16 de fev de 2008

Isinbayeva milionária exterminadora de recordes

A cada novo recorde, a jovem russa Yelena Isinbayeva fica ainda mais milionária. Neste sábado, Isinbayeva estabeleceu um novo recorde feminino mundial indoor ao ultrapassar a marca de quatro metros de 95 centímetros. A marca anterior, que também pertencia à campeã olímpica era de 4.93m, fixada no ano passado, no mesmo local. Este foi o terceiro ano consecutivo em que Isinbayeva, 25 anos, que saltou 5,02 ao ar livre, quebrou a marca indoor em Donetsk. "Estou muito feliz por iniciar uma temporada olímpica com um recorde mundial, na minha primeira competição", disse Isinbayeva, que ganhou em Donetsk pelo quinto ano consecutivo. "Conhecida como a "Bubka de Saias" (uma alusão a Sergey Bubka que bateu 35 vezes o recorde mundial no salto com vara), Isinbayeva tem patrocínio com a Adidas em torno de US$2,5 milhões. Um ano depois do ouro olímpico de Atenas, Yelena ganhou US$374 milhões em prêmios. Para aumentar a renda, a saltadora trabalha no esquema de gerenciamento de recordes. As premiações extras pelos recordes batidos variam de competição para competição e podem variar de 50 mil a 100 mil dólares". (Fonte: Ouro Olímpico - a história do marketing dos aros).

Marketing social e esportivo do Fluminense ganha prêmio

Dia 23, o Fluminense receberá um prêmio, mas desta vez, por conquistas fora dos gramados. O programa "Flu Educação Esportiva" e a campanha natalina "Adote um Sonho", são os grandes craques responsáveis pela conquista do I Prêmio Rotary de Responsabilidade Social. O time das Laranjeiras receberá o troféu na categoria melhoria da comunidade. A cerimônia acontecerá nos salões do Museu Militar Conde de Linhares, na Avenida Pedro II, 383, em frente à Quinta da Boa Vista, e contará com a presença de diversas autoridades públicas, além de palestrantes sócios do Rotary, fundado há 103 em Chicago, nos Estados Unidos.

PUMA renova com a Swedish Athletic Association

A PUMA anunciou renovação de contrato com a Swedish Athletic Association - Associação de Atletismo da Suécia. O contrato, que teve início em janeiro de 2005, foi prorrogado para além dos Jogos Olímpicos de Londres 2012. Nos termos do acordo, PUMA mantém o fornecimento de uniformes completos para todas as equipes de atletismo que concorrerem em grandes acontecimentos desportivos, incluindo os Jogos Olímpicos Beijing até ao final de 2012. "A parceria com os nossos parceiros suecos foi um grande sucesso," afirmou o gerente da PUMA Nordic AB Ulf Kinneson. "Estamos muito satisfeitos em renovar o nosso contrato, mantendo a equipe sueca em nossa carteira de atletismo". Graças a atletas como Johann Wissman (400metros),Linus Thornblad (salto em altra) e Jenny Kallur (100 metros-barreiras), a equipe sueca tem apresentado resultados impressionantes nos últimos anos. Nos Jogos Olímpicos de 2004, a Suécia levou prá casa três medalhas de ouro. Os Jogos Olímpicos de 2008 será o próximo grande evento onde a PUMA proporcionará os atletas suecos, podendo usar o evento como plataforma de marketing de novos produtos.

Vasco e a Reebok trazem novidades

Na partida deste domingo, às 16h, contra o Flamengo, no Maracanã, o atacante Morais entra em campo com uma camisa número “98”, alusiva ao ano em que o Gigante da Colina venceu a Libertadores da América. O craque Edmundo estréia com a camisa 10. “Não poderíamos deixar passar em branco uma data tão importante para o Vasco. E colocar isso em uma camisa de jogo foi o melhor jeito que encontramos de comemorar os dez anos da conquista e, ao mesmo tempo, homenagear o clube”, explica Tullio Formicola Filho, diretor de marketing e vendas da Reebok, em depoimento no site oficial do clube. A camisa comemorativa leva o número “98” nas costas e um patch no peito que segue o modelo utilizado pela Conmebol, com a frase “Dez anos da reconquista da América – Vasco 2008”. A volta de Edmundo é marcada pelo lançamento da camisa 10 com o nome do craque, especialmente produzida para venda. Durante todo o ano, o número 10 será exclusivo do ídolo de São Januário – vale lembrar que, em campo, as camisas dos jogadores não possuem os nomes dos atletas. O modelo que será usado por Morais estará à venda em edição limitada. São apenas duas mil unidades da camisa número 1 (branca). Já a de Edmundo terá 2.500 unidades disponíveis, divididas entre as camisas de jogo 1, branca, e 2, preta. Todas as peças são confeccionadas em tecido 100% poliéster exclusivo da Reebok, que conta com a tecnologia Play Dry, facilitando a evaporação, tratamento bacteriostático, que combate a proliferação de fungos e bactérias. Com preço sugerido de R$139,90, as camisas estarão à venda no final de fevereiro.

Vá a Milão pela ESPN

Dois telespectadores dos canais ESPN podem ir a Milão para assistir ao clássico Milan x Inter. A promoção "Santo dia em San Siro", conta com patrocínio de Ambev, Caixa Econômica Federal, Fiat, Ipiranga, Ponto Frio. Os interessados em participar devem acessar site do concurso e responder à pergunta: "Como você agradeceria a San Siro caso ganhasse dois ingressos para este clássico italiano?". Os vencedores serão premiados com uma viagem à Itália para assistir à partida Milan x Inter no estádio San Siro, pela antepenúltima rodada do Campeonato Italiano. Os fãs poderão conferir a atuação de craques como Gattuso, Maldini, Crespo, Kaká e Alexandre Pato. A promoção é válida até 24 de março e os vencedores serão anunciados no dia 28.

Kimi Räikkönen em campanha da Tag Heuer

O piloto conhecido como "O Homem do Gelo", e que é embaixador da marca desde 2002, foi fotografado pela primeira vez ao lado da esposa Jenni Dahlman, Miss Escandinávia . O campeão mundial de Fórmula 1 em 2007, Kimi Räikkönen, estrela a campanha da marca suíça de relógios Tag Heuer. Kimi foi clicado pelo consagrado fotógrafo Claudio Carpi, em sua casa em Zurique, na Suíça. As fotos serão usadas no lançamento da linha de óculos da marca que traz o nome do piloto e para campanhas de relógios desenvolvidos para a prática de esportes. A Tag Heuer é a marca de relógios de luxo que mais se vinculou ao automobilismo, tendo criado modelos alusivos ao esporte como o Carrera, Monaco e o Tag Heuer Formula 1, além de ter como embaixadores da marca outros pilotos como Lewis Hamilton e Fernando Alonso, entre outros atletas como a tenista Maria Sharapova.

Patrocinadores mandam aviso ao time de Scolari

Os principais patrocinadores da seleção de Portugal já mandaram avisar: só vão pagar “prêmios de desempenho” se a equipe atingir a final do Euro’2008, que se realiza entre 7 e 29 de junho na Áustria e na Suíça. Segundo apurou o Correio Sport, as principais empresas que apóiam a equipe de Scolari negociaram, além do patrocínio normal, um “prêmio de desempenho” que dará à selecção mais de dois milhões de euros se for Campeã Européia. Os montantes caem para menos de metade se a equipe for vice-campeã e não haverá qualquer “prêmio” se Portugal ficar fora da final de Viena. São 10 os principais patrocinadores da seleção de Portugal. O mais importante é a marca de artigos desportivos, Nike, que veste Portugal até 2014 e que, recentemente, deu 11 milhões de euros ao FC Porto pela exclusividade até 2012. Esta marca deverá contribuir com cerca de 300 mil euros se existirem “prêmios para distribuir”. Depois da Nike, destacam-se as empresas nacionais; Sagres e a TMN, que também patrocinam o treinador Luiz Felipe Scolari. A Sagres, marca de cerveja, é a mais antiga patrocinadora da equipe portuguesa e está ligada à seleção desde 1993. Já a TMN patrocina a seleção e o próprio técnico. Um ano depois do Euro 2004, a TMN pagou a Scolari 14.835 euros por várias intervenções em campanhas da operadora. Estes dois patrocinadores deverão contribuir com cerca de 200 mil euros para o “prêmio final de desempenho”.Logo abaixo da Sagres e TMN, aparecem o Banco Espírito Santo (BES) e a Galp. No caso da instituição financeira liderada por Ricardo Salgado, o patrocínio é extensivo a Cristiano Ronaldo.O contrato que liga o jogador do Manchester ao BES termina no final deste ano, mas a sua renegociação deverá começar logo após o final do Europeu. Cada um destes patrocinadores adiantará 150 mil euros. Os demais patrocinadores são: Hertz, Samsung, Modelo e Visa (a Coca-Cola negociou um “pacote” contratual diferente) devem contribuir com mais de 100 mil euros cada. A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) cedeu os direitos de imagem da seleção à Olivedesportos, de Joaquim Oliveira, que negociou com os diferentes patrocinadores os termos dos vários contratos, encaixando uma comissãoem torno de 10%. Os contratos das 10 empresas patrocinadoras da seleção portuguesa terminam no dia 31 de julho de 2010, após a realização do Mundial da África do Sul. O núcleo principal dos patrocinadores da seleção nacional já pagou um prêmio de 75 mil euros aos jogadores pela qualificação para a fase final do Euro’2008. A não tem no contrato de patrocínio qualquer cláusula relativa a premiação extra. A multinacional escolheu, além da seleção, o jogador do FC Porto, Quaresma, para rentabilizar a marca. Vale lembrar que o vice-campeonato europeu em 2004 (0-1, na final com a Grécia) foi uma enorme desilusão para todos os patrocinadores.

Especial: Nascar dá largada para corrida de patrocinadores

A Nascar é o maior e mais prestigiado evento esportivo e abre a temporada de estréia dos patrocinadores e de novas campanhas que irão mostrar suas marcas durante uma temporada de 10 meses. Em 2008, a Associação Nacional de Stock Car Auto Racing - Nascar celebra 60 anos. A Nascar é o esporte nº1 na América do Norte e o nº2 na preferência dos espectadores de televisão. As corridas são difundidas em mais de 150 países e em mais de 30 idiomas. Os fãs Nascar são os mais fiéis às marcas que consoem e, como resultado, as melhores empresas, apontadas pela Revista Fortune, preferem a Nascar, a qualquer outro esporte. Quando for dada a largada para a Daytona 500, a Nascar e a sua miríade de patrocinadores começam a acelerar os esforços para alcançar fãs através da Internet e outros meios não tradicionais. Durante anos, os patrocinadores Nascar, entre eles: Best Western, Coca-Cola, Ford, General Motors, Molson Coors, Nationwide, Office Depot, Procter & Gamble, Sprint Nextel and United Parcel Service - concentram gastos consideráveis em anúncios na mídia, principalmente em veículos como televisão, rádio, impressos e cartazes. Com a chegada de novas mídias, os patrocinadores Nascar agora estão também apostando em outros métodos de campanhas. Carros e pilotos proliferam suas imagens em sites da web, celulares, câmeras de vídeo digitais, tvs a cabo, vídeo games e outros dispositivos móveis. Segundo o instituto de pesquisa da Nascar os fãs, cerca de 30 milhões deles, consomem cerca de 8 horas de informações da Nascar por semana sob diversas formas. "A televisão é muito importante para nós", disse Steve Phelps, diretor de marketing da stock car americana, referindo-se a rede de parceiros, como ABC, ESPN2, Fox Broadcasting e Speed. "Mas com as novas mídias, precisamos de ter a certeza que estamos detectando os locais onde estão os fãs." O endereço da Nascar na internet (nascar.com) atrai quase quatro milhões de visitantes mês. Os usuários da internet têm feito download de mais de 350.000 clips de vídeo, fotografias e outros conteúdos da nova comunidade no site (community.nascar.com). Para 2008, a Sprint Nextel, está patrocinando uma elaborada campanha multimidia com o tema “Speed is beautiful” (Velocidade é bela!). Os elementos da campanha nos meios não tradicionais incluem uma seção no site da Sprint (sprint.com/speed), onde os usuários poderão fazer downloads de wallpaper, enviar mensagens de e-mail personalizadas para amigos e projetar os seus próprios "burnouts". Haverá também um aplicativo para quem tiver celulares Sprint que irá fornecer dados dos pilotos, números de voltas, velocidades, pontuações, colocações. Um método popular de expandir a presença de novas mídia dos patrocinadores Nascar são os sites. Por exemplo, o Office Depot tem officedepotracing.com, um site distinto do officedepot.com site, que é o principal do comércio electrônico da loja de departamentos. "É difícil fazer uma significativa ligação com os clientes num ambiente saturado de mídia", disse Noah Maffitt, diretor global de e-commerce da Office Depot em Delray Beach, Fla. Outro patrocinador Nascar, o Best Western International, fará a primeira incursão em competições online, disse Dorothy Dowling, vice-presidente sênior de marketing e vendas em Phoenix, com promoções. A competição irá convidar os consumidores a fazer upload de fotografias dos membros da família, amigos, colegas de trabalho ou vizinhos em situações engraçadas para a seção do site da Best Western (bestwestern.com/aprilfools). A fotografia vencedora será exibida no Best Western Toyota Camry conduzido por David Reutimann em uma corrida na Nascar Phoenix em 11 de abril. Enfim, a Nascar é uma categoria capaz de oferecer uma infinidade de plataformas de marketing aos seus patrocinadores, o que faz da categoria, um sucesso dentro dos sonhos americanos. Saudades dos tempos que a Nascar fazia parte da grade de programação do programa GridMotor, no Sportv. Confira todos os sábados e domingos matérias especiais no Sport Marketing.
Deborah Ribeiro

Ferrari bem dentro e fora das pistas

A Fiat, proprietária da tradicional fábrica de Maranello, revelou que a famosa marca teve um faturamento de € 496 milhões (cerca de R$ 1,2 bilhão) no último quadrimestre e um lucro de € 196 milhões (R$ 500 milhões), 20% maior que no mesmo período no ano anterior. De acordo com a revista "Formula Money", a conquista do Mundial de Pilotos e de Construtores rendeu à equipe italiana US$ 100 milhões (R$ 174 milhões) no ano passado. Além disso, o time ainda ganhou um pagamento extra da FOM, empresa que administra os direitos de imagem da F-1, por ter se comprometido com a categoria. Há alguns, a Ferrari, que completou 60 anos, ameaçou deixar a F-1 e ingressar em um outro campeonato. Em contrate com a McLaren, que precisou desembolsar US$ 100 milhões por ter sido considerada culpada no escândalo de espionagem, a escuderia do cavalinho rampante recebeu a maior quantia já paga ao time campeão.

Coluna Olímpica 1: Beijing bate business records

Seis meses antes de começar os Jogos Olímpicos de Beijing, os registros em termos de business já são recordes! Podemos dizer que independente das questões políticas e da algumas iguarias alimentares, que fazem da China uma país um pouco indigesto, não há como negar que na segunda vez, na história do Movimento Olímpico, que os Jogos acontecem em um país de regime comunista, ineditamente vê-se lucro ao fim do túnel. Quem estudou a história do marketing olímpico durante seis anos, como eu, lembra com tristeza que os Jogos de Moscou 1980, levaram o Movimento Olímpico para a banca rota. Só para você ter uma idéia, "Moscou concluiu 103 acordos comerciais com empresas estrangeiras de agosto de 76 a julho de 1980, sendo que 84 empresas foram designadas fornecedoreas oficiais e 19 patrocinadoras oficiais. Se por um lado havia produtos e serviços, por outro não havia dinheiro para arcar com os custos operacionais do evento, construções etc. Em virtude da proibição de comerciais de tv na ex-URSS, o Comitê Organizador não recebeu qualquer patrocínio local." (fonte: Ouro Olímpico - a história do marketing dos aros - autores: Marcus Vinicius Freire, Deborah Ribeiro - selo COB Cultural). Muita coisa mudou após Moscou, não apenas na geografia política do planeta, mas também no mundo do esporte, do sport business e do marketing olímpico. Em 1984, Los Angeles, o IOC - International Olympic Committee - Comitê Olímpico Internacional, criou uma estratégia e o programa de marketing TOP, que foi e continua sendo um sucesso capaz de manter vivo o espírito olímpico e garantir a sobrevivência não apenas dos Jogos de Verão, mas também dos de Inverno e, mais recentemente, dos Jogos Olímpicos da Juventude. Depois de trilhar mais de um século, o Movimento Olímpico chega na nação anfitriã da vigésima nona edição dos Jogos, num momento em que não há como negar a atração comercial, por parte das empresas mundiais em entrarem no mercado chinês e participarem dessa economia, até então impenetrável. Concordo com Pierre Justo, diretor de esportes da TNS Sports na Ásia, quando afirma em entrevista a agências internacionais que: "a escala de comparação é totalmente diferente das anteriores edições dos Jogos Olímpicos" . "Todo mundo está à espera que a audiência de tv, especialmente na China, quebre recordes. Os chineses vão ter a oportunidade de atletas, pessoas que nunca viram antes" - acrescenta Pierre. Ele tem razão. Em termos de business, a China foi além de todas as expectativas. Criou e desenvolveu um programa de marketing vencedor. Além dos principais parceiros do IOC, os TOP Sponsors, o BOGOC - Beijing Olympic Organizing Committee - Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Beijing conta com mais de 50 empresas chinesas e estrangeiras que fecharam ao menos um dos muitos tipos de promoções comerciais, quer como parceiros, patrocinadores ou fornecedores. O governo chinês e o BOGOC se movimentaram eficientemente para tirar proveito das novas oportunidades comerciais. De acordo com Nathalie Bastianelli, chefe da Havas Sport China, que faz parte do grupo francês Havas os "chineses foram rápidos ao negociar as ofertas e deixaram de aceitar novos parceiros meses atrás, porque já tinham completado as metas", disse ela. O que é uma verdade. Existem empresas que estão pagando até 200 milhões de dólares para estar entre as marcas parceiras, o mais alto nível de patrocínio do BOGOC. Este é o potencial do mercado chinês. Graças ao crescimento econômico da China, as marcas estão muito interessados neste mercado e um mega evento como os Jogos é uma plataforma e tanto para se aproximar ao consumidor chinês. Aos olhos da China, os Jogos Olímpicos estão sendo vistos como uma grande causa nacional concebidos para demonstrar ao mundo a emergência do país como líder mundial de poder. Entre os onze patrocinadores locais do nível parceiros estão empresas gigantes como a petrolífera Sinopec, CNPC, Banco da China, VW e Air China. Pela primeira vez, o sport business permitirá que empresas estrangeiras e, sobretudo, empresas domésticas, aproximem-se dos chineses de uma forma diferente. Para 300, 400 milhões de consumidores urbanos (na China) o esporte é considerada uma forma atraente de incitação de consumo de bens e serviços. A Adidas, por exemplo, é uma das empresas internacionais que desejam ampliar a sua já forte presença na China e pretende chegar a 3.500 lojas em 400 cidades. A CCTV - China Central Television - cuja torre aparece em destaque na foto, já está no pódio olímpico após declaradamente cobrar 80 bilhões de yuan (US$10,7 bilhões), em novembro de licitação para publicidade spots para 2008, até 20% em relação ao ano anterior. Air China, por exemplo, pagou cinco milhões de dólares por uma das primeiras posições nos comerciais da emissora no horário nobre durante o mês de agosto. Os números são recordes, mas, não há como negar que em termos de relações públicas, a China não é lá muito popular e, direta ou indiretamente, isso prejudica não apenas a imagem dos Jogos, como também reflete na imagem dos patrocinadores e nas ações que os mesmos devem estar planejando para realizar no país durante os Jogos. A coluna olímpica estará no ar sempre aos sábados.
Deborah Ribeiro - Diretora Sport Marketing