7 de fev. de 2008

Feliz Ano Novo Lunar!


Hoje é a data oficial do Ano Novo chinês e o início do ano 4706 lunar – o ano do Rato e não é um Rato qualquer não! É o Ano do Rato Olímpico! As agências de marketing corporativo e governamentais também entraram no ritmo de comemorações do Ano Novo Lunar asiático e não faltou criatividade. Enquanto os publicitários de todo o mundo entraram na trilha do Rato, os organizadores dos Jogos de Beijing 2008 aproveitaram para lucrar com as vendas de produtos licenciados dos Jogos durante o feriadão chinês. No China International Convention Center estará acontecendo nos próximos três dias uma feira organizada para expor os produtos licenciados Olímpicos. Com a proximidade da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos, o mercado de produtos olímpicos colecionáveis cresce a olhos vistos, na mesma proporção que aumenta o dinamismo e o envolvimento da economia chinesa com os Jogos.
Produtos é que não faltam. Até o momento são 68 as empresas oficialmente licenciadas pelo BOCOG para fabricar produtos olímpicos em 14 categorias diferentes espalhados em mais de duas mil lojas em todo o país. Um recorde de sete mil produtos diferentes estão à disposição dos consumidores. Cerca de quatro centenas de produtos foram recém-criados. Entre os mais populares estão os sticks fluorescentes, com os quais os chineses pretendem demonstrar a alegria e ajudar os atletas preferidos a ganhar medalhas. O objetivo da feira é criar uma ponte entre fabricantes e varejistas dos produtos olímpicos licenciados que estão em alta demanda. Sendo o Rato um símbolo de prosperidade, o marketing olímpico dos Jogos de Beijing pode entrar para a história.

Projeto de lei pretende garantir transmissão de eventos esportivos pela rede de televisão educativa pública e estatal


Está transitando em Brasília o projeto de lei Nº825 ,de 2007, do Deputado Silvio Torres que promete dar o que falar e que, se aprovado (o que duvido muito), irá mexer diretamente com o mundo do esporte, marketing, gestão e administração. Segue alguns trechos do Projeto de lei


Art. 1º As redes de televisão educativas públicas ou estatais terão direito às transmissões dos eventos desportivos que compreendam as modalidades olímpicas e paraolímpicas, profissionais e amadoras, das quais participem equipes, times, seleções, grupos ou atletas brasileiros, representando oficialmente o Brasil, realizados no território nacional e no exterior, e exibidos no País.

Parágrafo único. As transmissões a que se refere o *caput* deste artigo são aquelas cujo o sinal será disponibilizado pela rede nacional de televisão privada, que detenha contrato de transmissão com as respectivas entidades de administração desportiva e de prática desportiva, nacionais ou estrangeiras, conforme o caso, para a rede de televisão educativa pública ou estatal.

Art. 2º Para efeitos desta Lei são considerados eventos desportivos:

I - Campeonatos mundiais e seus respectivos jogos e provas classificatórias ou eliminatórias;

II - Campeonatos de ligas mundiais e seus respectivos jogos e provas classificatórias ou eliminatórias;

III - Campeonatos continentais ou intercontinentais e seus respectivos jogos e provas classificatórias ou eliminatórias;

IV - Jogos Panamericanos;

V - Jogos Olímpicos;

VI - Jogos ParaPanamericanos;

VII - Jogos Paraolímpicos;

VIII - Copas do Mundo e seus respectivos jogos e provas classificatórias ou eliminatórias; e

IX - Amistosos de seleções.

Art. 3º É vedado a rede de televisão educativa pública ou estatal vender, negociar, autorizar, contratar ou veicular publicidade com empresas públicas ou privadas durante a transmissão dos eventos.

Parágrafo único. O descumprimento do disposto no caput deste artigo pela rede de televisão educativa pública do caput deste artigo importará nas seguintes sanções:

I - perda definitiva do direito de transmissão de eventos desportivos de que trata esta Lei; e

II - repasse integral da receita auferida com o respectivo evento para a rede nacional de televisão privada que detenha contrato de transmissão com as entidades de administração desportiva e de prática desportiva, nacionais ou estrangeiras, conforme o caso.


JUSTIFICAÇÃO: Muitos atletas brasileiros que hoje brilham nas quadras, nas piscinas e nas arenas do País e do exterior, tiveram como impulso inicial de suas carreiras o exemplo de outros atletas, visto através da televisão, em eventos desportivos como os Jogos Olímpicos, a Copa do Mundo e outras competições. Mesmo para aqueles que após assistirem seus ídolos na televisão, não se tornam grandes atletas, ainda assim, o exemplo de dedicação, esforço pessoal, espírito de equipe, liderança, companheirismo e respeito aos adversários, permanece como princípios de caráter e de formação de cidadãos. Ocorre que muitos deste eventos desportivos não são acessíveis por serem exibidos por redes de televisão pagas, por sinal ou a cabo. Assim, crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social ficam excluídos e, mais uma vez, o Estado deixa de cumprir sua função educadora, e a distância social entre os ricos e pobres fica cada vez maior, limitando a oportunidade deste últimos. A fim de ajudar a diminuir esta distância e buscando dar ao Estado instrumento para desempenhar seu papel de formador, estamos apresentando o presente projeto de lei que visa permitir que redes de televisão educativa estatal e/ou pública possam transmitir os jogos, campeonatos e competições em que participem atletas brasileiros, quando representando o País. Como o objetivo da proposta não é a de auferir lucro, a televisão educativa fica proibida de veicular qualquer tipo de publicidade, e esta vedação resguarda o investimento feito pelas televisões abertas ou fechadas pela comprar dos direitos de transmissão desses eventos. Com o anúncio da criação dos novos canais de televisão do Poder Executivo, da Educação, da Cultura e da Cidadania, que estão sendo discutidos, o Brasil terá a oportunidade de divulgar ainda mais seus eventos esportivos e atletas, e a rede de televisão comercial terá, como forma de contrapartida social, oportunidade de oferecer educação a um número maior de brasileiros.

Banco Cruzeiro do Sul aposta no marketing esportivo

O Banco Cruzeiro do Sul apresentará em São Paulo na terça-feira, dia 12, às 10 horas, na sede do banco (Rua Funchal, 418 – Térreo, na Vila Olímpia) o plano de patrocínio para as duplas de vôlei de praia Leila, Sandra, Ana Paula e Shelda. O banco também estenderá o plano de marketing esportivo 2008 para atletas de outras modalidades como judô (Daniele Zangrando e Daniel Hernandes) e jovens promessas do hipismo, taekwondo e nado sincronizado.
Redação Sport Marketing

Adidas e Real Madrid incluem bandeira espanhola no kit


O Real Madrid já anuncia mudanças para a próxima temporada. Em acordo com a empresa de material esportivo Adidas o time promete lançar um novo kit de uniformes. O clube afirma que o novo desing será baseado no que o time usou quando venceu o Campeonato Europeu em 2000. A grande novidade é a bandeira espanhola na parte de trás do pescoço. Para tal foi realizada uma votação entre os torcedores do clube em toda a Espanha, que votaram a favor da inclusão da bandeira no uniforme madrilhenho, embora o presidente Ramón Calderón tenha vetado a idéia de inserir a bandeira nas mangas da camisa.