23 de fev de 2008

Delícia de Ferrari

Em Bergamo, norte da Itália, uma confraria de doceiros italianos fez uma réplica da Ferrari, em tamanho real, todinha de chocolate. A Ferrari deliciosa é uma réplica do monoposto desenvolvido pela escuderia para disputar a atual temporada da Fórmula 1. A cópia pesa cerca de 2 toneladas do mais puro chocolate belga. De acordo com os criadores, o saboroso F2008 está avaliado em 15.900 euros, ou aproximadamente R$ 40 mil. A idéia de fabricar uma versão de chocolate do monoposto surgiu há um ano, quando os confeiteiros criaram uma réplica pequena do carro. De acordo com Luigi Liberti, presidente do Scuderia Ferrari Club Napoli, o projeto teve início de fato quando os confeiteiros se entusiasmaram em construir um modelo em tamanho natural. O F2008 de chocolate será exibido durante uma confraternização de proprietários de modelos Ferrari, a ser realizada em breve em Sorrento, no sul da Itália.

Quem é Alisher Usmanov?

Alisher Usmanov é conhecido como um investidor astuto e apontado também como um dos mais espertos homens de negócios da nova Rússia. Proprietário da Metalloinvest, líder no setor metalúrgico russo, Usmanov, 54 anos, é casado com Irina Viner, famosa treinadora de ginástica rítmica com quem tem dois filhos. O magnata russo é presidente da Federação russa e européia de Esgrima e torcedor do Arsenal FC há anos. De fã, se tornou um dos acionistas do clube londrino, avaliado em aproximadamente € 640 milhões (cerca de R$ 1,62 bilhão) e que tem 45% de suas ações nas mãos de cinco acionistas. No início deste mês, o bilionário russo revelou que aumentou a sua participação no Arsenal para 24,2%, tornando-se o maior acionista privado do time ao ultrapassar o também empresário Danny Fiszman, que detém 24,1 %. A meta de Usmanov é comprar pelo menos 25% das ações do Arsenal, criando assim, uma força de bloqueio a qualquer iniciativa dos dirigente ou acionistas do clube. Sabe-se que a direção e os restantes acionistas do Arsenal, têm um pacto que os proíbe vender ações ao empresário russo. Caso algum dos acionista consiga adquirir 29,9% das ações, será obrigado a fazer uma proposta de aquisição do clube. Esse é o medo dos demais acionistas do Arsenal que não escondem as armas para impedir que o bilionário russo domine o clube. O acordo entre os acionistas acabaria em abril, mas foi prorrogado por mais um ano devido a ameaça que o russo representa. No final deste acordo, os membros da direção terão opção de compra das ações uns dos outros, o que mais uma vez, deixará o russo em dificuldade. Enquanto isso, nos últimos meses, Usmanov comprou o jornal "Kommersant", um dos mais influentes da Rússia, e a coleção particular do falecido violoncelista russo Mstislav Rostropovich.

Casual Auditores analisa o mercado financeiro do futebol

A empresa paulista Casual Auditores Independentes realizou um estudo muito interessante sobre o mercado brasileiro do futebol. Segundo a pesquisa, o mercado futebol representa atualmente 2,7% da indústria desportiva do país. Mas os horizontes são promissores. A expectativa é que novas fontes de receitas surjam nessa área e movimentem aproximadamente 390 milhões de euros nos próximos anos. Segundo estudo publicado pela Casual, esses novos recursos são; estádios, marketing e mídia, que podem ser explorados pelos clubes por meio da maximização de suas macro-receitas operacionais. A pesquisa destaca que no que diz respeito aos estádios, os clubes poderão aumentar as suas receitas em 117 milhões de euros, através do matchday program, pacotes de bilhetes, venda de produtos e serviços, catering, hospitality, bilhetes premium e exploração dos estádios em dias que não há jogos. Com relação ao marketing, os auditores da Casual acreditam que os clubes brasileiros poderão gerar mais 136 milhões de euros, por meio das receitas tradicionais dos seus patrocinadores e também da ativação de parcerias entre clubes e empresas. Além disso, a venda de produtos próprios, royalties, campanhas de fidelização, oferta de serviços licenciados e exploração da imagem dos jogadores atuais e estrelas do passado, potenciarão o aumento das receitas. Quanto a mídia e os novos meios de comunicação prevê-se o aumento de 97,5 milhões de euros em receitas, através de novos conteúdos e desenvolvimento de projetos ligados às novas tecnologias. Fundada em 2002, a Casual atua no segmento esportivo na área de auditoria de entidades desportivas profissionais e amadoras, especialmente com clubes de futebol. Desde 2005 empresa implementou uma divisão específica para o esporte negócio, que é a responsável por projetos com clubes profissionais, estudos e análises sobre a Indústria Esporte no Brasil e no Mundo. Na Casual Auditores Independentes só tem fera. Carlos Aragaki atuou como gerente em auditoria para a Hicks, Muse, Tate & Furst, fundo norte americano de investimento que atuou na área esportiva no Brasil e na Penalty, nome fantasia da Cambuci S/A, empresa de artigos esportivos. Edison Ryu Ishikura está elaborando a NBC - T - 10.22 sobre contabilidade de entidades desportivas e a tese dele de doutorado trata da contabilidade de clubes de futebol. O especialista em marketing esportivo Amir Somoggi está entre os especialistas que tocam os negócios na área de esportes da empresa.

Marco van Basten assinou com Ajax

O técnico holandês Marco van Basten assinou um contrato de quatro anos para treinar o Ajax. A página do Ajax na internet (www.ajax.nl) informa que Marco van Basten assumirá o cargo de técnico do time em 1o de julho, substituindo Adrie Koster. Mas não diz nada sobre as cifras da negociação. Foi no clube de Amsterdã que Marco começou sua carreira em 1981, sendo transferido para o Milan, da Itália, seis anos depois. Marcou 151 gols em 172 jogos pelo Ajax, conquistou por diversas vezes o título holandês, a liga e a copa da Holanda em 1983, e a Copa dos Campeões da Europa em 1987. Como técnico esta será a terceira vez que van Basten, de 43 anos, assumirá o time. Ele começou sua carreira como técnico no Ajax, em 2000. A contratação de van Basten faz parte de um processo de reestruturação de administração e gestão que o Ajax está implantando (ver detalhes em matéria no histórico do blog).

Cristiano Ronaldo - garoto prodígio português

Aos 23 anos, Cristiano Ronaldo é um orgulho português e uma marca bastante rentável. Pegue a calculadora e vá somando, porque os números são muitos. Só em campanhas publicitárias Cristiano Ronaldo vale, algo em torno de 24 milhões de euros. O Banco Espírito Santo é prova disso. Em 2003, o banco apostou no jovem madeirense que o Sporting (clube que na altura lhe pagava 1500 euros/mês) havia ‘perdido’ para o Manchester United. Hoje o jogador é a imagem exclusiva do banco e para cada contrato que Cristiano Ronaldo assina, de três em três anos, junto ao BES, o jogador recebe quatro milhões de euros, apenas pelas campanhas publicitárias, pois este valor pode ser acrescido por vários outros trabalhos adicionais. Em 2006, Cristiano tornou-se acionista do BES quando renovou o contrato e recebeu parte do pagamento em ações (36 mil) desta entidade bancária (que na ocasião valiam cerca de 400 mil euros). O contrato do jogador com o banco vai até ao final do campeonato da Europa, em junho deste ano, mas a probabilidade de ser renovado é grande. Em 2005, Cristiano Ronaldo foi garoto propaganda de uma coleção de roupa da Pepe Jeans e colocou no bolso 1,5 milhões de euros. A Nike patrocina o jogador desde 2005 - 12 milhões de euros num contrato que dura há mais de dois anos e que, segundo fonte da marca, será certamente também renovado. Os games e as empresas de aparelhos celulares também passaram a encarar Cristiano Ronaldo como um chamariz. O Pro Evolution Soccer 8 (o jogo mais famoso do mundo) rendeu ao craque cerca de dois milhões de euros. A empresa portuguesa YDreams decidiu inovar e colocou a imagem de Cristiano Ronaldo como figura animada no jogo para os celulares da Vodafone, pagando 1,5 milhões pelos direitos de imagem ao jogador. A Nintendo também tem uma parceria com o craque e paga a Cristiano o mesmo valor que da Vodafone. Em 2006, Coca-Cola convidou Cristiano para fazer um anúncio na China por 1,5 milhões. Em salários, o Manchester United, paga ao jogador, anualmente, sete milhões de euros (583 mil euros por mês) - salário que está prestes a ser renegociado e talvez alcance dez milhões de euros (830 mil euros/mês) -, isto sem falar em prêmios de jogo, merchandising do clube inglês e as convocações para a seleção. Em termos de salários, Cristiano ocupa a oitava colocação entre os jogadores em atuação na Europa mais bem pagos, lista essa liderada por Kaka, do Milan - 750.000€ (mês) e 9.000.000 € (ano). Dinheiro é que não está faltando na vida de Cristiano Ronaldo.

Patrocínios de camisas da Bundesliga

Os clubes da Bundesliga (campeonato alemão de futebol) têm conseguido fechar ótimos contratos de camisas nos últimos anos. Embora o aumento não seja tão significativo quanto os contratos de direitos de tv, as marcas e as empresas estão se mostrando dispostas a reforçar presença no futebol Alemão. Exemplo disso foi a entrada das marcas Gazprom e Flying Emirates. Em termos comparativos, os clubes tops alemães, estão parelhos com outros grandes times da Europa. O Manchester United recebe 20,9m€ da AIG, o Real Madrid 15m€ da Bwin, FC Porto, Sporting e Benfica recebem da Portugal Telecom 3,5m€.

Seguem alguns números de patrocínios de camisas da Bundesliga – temporadas 07/08 (valores anuais):

FC Bayern Munique – T-Com – 20 milhões de euros
FC Schalke 04 – Gazprom – 20 milhões de euros
VfL Wolfsburgo – VW – 20 milhões de euros
Borussia Dortmund – Evonik – 12 milhões de euros
Werder Bremen – Citibank – 9,5 milhões de euros
Hertha Berlim – Deutsche Bahn – 8 milhões de euros
VfB Estugarda - EnBW – 6,5 milhões de euros
Bayer Leverkusen – TelDaFax – 6 milhões de euros
Hamburguer SV – Flying Emirates – 5 milhões de euros
Eintracht Frankfurt – Fraport – 4 milhões de euros1.
FC Nuremberga – Miste+Lady Jeans – 3 milhões de euros
MSV Duisburgo – Xella – 3 milhões de euros
Hannover 96 – TUI – 2,5 milhões de euros
VfL Bochum – KiK – 2,5 milhões de euros
Arminia Bielefeld – Krombacher – 2 milhões de euros
Hansa Rostock – KiK – 2 milhões de euros
Karlsruher SC – EnBW – 1,5 milhões de euros
FC Energie Cottbus – Envia M – 1,2 milhões de euros

Lionel Messi ganha Troféu EFE

O atacante argentino Lionel Messi, do Barcelona, recebeu o Troféu EFE (a agência de notícas EFE é a criadora da premiação) de melhor jogador latino-americano da última temporada do Campeonato Espanhol. A premiação aconteceu no Camp Nou. Esta é a 17ª edição do prêmio que em 2004 foi recebido pelo brasileiro Ronaldinho Gaúcho. Messi é o sexto jogador argentino a conquistar o prêmio, depois de Diego Simeone, Martín Herrera, Fernando Redondo, Javier Saviola e Pablo Aimar. O último reajuste salarial de Lionel Messi garantiu a bolada de US$ 9,8 milhões por temporada e fidelidade até 2014. Além do que ganha de fato jogando, Messi tem um contrato com a Adidas que lhe garante cerca US$1,7 milhão por ano.

Especial: Êpa, êpa, êpa - a seleção brasileira é barata demais!

Êpa, êpa, êpa... Justamente a Nike, patrocinadora da seleção brasileira de futebol, pentacampeã do mundo, pagando US$ 12 milhões (R$ 20,4 milhões) anuais, é a mesma empresa que vai pagar pela seleção francesa (apenas uma vez campeã do mundo e atual vice) US$ 63,3 milhões (R$ 107,6 milhões) por ano!? Muita calma nessa hora! O que os "Bleus" têm que os canarinhos não têm? Eu arriscaria dizer, visão de negócios, melhor gestão e claúsulas contratuais. Outros analistas incluiriam questões como políticas anti-pirataria, poder aquisitivo do mercado consumidor etc - coisas que faltam ao Brasil. O fato é que a CBF renovou o contrato com a empresa americana sem abrir concorrência ou consultar suas rivais e até agora não obteve nenhum reajuste no total pago atualmente. A Nike patrocina a CBF desde 1996, com vínculo previsto até o ano de 2018, por um valor 5,3 menor do que o destinado aos franceses. Importante lembrar: a Copa de 2014 será no Brasil, o que elevará ainda mais o valor da marca da seleção brasileira e, consequentemente, da Nike. Até 2002, o contrato Nike/CBF era de US$ 160 milhões por dez anos, mas houve desconto de 25% em revisão que excluiu os amistosos e o compromisso de premiação de US$ 6 milhões (R$ 12,5 milhões) para conquista da Copa de 2006 que não veio. No ano passado, Adidas e Puma começaram um flerte com a CBF que não deu em nada. Já no México, a história foi diferente. Os mexicanos ganhavam algo similar ao Brasil, mas depois da Copa de 2006, trocaram a Nike pela Adidas, que repassa US$ 11 milhões (R$ 18,7 milhões) anuais. O disparate não pára por aí não, piora quando comparamos o nível de patrocínio Nike entre os times do exterior e times brasileiros, que exportam talentos para os clubes do exterior - muitos deles patrocinados pela Nike. O contrato da Nike com o Manchester United, por exemplo, é de US$ 458 milhões por 13 anos. O contrato com o Barcelona é de 150 milhões de euros entre 2009 e 2013 - um contrato que pode ser prorrogado até 2018 e que tem cláusulas de incentivo por resultado e por vendas de camisa, que podem pagar até 15 milhões anuais. Juntos, Manchester United e Barcelona recebem da Nike cerca de US$ 30 milhões ano! O FC Porto e a Nike também tem um contrato de patrocínio. O acordo vai até 2012, no qual a Nike veste todas as equipes do Porto e em troca oferece 11,5 milhões de euros, um valor reajustável para 15 milhões, conforme o sucesso do time. Aqui no Brasil, o Flamengo recebe US$ 4 milhões e o Corinthians US$ 2 milhões e ainda passam o maior aperto, porque nem sempre a Nike consegue entregar os materiais esportivos para os times que, já cansaram de entrar em campo rôtos e rasgados. Ano passado, com os problemas de distribuição Nike, os times passaram momentos difíceis, assunto que foi destaque em toda a imprensa nacional. As categorias olímpicas do Flamengo, por exemplo, que iriam participar dos Jogos Pan-americanos, tiveram que apelar para as costureiras do clube que criaram calos nas mãos costurando meias e camisas. No Corínthians a situação de horror é atual. Faltam camisas com o novo patrocínio (Medial Saúde) para a venda e algumas deficiências no contrato estão irritando a direção. Nos próximos dias, o Corínthians decide se continua com a Nike ou pára com o sofrimento e aceita propostas de outras empresas como a Reebok que anda sondando o time. Caso escolha viver entra tapas e beijos com a Nike, o time do Parque São Jorge vai receber cerca de R$ 12,6 milhões por ano - a Nike pagará R$ 5 milhões à vista. O novo contrato deve ter duração até 2011. Problemas com os times à parte, uma coisa não há como negar: a seleção brasileira é uma de suas mais atraentes vitrines de marketing da Nike e, por isso, não dá para entender o que faz da seleção top do mundo ser uma das mais baratas do planeta! Tá na hora de mudar isso minha gente! A Copa de 2014 vem aí!

Deborah Ribeiro - Diretora Sport Marketing

Sport Club do Recife e Lotto

O Sport Club do Recife apresentou os novos uniformes Lotto. Além do calção e camiseta, a marca italiana passa a produzir também bonés, kits infantis, meias, agasalhos e camisas femininas. Haverá ainda um modelo de camisa com preço mais acessível em relação ao uniforme convencional. O contrato é de quatro anos e prevê ainda o design do uniforme dos funcionários, design e a confecção das camisas de outras modalidades e a inauguração da loja oficial do time na Ilha do Retiro que será operada pela Lotto. João Augusto Simone, diretor de operações da Lotto no Brasil, diz que o fã passa a ter à disposição produtos com a garantia de qualidade, design e tecnologia. Em destaque nas camisas o nome do patrocinador principal do time: Cimento Nassali. As novas peças já estão disponíveis. A Lotto Sport Itália S.A. é uma indústria italiana de material esportivo, com sede em Tregignano, na província de Treviso. Foi fundada em 1973, pela família Caberlotto, que na época era a dona do clube de futebol Treviso F.C. A Lotto é a primeira marca do futebol italiano e a terceira da Europa. Além do Sport, a Lotto também acertou com o Coritiba e com o Atlético-MG, os contratos com os três clubes fazem parte de uma estratégia para disputar o mercado brasileiro com a Nike e a Adidas. O potencial de consumidores a serem atingidos é de 10,7 milhões. A meta da empresa é patrocinar seis clubes brasileiros até o final de 2009. Os contratos com o Atlético-MG e o Coritiba serão válidos por três anos. Na Europa representa clubes como Fiorentina (Itália), Udinese (Itália), Real Zaragoza (Espanha) e Sochaux (França), além das seleções da Ucrânia e da Sérvia, chega ao Brasil com planos ousados e pretende ocupar a terceira posição no mercado nacional muito rapidamente. Na América do Sul a Lotto já é parceira do San Lorenzo, da Argentina, do El Nacional, do Equador, e da Seleção Colombiana.

Lá vem de novo a mosca da Olympikus!

A marca de artigos esportivos Olympikus, fornecedora do Comitê Olímpico Brasileiro, coloca no ar o terceiro filme da campanha Mosca. O conceito foi criado em 2005 e mescla ação e humor ao mostrar uma corrida entre um esportista e o inseto. Desenvolvido pela agência DCS Comunicações, a campanha contou com a criação de Rafael Bohrer e Tiago Mattos, dirigidos por Roberto Callage e Régis Montagna. A produção ficou por conta da Zero Filmes. A estréia do filme televisivo acontecerá no intervalo do programa Fantástico, da Rede Globo. Com todo o respeito aos criadores da campanha, levando-se em conta que uma mosca é um animal além de nocivo, feio, será que não daria prá mudar de bicho? Um beija-flor ou uma abelha cairiam melhor na imagem! A mosca passa uma sensação de sujeira. A não ser que a mosca da Olympikus seja uma menção a algum mau cheiro que os produtos podem exalar depois do uso!? Mosca é bicho nojento!

Corinthians, marcas da cabeça aos pés e parcerias

O departmento de marketing do Corínthians agora negocia para o futebol profissional do clube o patrocínio da manga de camisa e dos calções. O Magazine Luiza é a empresa que estaria interessada nos dois espaços publicitários cujo valor foi questionado: R$ 4 milhões. Para as mangas, por exemplo, a construtora Even esteve, durante a semana, entre as empresas cotadas para patrocinar a equipe. Além dos novos acordos na área publicitária, a nova diretoria do Timão vai investir nos esportes olímpicos e duas novas parcerias devem surgir nos próximos dias: uma na natação e outra no basquete masculino. O clube pretende aproveitar a abertura política da Prefeitura de São Bernardo do Campo, no ABC paulista e com a Universidade Paulista (Unip) para a formação do time masculino de futsal. O acordo vale até o final de dezembro deste ano. A equipe de futsal feminino também terá um acordo nos mesmos moldes, que ainda contará com o patrocínio da Sabesp. É o Timão remando contra a maré!