6 de fev de 2008

Coca-Cola Canada e RBC patrocinam o Revezamento da Tocha 2010

O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Vancouver 2010 anunciou que a Coca-Cola e a RBC serão patrocinadoras exclusivas do Revezamento da Tocha. Como parceiras do Revezamento da Tocha 2010, Coca-Cola e RBC terão direitos exclusivos marketing, além de escolher um determinado número de condutores concebido em colaboração com VANOC. "Nossa herança Olímpica incidirá sobre os canadenses a fim de inspirar um compromisso com a vida ativa, conservação ambiental e trazendo os valores olímpicos nas comunidades em todo o país", disse Vince Timpano, Presidente da Coca-Cola no Canadá. "De cidade a cidade, a Tocha irá ligar todos os canadenses aos Jogos de Vancouver e àquilo que representa", disse Gordon M. Nixon, RBC Presidente e CEO. "
Conforme relatado no VANOC business plan (8 de maio de 2007) o custo do Revezamento da Tocha Olímpica e Paraolímpica é de aproximadamente US $ 31 milhões de dólares canadenses. O VANOC espera que parte dessa renda venha a ser financiada por meio de patrocinadores corporativos, além dos dois exclusivos. Depois dos aros olímpicos, a Tocha é o símbolo universalmente mais reconhecido dos Jogos.
O Revezamento da Tocha de 2010 vai percorrer 35000 quilômetros durante cerca de 100 dias e visitar todas as províncias e territórios do Canadá. A chama será conduzida em uma notável viagem por alguns 12000 torchbearers (condutores). Até 120 pessoas terão a oportunidade de levar a chama cada dia e serão selecionadas através de um processo público com canadenses, em Novembro de 2008.
No livro Ouro Olímpico - a história do marketing dos aros, você encontra toda a história do
envolvimento da Coca-Cola Company com o Movimento Olímpico e com os Jogos. Uma parceria que começou em 1928 e que perdurará até 2020 numa histórica renovação de contrato com o COI. A Coca-Cola é o mais contínuo patrocinador e parceiro do Movimento Olímpico da história dos Jogos.

Fila patrocina Brasil Open



A Fila vai patrocinar mais uma edição do Brasil Open, o mais importante torneio de tênis do país e um dos quatro maiores do continente, que será realizado de 9 a 17 de fevereiro na Costa do Sauípe (BA).

Apoiadora há três edições e, este ano, marca esportiva oficial do evento, a FILA investiu no desenvolvimento de uma coleção especial que vai vestir todo o staff do Brasil Open, das recepcionistas aos os juízes das partidas.

Os designers da marca, especialista na fabricação de roupas e calçados tecnológicos para a prática do tênis, foram os responsáveis pela criação dos uniformes e das peças exclusivas que serão vendidas durante o evento na loja Bayard.

Tecnologia e esporte - uma união indispensável

Os Jogos Olímpicos podem ser considerados o primeiro e maior laboratório de novas tecnologias e conceitos de materiais esportivos. O livro Ouro Olímpico - a história do marketing dos aros relata que desde que o primeiro par de sapatilhas (Adidas) utilizado pelo velocista Jesse Owens, quatro medalhas de ouro em Berlin 1936, o consumo de materiais esportivos não parou mais, na mesma proporção que as indústrias passaram a correr atrás da perfeição tecnológica, a fim de garantir maior conforto e performance ao atleta. Ao longo dos séculos, o efeito marketing vem ajudado e muito na proliferação dos modelos, tipos e marcas de produtos existentes no mercado. Na Asics, por exemplo, marca especializada em equipamentos para corridas e maratonas, essa preocupação fica ao encargo da equipe do engenheiro Tsuyoshi Nishiwaki, gerente do Instituto de Esportes e Ciências. Segundo Tsuyoshi Nishiwaki, há 10 anos, o laboratório da Asics no Japão, projeta estruturalmente os calçados, as roupas e os equipamentos, como luva de beisebol, bola etc; testa a durabilidade do material; desenvolve um material exclusivo usado no solado dos calçados. Uma das mais importantes tecnologias criadas pela equipe de Tsuyoshi foi um sistema antideformação que possui excelente amortecimento ou outro que tem perfeito encaixe nos pés.
Em ano olímpico, as empresas certamente irão expor nas arenas esportivas de Beijing 2008 novos produtos e tecnologias. É esperar para ver.
Redação Sport Marketing

Adidas em alto estilo

Em Nova York, Londres e França a Adidas segue em alto estilo com campanhas criativas e desafiadoras.



Puma com os pés no futuro

Já se perguntou como serão os jogadores de futebol no futuro? A Puma já e realizou um interessante exercício de "futurismo" para lançar a nova linha de vestuário e equipamentos para futebol. Composta por peças especialmente desenhadas para oferecerem o melhor desempenho aos jogadores, a linha V1.08. teve uma campanha publicitária de causar inveja a Arnold Schwarzenegger. Participaram da campanha Samuel Eto'o (na foto) Anelka, Buffon e João Moutinho.

Redação Sport Marketing

Itália e a França um jogo de 168 milhões de euros

Jogo entre a Itália e a França vale 168 milhões de euros. Em 17 de junho, Zurique vai ser, o centro das atenções do planeta bola por 90 minutos. Às 19.45 horas, no Estádio Letzigrund, França e Itália, os finalistas do Mundial da Alemanha de 2006, defrontam-se em jogo da última jornada do chamado grupo da morte, o Grupo C e que conta, ainda, com as participações da Romênia e da Holanda. Segundo um estudo divulgado pela MasterCard (um dos patrocinadores do campeonato na Europa), e realizado por Simo Chadwick, um dos principais economistas especializados no negócio do desporto na Europa, o embate entre franceses e italianos pode gerar 168 milhões de euros de impulso à economia européia. Esse movimento econômico será sentido na Suíça, que vai criar 3.500 postos de trabalho durante o ano, mas terá eco em toda a economia do Velho Continente, com destaque, naturalmente, para a Áustria, o outro país organizador. Cada partida do Euro 2008 irá gerar, em média, um benefício econômico na ordem dos 42 milhões de euros. Aliás, nesse grupo, as três partidas entre Holanda, França e Itália devem conseguir valores muito perto dessa grandeza. Depois, seguem o jogo Suíça-Portugal, Áustria-Alemanha e Espanha-Rússia. O impacto positivo da competição terá reflexos nas mais variadas áreas. Dos ingressos para os jogos, às viagens, passando pela comida, bebida, produtos promocionais, patrocínios, serviços de telecomunicações e órgãos de comunicação social. Muito mais do que, apenas e só, um campeonato de futebol...

Redação Sport Marketing