9 de abr de 2008

2015 Caracas!

A capital venezuelana, Caracas, confirmou a candidatura para sediar os Jogos Pan-americanos de 2015. Representantes do Comitê Olímpico Venezuelano (COV) oficializaram o projeto num encontro com o mexicano Mario Vázquez Raña (foto), presidente da Organização Desportiva Pan-americana (Odepa)."Estamos muito felizes em dar este grande passo" - disse Eduardo Álvarez, presidente do COV. O anúncio da candidatura da capital venezuelana foi conhecido, pela primeira vez, de forma oficial, em julho, durante o Pan do Rio de Janeiro. "Temos esta idéia há mais de um ano, sabemos que contamos com as instalações adequadas e que existe o tempo necessário para poder desenvolver um bom evento" - completou. Além do já ratificado projeto de Caracas de organizar os Jogos Pan-americanos de 2015, Bogotá (Colômbia) e Lima (Peru) também querem hospedar a competição. A próxima edição dos Jogos Pan-americanos, em 2011, será na cidade mexicana de Guadalajara.

Redação Sport Marketing

Cristiano Ronaldo 63.100 euros em cheque

Eleito embaixador da campanha on-line que angaria fundos para a Cruz Vermalha, o jogador Cristiano Ronaldo recebeu um cheque no valor de 63.100 euros (100 mil francos suíços). A campanha "Marcar pela Cruz Vermelha", organizada pela UEFA e pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha (ICRC), é uma iniciativa que tem como objetivo beneficiar as vítimas das minas terrestres no Afeganistão, através da doação de próteses, tratamentos fisioterápicos e treinos vocacionais. O cheque recebido por Ronaldo foi o primeiro donativo da UEFA à campanha "Marcar pela Cruz Vermelha". Os internautas podem ajudar acessando o portal http://www.scorefortheredcross.org/ e transformando a seleção favorita, na EURO 2008, na "Equipe Mais Humanitária" da competição. Para isso, o usuário precisa adquirir gols virtuais que também valem prêmios como ingressos para os jogos da EURO na Áustria e Suíça. A equipe vencedora será anunciada a 6 de Julho. A UEFA irá ainda doar à campanha, cinco mil euros por cada gol que Ronaldo faça pela seleção de Portugal na fase final da prova. "O melhor desta campanha é o fato de que todos vencem" - afirmou o português.

Redação Sport Marketing

Coca-Cola dá uma big mancada

Conforme noticiou o Sport Marketing (ver arquivo de notícias), o jogador argentino Diego Maradona retorna das cinzas para mais uma campanha publicitária no Brasil. Como se já não tivesse bastado ver Maradona, na Copa de 2006, sonhando ser um dos craques da seleção brasileira e tomando um Guaraná Antarctica, refrigerante que é um dos maiores concorrentes da Coca-Cola no mercado brasileiro, agora o ex-jogador vira a casaca para figurar na campanha da filial brasileira da empresa norte-americana de refrigerantes. A pouca criativa e fora de época campanha da Coca-Cola, terá anúncios em televisão, rádio, mídia impressa e internet, tenta reavivar a velha rixa entre Brasil e Argentina e reacender a velha polêmica sobre quem foi o melhor de todos os tempos! O pior é que as duas opções para uma "votação" promovida pela empresa são o ex-meia argentino Diego Maradona e o ex-volante Biro-Biro, ex-vereador de São Paulo! " Nós achamos uma maneira diferente de olhar para essa discussão sobre quem foi o maior da história" - tenta explicar a péssima e já derrotada campanha, Ricardo Fort, diretor de marketing da Coca-Cola Brasil. A explicação ainda piora quando o diretor de marketing fala: "Este é um ano importante para a marca, uma vez que somos patrocinadores oficiais dos Jogos Olímpicos de Beijing, que começam em agosto". Se Ricardo tivesse o mínimo de conhecimento em markeitng esportivo e olímpico, ele saberia que o futebol, por ter um campeonato mundial específico, a Copa do Mundo, não é prioridade da nossa seleção brasileira e não é estrela entre as várias outras modalidades que compõem o calendário olímpico. O executivo contou que está previsto um investimento de R$ 1,5 bilhão no Brasil (esperamos que não sejam focados nessa campanha) para este ano - em 2007 o montante foi de R$ 1,3 bilhão. "A verba de marketing segue esse crescimento. Em 2008 teremos uma verba maior do que no ano passado", informou o executivo, sem revelar o total disponível para a estratégia de marketing daa empresa no país. O aspecto mais interativo da campanha Maradona x Biro Biro será o estímulo à participação numa eleição fictícia. Nos bares que vendem Coca-Cola, o consumidor poderá votar no jogador de preferência, depositando tampinhas da garrafa de refrigerante em urnas com o nome de Biro Biro ou de Maradona. Na televisão, cinco filmes publicitários apresentarão os jogadores de forma épica e grandiosa e convidarão o espectador a participar da votação nos botecos. Na internet, por sua vez, o usuário poderá participar de um confronto entre bonecos virtuais que representam cada jogador.

Redação Sport Marketing

Flávio Canto pelas artes

O trinômio esporte, educação e inclusão social foi a tônica da apresentação do livro “Você Conhece os Jogos Olímpicos?”. O evento, que uniu o Selo COB Cultural, responsável pela publicação, e o Metrô do Rio, contou com a presença de 160 alunos de escolas municipais da capital, que acompanharam com atenção os ensinamentos do professor Flávio Canto, medalhista de bronze nos Jogos Olímpicos de Atenas 2004. O judoca foi uma das atrações da festa literário-esportiva, que teve ainda recreação e distribuição de brindes. "Você Conhece os Jogos Olímpicos?" é uma publicação do Museu Olímpico de Lausanne e ganhou tradução para o português através do Selo COB Cultural, uma parceria entre o Comitê Olímpico Brasileiro e a Editora Casa da Palavra. O livro proporcionou também o primeiro contato de vários alunos das Escolas Municipais Eurico Salles, Maestro Pixinguinha, Monte Castelo, General Osório, Leão Velloso e Antor Macarenco com os Jogos Olímpicos. Através de gincanas e atividades de recreação os estudantes, com faixa etária entre 8 e 10 anos, puderam conhecer o que representam os Jogos Olímpicos. “Achei o livro muito legal e bonito. É importante essa iniciativa de incentivar a garotada a ter contato com o esporte. Estou aqui para poder passar um pouco da filosofia do esporte e seus ensinamentos. O esporte é um instrumento de mudanças na sociedade, mudanças para melhor”, afirmou o judoca Flávio Canto. O Selo COB Cultural é uma parceria entre o Comitê Olímpico Brasileiro e a Editora Casa da Palavra e desde 2005 promove, divulga e multiplica o conhecimento sobre diversas modalidades esportivas, em particular as olímpicas. Entre os livros publicados está a obra Ouro Olímpico - a história do marketing dos aros dos autores Marcus Vinícius Freire e Deborah Ribeiro que relatam o desenvolvimento do marketing olímpico desde os Jogos da Antiguidade Grega, passando por todas as edições do mega evento esportivo, até Londres 2012. Uma obra que não pode faltar na biblioteca de jornalistas, especialistas em marketing, marketing esporttivo, publicitários, profissionais de educação física, atletas.

Redação Sport Marketing

O resto é figuração

O portal eletrônico Brandchannel.com, produzido pela Interbrand com informações sobre marcas, realizou uma pesquisa nos Estados Unidos na qual a Apple disponta como uma das marcas mais lembradas em aspectos positivos entre os mais de 1.400 profissionais de Marketing ouvidos em pesquisa. Aproximadamente 2 mil executivos, 74% deles do departamento de marketing, responderam questões como “com que marca você gostaria de sentar junto em um jantar”, “com que marca você gostaria de iniciar uma discussão?” ou “que marca, se enviada de volta ao tempo, 100 anos atrás, causaria maior impacto no percurso da história?”. A Apple é a convidada mais popular para um jantar para 14.3% que responderam a pesquisa. A marca de Steve Jobs também é a mais apontada entre aquelas que irão revolucionar a indústria nos próximos cinco anos, ao lado do Google, com 17.8%. É ainda a mais citada como a marca que mais causaria impacto um século atrás, segundo 15.5% dos participantes. Em segundo lugar está a Microsoft, com 10.4%. A Apple também é a marca mais citada entre as quais os executivos não poderiam viver sem, registrando 15.2%, e a mais votada na questão “se você fosse se descrever como sendo uma marca, qual seria?”, atingindo quase 10%, contra 4.4% da Nike, em segundo lugar. Também é a que mais os inspira, registrando 22.1% dos que responderam a pesquisa.

Redação Sport Marketing

Maiôs de gel Mizuno

A Speedo foi buscar na Nasa ajuda para desenvolver o novo maiô de natação, o LZR Racer que vem sendo a grande sensação das piscinas entre os principais nadadores da atualidade que têm quebrado diversos recordes mundiais nas últimas competições. Já a fabricante japonesa Mizuno foi buscar no gel o segredo de um novo maiô desenvolvido para os Jogos de Beijing. Os japoneses não quiseram ficar atrás e trataram de lançar, em Tóquio, um novo produto - o "Accel Susit Water Gene", feito de tecido hidrofílico. Os modelos Mizuno foram os nadadores japoneses Kosuke Kitajima e Aya Terakawa. Uma curiosidade é que a superfície se transforma em gel quando entra em contato com a água. Só nos resta torcer para que não se desfaça nas piscinas de Beijing. Quem ganhará a batalha das marcas nas piscinas de Beijing: Speedo ou Mizuno?

Redação Sport Marketing

Ações do Benfica sobem

As ações do Benfica tiveram uma alta de mais de 22%. Com esse resultado, as perdas acumuladas desde o início do ano ficaram em 0,42%. Mais de 11 mil títulos foram transacionados superando a média diária negociada nos últimos sei meses. As ações do clube lisboeta valorizavam 18,32% para 2,39 euros o valor mais alto desde 28 de Dezembro de 2007. Trocaram de mãos 11.064 ações do clube sendo que, nos últimos seis meses, a média diária negociada foi de 2.912 títulos. Na semana passada, o clube anunciou lucros de 7,7 milhões de euros, no primeiro semestre, um valor que é justificado, em parte, pela venda de passes de jogadores.

Redação Sport Marketing

Coluna Olímpica 7: G.E a luz dos Jogos

Enquanto atletas de todo o mundo correm atrás de medalhas e disputam um lugar no pódio, nos bastidores, os Jogos Olímpicos funcionam como uma espécie de mega convenção de negócios internacionais, com patrocinadores mostrando produtos para o mundo e, consequentemente, somando clientes. Para a G.E, por exemplo, os expectadores que forem aos Jogos e as pessoas do mundo que estarão conectadas com o evento pele TV serão o targeting da estratégia de marketing criada para os Jogos de Beijing. A meta é que os Jogos sirvam como uma plataforma global de marketing para a G.E alcançar a consciência da marca universalmente. A companhia comprou 80% do espaço publicitário dos Jogos Olímpicos da NBC, emissora que detém com exclusividade, os direitos de transmissão dos Jogos para os Estados Unidos. Também investiu em outdoors de rua e estradas, anúncios em jornais e em aeroportos de Beijing e Xangai. Com o slogan "Imagination at Work" ("Imaginação no trabalho") a G.E desenvolve, há cinco anos, uma campanha em inglês e em mandarim (idioma oficial chinês). Para se apresentar ao mundo, a companhia terá um mega stand no meio do Parque Olímpico de Beijing, uma mega construção de dois pavimentos, cuja metade será um local para diversão e exposição de produtos e a outra metade um museu. "Nós queremos humanizar a G.E." - disse Don Schneider, diretor de executivo criativo da BBDO Nova Iorque, a agência de publicidade da G.E, com exclusividade ao Sport Marketing. Porém, humanizar a imagem da G.E não tem sido uma missão fácil para a BBDO que tem solicitado ajuda às agências em Xangai e na Europa para incorporar reais sensibilidades estrangeiras nos anúncios da empresa. O grupo de Xangai, por exemplo, apresentou um anúncio impresso que apresenta uma escola de natação de peixes-dourados no oceano, com palavras sugerindo que aquele oceano podia ser um reservatório. Os peixes-dourados são onipresentes na China e a maioria dos chineses sabem que são peixes de água doce. "Os americanos nunca conseguiriam isto" - disse Sr. Schneider. O contrário também acontece com relação aos anúncios americanos. A G.E. tem mostrado um comercial no qual uma árvore "caminha" em um campo para abraçar uma casa que usa tecnologia verde. Na China, o humor do anúncio cairia por terra. Até os cavaletes de táxi, na China, serão utilizados pela G.E e, muitos táxis serão equipados com produtos G.E interativos, jogos para diversão dos passageiros. Os anúncios e outdoors têm temas mais específicos aos Jogos Olímpicos. Por exemplo, um anúncio mostra um campo cultivado com o slogan: "Às vezes o sucesso é medido em verde, não em ouro". Outro anúncio interessante é composto por moinhos de vento, na forma do Estádio Nacional, o Birdsnest, que traz o slogan: " O vento talvez esteja a seu favor nos Jogos Olímpicos de Beijing 2008". Mas, as ações publicitárias da empresa não estão focadas apenas no tema olímpico. A G.E desenvolveu, em paralelo, vários novos anúncios impressos que usam outros temas, como por exemplo, um anúncio de purificação da água que destaca a frase: "Um camelo pode ficar sem água por 30 dias. Uma economia crescente não pode". Um anúncio distribuído na China mostra uma flor pintada segurando uma lâmpada incandescente com a frase: "Os americanos vêem uma tulipa, mas os chineses reconhecem isto como uma flor de lotus". Durante os Jogos, a G.E, assim como outras empresas, optará por ações de endomarketing e marketing direto, uma vez que trata-se de um evento internacional freqüentado não apenas pelos 2.000 funcionários da empresa que estarão prestando serviços in loco aos Jogos, mas, principalmente, por muitos executivos convidados pelas empresas a participarem e, também, pelos convidados das outras empresas ligadas ao evento. Resumindo, do ponto de vista de marketing, os Jogos Olímpicos são uma plataforma de marketing capaz de alcançar muitas pessoas mundialmente em apenas quinze dias. O mega stand G.E no Parque Olímpico de Beijing é a viga mestra da campanha da G.E nos Jogos de Beijing. Será uma instalação temporária, onde acontecerão demonstração dos produtos G.E para adultos e também crianças. Na sala de energia aeólica, crianças e adultos poderão acenar com os braços e fazer projeções digitais no vento. Na sala de purificação da água, os visitantes do stand da G.E caminharão sobre uma projeção de vídeo da água, cada passo criando ondulações. A única exibição lincada diretamente com os Jogos Olímpicos é uma réplica digital da instalção conhecida como The Cube, Cubo Aquático, onde a G.E. fornece todos os geradores e sistemas de iluminação. A completa história do envolvimento da G.E no Movimento Olímpico é amplamente debatida no livro Ouro Olímpico - a história do marketing dos aros -Selo COB Cultural - editora Casa da Palavra.

Deborah Ribeiro - diretora Sport Marketing

A procura do patrocinador perdido

Jacques Villeneuve está caminhado contra o vento, sem lenço, sem documento e sem rumo certo no mundo da velocidade. Villeneuve ficou sem carro antes mesmo da campanha na Sprint Cup começar. Se se envolveu em um acidente durante a qualificação da Daytona 500 e alguns dias depois a Bill Davis Racing anunciou que Mike Skinner o iria substituir. Villeneuve não tem patrocinadores para se manter na Nascar. Como se não bastasse, o campeão mundial de F-1 também rompeu com o empresário, Craig Pollock, em janeiro, e agora está trabalhando com o ex-dirigente da Champ Car, Barry Green, para conseguir fundos para continuar na NASCAR. "Ainda temos alguns meses para conseguir fundos. Está sendo difícil. Estou trabalhando com Barry Green" - disse Villeneuve. "Craig estava tentando comprar uma equipe na NASCAR, mas não conseguiu e ao mesmo tempo fechou algumas portas para mim em equipes que tinham vagas. Espero recomeçar e conseguir voltar".

Redação Sport Marketing

ACNO se reúne pelo bem da Tocha

Em Beijing, onde acontece a 16 Assembléia Geral da Associação dos Comitês Olímpicos Nacionais, ACNO, dois temas principais roubam as horas do encontro entre os representantes dos países envolvidos com os Jogos Olímpicos de Beijing: boicote e suspensão do trajeto original do Revezamento da Tocha Olímpica. Com relação ao boicote, os representantes dos Comitês Olímpicos Nacionais já deram parecer contra, segundo anunciou o presidente da associação ao fim de uma reunião de três dias na capital chinesa. "A consulta aos 205 Comitês Olímpicos presentes ou representados não deu nenhuma indicação para não apoiar os Jogos" - declarou à imprensa o presidente da Associação de Comitês Olímpicos Nacionais, o mexicano Mario Vázquez Rana. Quanto ao trajeto da Tocha Olímpica de Beijing, o presidente do COI, Jacques Rogge, afirma que não pretende fazer alterações. Mas, as opiniões parecem divergir entre os representantes dos Comitês Olímpicos Nacionais. "Acho que não seria um problema suspender o trajeto da Tocha. Foi muito lindo quando a Tocha de Atenas 2004 passou pelo Rio de Janeiro, um dia que entrou para a história da cidade. O espírito olímpico que a Chama representa está padecendo no umbral de tanta brutalidade pela qual a Chama está passando em outras cidades. Nós estamos tentando separar o movimento político do esportivo. Os manifestantes estão usando a imprensa, estão cercando a Tocha dos Jogos, utilizando o momento para se expressar. Nossa idéia é de que o esporte não seja usado para isso, mas estão se aproveitando de uma arma, de ferramentas que estão ao alcance das mãos" - disse o Chefe da Delegação Brasileira do Comitê Olímpico Brasileiro, medalhista olímpico (prata) com a seleção brasileira de vôlei nos Jogos de Los Angeles em 1984, Marcus Vinicius Freire, que está em Beijing para a reunião da ACNO. Porém, suspender ou diminuir o trajeto do Revezamento da Tocha de Beijing não é tão simples assim como pode parecer. Existem patrocinadores atrás do Revezamento da Tocha: Coca-Cola, Samsung e Lenovo, que aliaram ao evento uma série de ações de marketing, endomarketing e de hospitalidade distribuídas em todo o mundo! Cada uma destas empresas teve direito a convidar um número específico de condutores da Tocha que, agora, não podem ser simplesmente dispensados e fica de mão abanando! Isso sem contar o investimento aplicado por estas empresas para estarem aliadas ao programa de marketing do Revezamento! Não é à toa que até o momento, o Comitê Olímpico Internacional garante que não vai cancelar nenhuma das etapas da viagem da Tocha Olímpica até Beijing. E não fará isso, a não ser que essas empresas se posicionem a favor o que também só irá ocorrer a partir de um acontecimento catastrófico - o que ninguém espera que aconteça. Enquanto os líderes se reúnem, a Chama segue o cavário de manifestações e protestos. Em São Francisco, os protestos contra o governo chinês e pela liberdade no Tibet marcam a passagem da chama. Centenas de manifestantes juntaram-se no centro da cidade norte-americana, numa vigília que contou com a participação do Prêmio Nobel da Paz Desmond Tutu e do ator norte-americano Richard Gere."Tudo teve início no dia 10 de março e não começou por causa dos Jogos Olímpicos. Houve uma simples manifestação em frente do templo Jokhang, em Lhassa, e abriu-se um vórtice, de onde saiu uma quantidade enorme de energia, que foi conduzida até este momento, obviamente à volta dos Jogos Olímpicos" - afirmou Gere. São Francisco assistiu a uma marcha pacífica contra a política de Beijing no Tibet, que culminou em frente à representação diplomática da China. A cidade tem uma longa tradição de protestos e ainda são esperadas importantes manifestações, enquanto a Tocha Olímpica realizar um percurso de 10 quilômetros, que poderá ser desviado por motivos de segurança, para evitar situações como as de Londres ou Paris, onde manifestantes chegaram a apagar momentaneamente a Chama. Com o símbolo olímpico em São Francisco, a líder da Câmara dos Representantes Nancy Pelosi apelou ao presidente George W. Bush para boicotar a abertura dos Jogos. "O símbolo dos Jogos cumpre hoje um percurso de 10 quilómetros em São Francisco, nos Estados Unidos, seguindo-se a capital da Argentina, onde vários grupos ativistas planejam protestos. Entretanto, têm crescido os apelos ao diálogo entre China e Tibet: o Primeiro-ministro australiano é mais um dos opositores do boicote aos Jogos Olímpicos, mas pede que a China respeite os direitos humanos. Também o Nobel da Paz Desmond Tutu já se mostrou muito surpreendido com a mobilização das pessoas em todo o mundo. Só no último mês a polícia chinesa deteve pelo menos 953 pessoas por suspeitas de envolvimento em motins no Tibet. O presidente do Comitê Olímpico dos EUA, Peter Ueberroth, entende que o acontecimento constitui "um importante momento para a cidade revelar caráter, hospitalidade e compromisso com a paz e a tolerância". As autoridades da São Francisco afirmaram a disposição de garantir o equilíbrio entre o direito dos manifestantes se expressarem e a manutenção da segurança pública. Mihir Bose, editor desportivo da BBC, afirmou saber de fonte do Comitê Olímpico Internacional que, se em São Francisco repetir os acontecimentos de Londres e Paris, a viagem internacional da chama poderá ser interrompida. Outro assunto que estará em pauta na reunião da ACNO foi a desclassificação de toda a equipe dos Estados Unidos das provas em que Marion Jones participou nos Jogos Olímpicos de Sydney, em 2000, por causa do envolvimento com doping da ex-velocista. As ex-companheiras de Marion Jones também pagaram o pato com a confirmação do uso de substâncias proibidas pela norte-americana. O COI decidiu retirar as medalhas da equipe americana nas provas de 4x400m (medalha de ouro) e 4x100 (medalha de bronze)."O Comitê Olímpico dos Estados Unidos receberá um pedido para devolver as medalhas e os certificados" - afirmou a representante do COI, Giselle Davies em entrevista coletiva. "O COI tem o conhecimento que outros atletas pagaram o preço pela culpa de Marion Jones" - completou. A atleta foi a primeira mulher a conquistar cinco medalhas no atletismo em uma mesma edição dos Jogos Olímpicos - três de ouro. Jones devolveu as medalhas dela no ano passado, quando foi condenada pelo uso de doping e também foi banida do esporte por dois anos.

Redação Sport Marketing