22 de out de 2008

Crise preocupa Joseph Blatter

Em entrevista publicada no jornal espanhol "As", o presidente da FIFA, Joseph Blatter, classificou a situação financeira dos times ingleses de "alarmante", principalmente com a chegada de capital russo, americano ou árabe. "A Uefa está muito atenta e trabalhando com uma auditoria independente no sistema de licenças" - afirmou Blatter. "Temos de ter cuidado quando esses investidores vêm com garantias bancárias para obter dinheiro que trazem aos clubes. A questão é o que ocorrerá quando esses investidores decidam levar o dinheiro para outro lugar. Um clube precisa ter investidores da região, ou pelo menos do país"- afirmou. "Temos de fortalecer a identidade nacional dos clubes"- disse. A crise chegou à beira dos gramados quando a seguradora americana AIG, principal patrocinadora do Manchester United, foi salva da falência pelo governo George W. Bush (ler matérias arquivo Sport Marketing: AIG sai da Copa Davis; Sport Marketing: Manchester United corre risco de perder patrocínio; Sport Marketing: Crise próxima do marketing esportivo). O futebol inglês amealhou dívidas de cerca de 3 bilhões de libras (5,2 bilhões de dólares) em todos os níveis e importantes clubes podem falir em vista da atual crise financeira, afirmou o presidente da Federação Inglesa de Futebol, David Triesman. O dono do Chelsea, o bilionário Roman Abramovich (ler matéria arquivo Sport Marketing: Quem é Roman Abramovich?), está pasando por grave situação. A agência Bloomberg estimou que o russo perdeu mais de US$ 20 bilhões com a queda no valor das ações da empresa Evraz, produtora de aço. O Liverpool, dos americanos George Gillett e Tom Hicks também está em alarme. No ano passado, os fundos americanos comandados pela dupla pegaram US$ 500 milhões emprestados para comprar o time inglês. O jornal Daily Telegraph, publicou que os americanos não têm agora como pagar a dívida e vão usar os próprios lucros do clube nos próximos anos para quitar o empréstimo. O financiamento veio de dois bancos: o Royal Bank of Scotland e o Wachovia, que foram estatizados. O que especialistas do mercado financeiro temem, segundo matéria publicado pela agência estado, é que, com dívidas enormes, os clubes não consigam mais acesso a crédito. Os times menores são os primeiros que sofreriam. O West Ham está sem o principal patrocinador, a agência de viagem XL, que faliu e o proprietário, o islandês Bjorgolfur Gudmundsson, foi a banca rota quando o banco dele, o Landsbanki, faliu. Na Itália, a Lazio segue na busca de um patrocinador. Já na Alemanha, os acordos de transmissão da Bundesliga, a primeira divisão do Campeonato Alemão, acabam em meados de 2009 e o temor é de que o valor seja revisto para baixo. A conseqüência seria uma renda menor para todos os clubes. No Reino Unido, a primeira divisão é patrocinada pelo banco Barclays, que quase faliu.

Redação Sport Marketing