13 de nov de 2008

Mercado: Crocs fecha fábrica no Brasil

A fabricante das sandálias coloridas Crocs anunciou um prejuízo de US$ 148 milhões (US$ 1,79 por ação) no terceiro trimestre deste ano, contra um lucro de US$ 56,5 milhões (US$ 0,66 por ação) no mesmo período do ano passado. Entre as decisões da empresa para se ajustar à queda de desempenho está a de fechar a fábrica no Brasil no quarto trimestre. "Nosso desempenho ficou abaixo das expectativas e continuou a sentir o impacto das condições extremamente difíceis do varejo nos EUA e na Europa no terceiro trimestre" - disse o presidente e executivo-chefe da empresa, Ron Snyder. O realinhamento planejado pela empresa para se adequar às condições difíceis que enfrenta envolverá um esforço para consolidar os centros de armazenagem e distribuição,a redução de estoques e o fechamento da unidade de produção no Brasil, diz um comunicado da empresa. Em julho de 2007, a Crocs montou uma fábrica em Sorocaba (SP). Por aqui, o modelo mais básico custa cerca de R$ 70. A receita da empresa no trimestre até setembro ficou em US$ 174,2 milhões, contra US$ 256,3 milhões no mesmo trimestre do ano passado. Para o quarto trimestre deste ano, a expectativa da Crocs é de receitas entre US$ 100 milhões e US$ 120 milhões e de uma perda por ação de US$ 0,50 a US$ 0,65. Nos Estados Unidos, onde o calçado foi lançado oficialmente, os criadores do modelo imaginavam, inicialmente, desenvolver um sapato para ser usado em barcos, por velejadores, devido ao seu solado antiderrapante (feito em resina) e que não marcava o deck. Mesmo voltados para esse mercado específico, os tamancos de plástico colorido logo viraram moda nos EUA e em 2003 já eram vendidos ao redor do mundo. Atores de Hollywood e celebridades, aliás, ajudaram a impulsionar a moda, se declarando fã do produto cheio de furinhos, preso na parte de trás do pé por uma alça, que deixa o calcanhar de fora. A marca também virou moda entre os atletas de vôlei de praia (ler matéria arquivo Sport Marketing: Crocs fecha contrato de naming rigths com AVP).

Redação Sport Marketing