4 de set de 2008

A invejável conta corrente de Federer

Nos Jogos Olímpicos de Beijing ele não conseguiu medalha nas competições do tênis em simples. Mas, o suíço Roger Federer conquistou o ouro olímpico no torneio de duplas, ao derrotar, ao lado de Stanislas Wawrinka os suecos Thomas Johansson e Simon Aspelin por parciais de 6/3, 6/4, 7/6 e 6/3. A medalha olímpica em duplas serviu para consagrar a carreira do tenista que permeneceu no top do ranking da ATP por 237 semanas sucessivas, perdendo o título de número 1 do mundo, apenas na semana passada, para o espanhol Rafael Nadal. Porém, é fato que, durante muito tempo, ninguém irá tirar Federer do topo do ranking dos tenistas com maior conta bancária. O suíço que nasceu em 8 de agosto de 1981, em Binningen, no cantão de Basiléia-Campo, registrou, até o ano passado, ganhos de mais de US$40 milhões, quase duas vezes o que ganhou Nadal, atual Príncipe de Astúrias, que somou estimados US$18 milhões. Federer ganhou US$9 milhões em prêmios em dinheiro em 2007 e registrou outros US$26 milhões em publicidade e patrocínios de empresas como Gillette, Mercedes-Benz e Wilson. A maior quantia ganha em patrocínio vem da Nike, que estendeu o contrato com Federer por mais 10 anos, o que, potencialmente, pode ser o maior acordo de patrocínio da história do tênis. Uma pergunta que não quer calar é: como Federer consegue acumular mais dinheiro do que muitos atletas que brilham em esportes bem mais populares como Derek Jeter, Peyton Manning e Dale Earnhardt, tendo em vista o fato de que nos últimos anos, segundo pesquisa da agência Nielson, o tênis no território americano, tem perdido audiência e interesse do público? Jeter, Manning e Earnhardt todos têm perfis de endosso dentro dos Estados Unidos, mas os esportes geram pouco interesse fora do país, limitando as oportunidades de patrocínio global. Federer, por outro lado, ganhou 55 torneios em na carreira em 17 países e é uma marca global. Além disso, o tenista fala com fluência três idiomas: inglês, francês e alemão. O fator demográfico também favorece os robustos endossos dos jogadores de tênis, como Federer, filho de Robbie, um suíço-alemão, e de Lynette, uma sul-africana. O público que consome o tênis é da classe A, B e tem verba para consumir novos produtos. Desde 2000, Federer namora com Miroslava - "Mirka" - Vavrinec, que conheceu nos Jogos Olímpicos de Sydney. Mirka é também a atual empresária do tenista basileense que venceu 12 grandes torneios (Grand Slams), dois a menos que Pete Sampras, que detém um recorde de 14 títulos (ler matérias arquivo Sport Marketing - 19.02.2008 - Federer, muito mais do que um troféu; 03.07.2008 - Federer é astro de nova propaganda Nike)

Redação Sport Marketing