais nas toucas, principalmente, em provas seletivas que antecedem mega eventos como, por exemplo, os Jogos Olímpicos e Mundiais. Enquanto não há uma regra clara, é comum, que as toucas sejam adornadas com patrocinadores pessoais dos atletas. Michael Phelps, por exemplo, veste uma touca com a marca Argent e Katie Hoff usa na touca o logotipo da Visa. Mas, tudo indica que, em breve, a USA Swimming, entidade responsável pela modalidade nos Estados Unidos, em acordo com o USOC, irá incluir no programa de venda de patrocínio as toucas dos atletas, como no Mundial de 2007, quando os atletas vestiram o logotipo da Yakult, não recebendo qualquer compensação financeira pelo endosso. Entre todos as modalidades, a natação é a que requer maior habilidade dos atletas em ganhar dinheiro. Mesmo assim, alguns atletas entraram para a história pela criatividade e capacidade de fazer dinheiro. Ninguém, por exemplo, bateu Mark Spitz nas piscinas e no mercado publicitário. Detentor de duas medalhas de ouro nos Jogos do México 1968 (4x100 e 4x200 nado livre), uma de prata (100m borboleta) e uma de bronze (100m livre) e herói dos Jogos de 1972, quando ganhou sete medalhas de ouro (100m livre, 200m livre, 100 m borboleta, 200 m borboleta, 4x100m nado livre, 4x200m nado livre, 4x 100m medley) e bateu sete recordes mundiais, Mark Spitz foi o precursor do gesto mercadológico de subir no pódio acenando para o público com um par de tênis. Era um par do modelo Gazelles da marca adidas. O gesto seria copiado por outros atletas em outras edições dos Jogos. Tom Jager, outro exemplo, é universalmente louvado como um dos atletas sem precedentes, assim como Matt Biondi. "Na minha época nós lutamos com a USA Swimming pelos nossos direitos" - disse Jager. "Nós podíamos ganhar dinheiro desde que conseguíssemos bons resultados. Mas, agora a diferença é grande e os atletas estão sendo explorados." De acordo com o campeão Trent Staley, agora da Comissão de Atletas, um dos fatores é que o USOC está realizando as seletivas independente da USA Swimming e, por causa disto, os atletas não são os únicos que estão perdendo. "O Comitê Olímpico também está dizendo que a USA Swimming não vai mais ganhar dinheiro o modo que costumava" - disse Staley. "Os atletas olímpicos são os mais vulneráveis neste momento, porque não sabem se vão fazer parte da delegação ou não. Eles têm o peso do mundo sobre os ombros e, por isso, são manipuláveis" - disse Jager. Existe o consenso entre os envolvidos com marketing e representação de atletas, que este tipo de exploração continuará até que os atletas se unam e se recusem a competir. " Na minha época, o dinheiro não era suficiente para comprometer meus valores e assim eu podia dizer 'ok', eu não vou competir. Eu deixei de ir a um campeonato mundial, por exemplo, por causa do modo com que estavam organizando o evento e também já escureci, com um marcador, todos os logotipos de patrocinadores da minha touca que não me pagaram. Mas, naquela época, o dinheiro não era muito como hoje em dia em que os atletas têm que ter uma compreensão mais política. Eu tentava lutar, independenre se iria perder dinheiro no final das contas ou não" - relatou Jager. "Nas seletivas que acontecerão no dia 29 de julho, os patrocinadores têm permissão de anunciar"- informou Staley. "Ao atleta não há outra alternativa do que respeitar as regras do USOC" - completou o membro da Comisão de Atletas. Enquanto os atletas de hoje em dia são usados como ferramentas para as grandes companhias lucrarem, os atletas do passado não crêem que isto seja verdadeiramente um passo a trás. "É um bumerangue" - disse Jager. "Agora o USOC, que é o real "fabricante de dinheiro" vê o valor da publicidade das toucas, o que nós, obviamente, já havíamos identificado. A USA Swimming sempre soube que esse valor existia. Se os atletas da natação lutam, os atletas de outros esportes também podem lutar. Os ciclistas, por exemplo, que não conseguem dinheiro, e outros esportes que não são pagos; a natação pode representar todos os atletas que o USOC quer pôr marcas e logotipos sem pagar. Os Jogos Olímpicos são o grande momento do esporte. A cada quatro anos, cerca de 52 atletas dos Estados Unidos conseguem marcas para representar o país. Do ponto de vista financeiro, é uma oportunidade para lucrar com os próprios esforços empregados no trabalho duro. Um direito que está sendo retirado. É um mundo lindo e egoísta, este mundo olímpico" - finalizou Jager.

Sandra White - correspondente Sport Marketing - Estados Unidos

Ernst & Young fecha parceria com Jogos de 2014

O Comitê Oragnizador dos Jogos Olímpicos de Inverno Sochi 2014 anunciou a parceria da auditoria internacional Ernst & Young. "Nós demos ao consultor uma tarefa muito difícil. É necessário definir requisitos funcionais para um sistema de informações corporativas, que funcionará em conjunto com a estrutura organizacional. Por exemplo, durante a preparação e execução dos Jogos, o número de pessoal envolvido no evento crescerá mil vezes, mas depois de 2014 diminuirá. A Ernst & Jovem está bem familiarizada com os particulares de organizações olímpicas graças a experiência que tem em implementar este tipo do trabalho" - disse Dmitry Chernyshenko, Presidente e CEO do Comitê Organizador dos Jogos de Sochi 2014. Especializada em consultorias, a Ernst & Young automatizará processos de negócios em finanças, recursos humanos e logística.

Redação Sport Marketing

Adriano se banca e ganha camisa da Reebok

A Reebok lançou uma camisa comemorativa em alusão ao jogador Adriano pelo São Paulo e que retorna à Internazionale. "Com Adriano no clube, vários setores saíram ganhando. O torcedor, que teve um ídolo; a Inter de Milão, que viu o jogador recuperado; a seleção brasileira, além do próprio São Paulo. Então, preparamos isso para marcar a passagem dele pelo clube" - afirmou Júlio César Casares, diretor de marketing do clube. A nova camisa será a mesma de jogo, porém, nas costas, o número 10 usado pelo jogador durante os seis meses em que atuou pelo São Paulo será grafado em algarismo romano ("X"), e a inscrição "Imperador" , em alusão ao romano Adriano. A camisa terá o preço de um uniforme oficial, por volta de R$ 150. Adriano, apenas neste ano, bateu o recorde de vendas de camisas do clube. A camisa 10 teve 44 mil unidades vendidas, média de 280 exemplares por dia. Outro número impressionante na passagem do jogador pelo clube é que, sozinho, ele "deu" um aumento de 30% nas vendas de material esportivo como um todo, praticamente bancando os gastos que o São Paulo teve para contratá-lo.

Redação Sport Marketing

Tocha passa por Tibet sem incidentes

A passagem da Tocha Olímpica pela capital do Tibet foi concluída em meio a grandes medidas de segurança, aparentemente, sem incidentes registrados. A Chama Olímpica partiu da Norbulingka, a antiga residência de verão do Dalai Lama, diante de alguns espectadores, previamente selecionados e duas horas e 45 minutos depois, chegou ao Palácio Topala, outra residência do líder tibetano, final do percurso em Lhasa. A polícia vigiou o percurso e os prédios adjacentes, e um cerrado cordão policial só permitiu o acesso de pessoas credenciadas. Vários moradores de Lhasa receberam a ordem de não sair de casa ou hotéis e as lojas ao longo do trajeto permaneceram fechadas. O primeiro condutor da Tocha foi o alpinista Gonpo, 75 anos, que passou a Tocha para Li Suzhi, chefe do hospital militar de Lhasa. O último a carregar a Tocha foi Caidan Zhuoma, um famoso cantor tibetano.Três meses depois dos distúrbios ocorridos no Tibet e em outras regiões chinesas contra o domínio das autoridades de Beijing, a capital Lhasa, continua fechada aos turistas estrangeiros e submetida a um forte esquema de segurança.

Redação Sport Marketing

OI FM faz promoção do livro Ouro Olímpico - a história do marketing dos aros

A Rádio OI FM em parceria com o Selo COB Cultural estará realizando uma promoção do livro Ouro Olímpico - a história do marketing dos aros como parte da celebração da Semana Olímpica no Rio de Janeiro. Quem ficar ligado na programação da Rádio OI FM e acertar a resposta de um quizz sobre marketing olímpico, tema do livro, ganha um exemplar da obra de autoria de diretor do Comitê Olímpico Brasileiro Marcus Vinicius Freire e da jornalista Deborah Ribeiro. Ouro Olímpico - a história do marketing dos aros foi lançado em 2007, antes dos Jogos Pan-americanos e relata de forma inédita a trajetória do marketing olímpico desde os Jogos da Antiguidade grega até Londres 2012. Durante seis anos, a dupla de autores pesquisou a história do marketing olímpico para compor as 336 páginas da obra inédita na área e que ressalta além da história do envolvimento das empresas no Movimento Olímpico, a trajetória da televisão no mega evento. Quem não conseguir participar da promoção da OI FM, encontra o Ouro Olímpico nas melhores livrarias do ramo ou nos sites: http://www.casadapalavra.com.br; http://www.travessa.com.br/; http://www.submarino.com.br/; http://www.americanas.com.br/. Sobre os autores: Marcus Vinicius Freire é economista, MBA em marketing, diretor voluntário do Comitê Olímpico Brasileiro, Chefe de missão da Delegação Brasileira em Jogos Pan-americanos e Olímpicos desde 1999, medalhista de prata olímpico no vôlei de quadra nos Jogos de Los Angeles (1984), membro da Academia Olímpica Brasileira, diretor da empresa de marketing esportivo DreamFactory. Deborah Ribeiro é jornalista, MBA em administração esportiva, sócia diretora da produtora de vídeo New Gap Productions, com passagem pelas redações de esportes das principais emissoras do país (Sportv, Bandeirantes, Record), já participou da cobertura in loco de vários mega eventos esportivos como Jogos Olímpicos (desde 1996), Jogos Pan-americanos, Copas do Mundo etc, é membro da Academia Olímpica Brasileira, no Pan de 2007 foi supervisora de operações de imprensa CO-RIO.

Redação Sport Marketing

Palavras e promessas de liberdade de imprensa na China

Em um esforço da China de reagir a críticas sobre o controle da imprensa no país, Liu Qi, presidente do BOCOG - Beijing Organizing Committee Olympic Games - Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos garantiu ao jornal China Daily. que "o BOCOG irá aplicar uma política de recusa zero a pedidos de entrevistas, o que significa que todas as solicitações de entrevistas serão respondidas". Os organizadores haviam prometido total liberdade de imprensa na campanha para sediar os Jogos, mas, enquanto a situação melhorou para jornalistas estrangeiros, o país não relaxou o controle sobre os repórteres locais, política criticada por grupos de direitos humanos. Esta semana, oficiais não permitiram que jornalistas estrangeiros que cobriam o Revezamento da Tocha Olímpica na região de Xinjiang entrevistassem as pessoas que acompanhavam a passagem da Tocha, e deixou que apenas um grupo limitado da mídia estrangeira acompanhasse o Revezamento na passagem pelo Tibet. Beijing irá prover "um abundante serviço de informação e de entrevistas agendadas" para criar um "lar para os repórteres", também teria afirmado Liu, segundo informou o jornal do Partido Comunista, o People's Daily, durante discurso em um encontro na capital chinesa. O braço norte-americano do PEN, organização internacional que luta pela liberdade de expressão, disse em uma carta aberta ao presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e à secretária de Estado, Condoleezza Rice, que China tem intensificado os abusos de liberdade de imprensa com a proximidade dos Jogos.

Redação Sport Marketing

Congresso Brasileiro de desporto universitário

As Olimpíadas Universitárias são mais que uma competição esportiva entre os estados brasileiros. Uma prova da mobilização que o evento promove está na intensa programação sócio-cultural, paralela às disputas. Nesta edição uma das atrações simultâneas é o V Congresso Brasileiro de Desporto Universitário, que acontece entre os dias 22 a 24 de junho, a partir das 20h, no Auditório da Faculdade de Alagoas (FAL). Profissionais, acadêmicos, estudiosos, médicos e juristas discutirão assuntos como justiça e medicina esportiva. Outro destaque do Congresso é a presença do diretor técnico do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Marcus Vinicius Freire, autor do livro Ouro Olímpico - a história do marketing dos aros, em parceria com a jornalista Deborah Ribeiro, que revelará alguns detalhes sobre o sucesso do Brasil no Rio 2007 e sobre a participação brasileira nos Jogos Olímpicos de Beijing 2008. O objetivo é trocar experiências para nortear as ações de entidades de administração e prática do desporto universitário. Participam do evento representantes das seguintes entidades: Ministério do Esporte, Comitê Olímpico Brasileiro, Confederação Brasileira do Desporto Universitário, Rede Globo e federações estaduais de desporto universitário. O diretor técnico do COB, Marcus Vinicius Freire fala sobre as conquistas brasileiras nos Jogos Panamericanos do Rio 2007 e as expectativas para Beijing 2008. Chefe de missão da Delegação Brasileira em Jogos Panamericanos e Olímpicos desde 1999, Marcus Vinicius, explica na palestra como é possível organizar a participação de uma delegação ou a realização de um grande evento com sucesso."É gratificante poder participar de um congresso voltado para quem trabalha pelo desporto universitário. Iniciativas como a realização das Olimpíadas Universitárias são muito importantes para a evolução do nosso esporte. Essa troca de idéias e o intercâmbio de informações ajudam a desenvolver uma base sólida para o desenvolvimento do esporte olímpico brasileiro. Aqui em Maceió estão muitos dos atletas que nos representarão em edições futuras dos Jogos Olímpicos" - afirmou Marcus Vinicius, ex-atleta de vôlei, medalhista de prata nos Jogos Olímpicos de Los Angeles 1984. A justiça desportiva no âmbito do desporto universitário é o tema da palestra do segundo dia. O presidente da Comissão Disciplinar do Superior Tribunal de Justiça Desportiva Universitária, Dr. Alberto Puga, explica os procedimentos da JD nas Olimpíadas Universitárias. Para o presidente da CBDU a palestra é importante para esclarecer delegações e federações. "Eles vão entender melhor como funciona. Somente no ano passado nós tivemos que abrir mais de 50 processos principalmente por causa de infrações disciplinares, mas também há problemas com uniformes e inscrição de atletas"- contou Roberto Maldonado. No encerramento do Congresso, o professor doutor argentino Raul Alejandro Supital fala sobre lesões esportivas e o professor Wclenton Oliveira sobre perfil morfológico e nutricional de atletas. "O congresso é muito importante porque podemos demonstrar que as Olimpíadas Universitárias não se resumem a uma competição esportiva. Também realizamos atividades paralelas educativas sobre questões esportivas. O evento não é só para o atleta jogar. É também para aprender , adquirir conhecimento científicos acadêmicos e entender como funciona o evento" - avaliou Maldonado. O V Congresso Brasileiro de Desporto Universitário é aberto ao público em geral e tem entrada franca. As Olimpíadas Universitárias 2008 são organizadas pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) em parceria com o Ministério do Esporte, a direção técnica da Confederação Brasileira de Desporto Universitário (CBDU), e o apoio das Organizações Globo, da Prefeitura Municipal de Maceió e da Federação Alagoana de Desporto Universitário (FADU).

Redação Sport Marketing

Mixto terá patrocínio da Prefeitura para Série C do Brasileirão

A Prefeitura Municipal de Cuiabá é o mais novo reforço do Operário na Série C do Campeonato Brasileiro. O prefeito Wilson Santos prometeu patrocínio de R$ 150 mil para o representante de Mato Grosso. Wilson prometeu apoiar o Mixto com recursos da própria Prefeitura, ‘se possível, através da Sanecap ou outros parceiros’. “Sou torcedor do Operário, mas entendo que neste momento, o Mixto é Cuiabá e Mato Grosso no Campeonato Brasileiro. E o time precisa pelo menos continuar na Série C, pelo bem do nosso futebol. Gostaria muito de ver o Mixto na Série B. Estarei acompanhando os jogos da equipe em Cuiabá e torcendo muito pelo nosso representante” - afirmou Wilson Santos. Os recursos de 150 mil reais serão divididos em três parcelas de 50 mil. Ainda não foi estipulada data para o repasse da primeira parcela.

Redação Sport Marketing