17 de nov de 2008

J&J não renova com COI

A Johnson & Johnson decidiu que não irá estender o patrocínio TOP mundial do IOC- International Olympic Committe - Comitê Olímpico Internacional (COI). A empresa se despede do programa de marketing TOP do COI, sem participar do próximo quadriênio Olímpico que inclui os Jogos de Inverno em Vancouver (2010) e Jogos Olímpicos de Verão, em Londres (2012) (ler matéria arquivo Sport Marketing: Coluna Olímpica 2 - Vem aí a geração TOP VII). "Nós não estamos renovando o patrocínio para enfocar em outras prioridades de negócios"- disse o Lorie Gawreluk, porta-voz da empresa. "Nós estamos orgulhosos para ter sido um patrocinador mundial TOP do COI e patrocinador local dos Jogos Olímpicos de Beijing, o que foi um sucesso para a companhia" (ler matérias arquivo Sport Marketing: Pavilhão Johnson & Johnson encanta visitantes de ...; Sport Marketing: Johnson & Johnson lança campanha “Momentos que ...). Apesar da decisão não seguir com o COI, a J&J pode permanecer lincada ao Movimento Olímpico patrocinando os CONs - Comitês Olímpicos Nacionais, assim como OCOGs - Olympic Committee Organizing Committees - Comitês Olímpicos Organizadores. Entre os CONs especula-se o interesse da empresa em estar ao lado do USOC - United States Olympic Committe - Comitê Olímpicos dos Estados Unidos, e, entre os OCOGs, uma possível participação local nos Jogos Olímpicos de Inverno, em Vancouver, 2010. A decisão para terminar o patrocínio de nível TOP junto ao COI foi impulsionada nas últimas três semanas devido à crise financeira mundial, embora, já houvesse uma especulação com relação à desistência da J&J, assim como ocorreu com a Kodak, ManuLife e Lenovo, outras empresas que decidiram não renovar contrato com o COI para o próximo ciclo olímpico que se inicia em 2009. O COI substituiu a Lenovo pela Acer, já os direitos da categoria seguro voltaram para os Comitês Olímpicos Nacionais (CONs), enquanto que os direitos da categoria máquina fotográfica digital foram inclusos na categoria de patrocínio à qual pertence a Panasonic. Já com relação à categoria de produtos relativos à saúde, a qual pertencia a J&J, será difícil, se não impossível, o COI conseguir uma empresa substituta e por isso, acredita-se que a categoria seja liberada aos OCOGs, a fim de que possam negociar com empresas locais e arrecadar fundos para a organização do evento. Apesar do êxodo das empresas multinacionais, nada abala a certeza do COI em conseguir novos parceiros. Para o ciclo 2009-12, o COI soma nove patrocinadores. O Comitê já criou mais que US$886 milhões de 2005-08 e está explorando patrocínios em categorias novas e adicionais, como produtos automotivos, pessoal etc. A J&J, que esteve presente nos Jogos de Turim -1996 e Beijing - 2008, quando especula-se ter investido entre US$60 e US$80 milhões pelo quadriênio olímpico, afirmou que a experiência foi satisfatória. A saída da J&J da lista de patrocinadores TOPs significa, em termos numéricos, de acordo com o Sports Business Journal, que o COI deixou de faturar, aproximadamente, US$100 milhões pelos quatro anos de renovação, quantia que ajudaria a organização à alcançar a meta de US$1 bilhão para o programa de Patrocínio Olímpico de 2009-12 para o qual já renovaram Acer, Atos Origin, Coca-Cola, GE, McDonald's, Omega, Panasonic, Samsung e Visa, lembrando que Coca-Cola segue com o Movimento Oímpico até 2020 e Panasonic e Samsung até 2016 (ler matéria arquivo Sport Marketing: COI fecha quadriênio olímpico com receita recorde). No término dos Jogos de Beijing, o COI concedeu permissão especial para a J&J analisar os números de marketing após o evento, para que então tomasse a decisão com relação à renovação, na expectativa de que a J&J seguisse no Movimento Olímpico. Mas, não surtiu efeito e a empresa não renovou o acordo. Enquanto oficiais da J&J falam positivamente sobre a experiência em Beijing, é sabido que a companhia ficou frustrada pela falta de transeuntes no Parque Olímpico, onde a empresa investiu milhões de dólares construindo um stand gigantesco para expor a marca e os produtos para consumidores chineses e pessoas de todo o mundo que foram assistir aos Jogos. O BOCOG - Beijing Organizing Committee Olympic Games - Comitê Organizador dos Jogos de Beijing e o COI disseram aos patrocinadores que o espaço teria média de 10.000 visitas por dia, mas no primeiro fim de semana apenas visitaram o local de 3 a 5 mil pessoas, devido às fortes restrições de segurança. O BOCOG corrigiu o problema uma semana após o início dos Jogos, relaxando um pouco mais as medidas de segurança, mas, mesmo assim, a J&J e outros patrocinadores ainda ficaram frustrados. (ler matérias arquivo Sport Marketing: Patrocinadores pressionam COI contra policiamento ...; Sport Marketing: Coluna Olímpica 1: Beijing bate business records; Sport Marketing: Beijing, marca a história do marketing olímpico; Sport Marketing: Marketing garante vida aos Jogos Olímpicos; Sport Marketing: Kodak retrata a evolução dos Jogos Olímpicos ..., ; Sport Marketing: O que os Jogos Olímpicos de Beijing têm de ...; Sport Marketing: Panasonic lança campanha HDTV nos Jogos Olímpicos; Sport Marketing: Omega lança edição limitada de relógios olímpicos; Sport Marketing: McDonald's a todo vapor em Beijing; Sport Marketing: i.lounges Lenovo são sucesso nas Vilas Olímpicas ...;Sport Marketing: Lenovo realiza ações filantrópicas olímpicas).

Redação Sport Marketing