24 de ago de 2008

Beijing, marca a história do marketing olímpico

O Sport Marketing se despede dos Jogos Olímpicos de Beijing, mas já está em Londres, onde nossos colaboradores e correspondentes acompanham os preparativos para a trigésima edição o maior evento esportivo do planeta. Tudo isso, para trazer, sempre, em primeira mão, as notícias do marketing do maior evento esportivo do planeta. Com muito orgulho, o Sport Marketing fez história ao ser o único sítio especializado em marketing esportivo do país, a ter uma equipe de correspondentes e colaboradores internacionais que, desde a nossa estréia na rede, em fevereiro, sempre trouxe informações fresquinhas dos Jogos Olímpicos de Beijing. Do outro lado do mundo, a missão ficou ainda mais intensa com o início dos Jogos e durante os 16 dias de competições, o Sport Marketing mostrou o outro lado da medalha, destacou como funciona o marketing olímpico, as empresas, as plataformas e ações dos principais patrocinadores do Movimento Olímpico. No Sport Marketing você viveu as emoções da vigésima nona edição dos Jogos Olímpicos por um ângulo diferente e nos ajudou a bater recordes de audiência.Desde a cerimônia de abertura dos Jogos, no dia 08.08.2008, até hoje, dia do encerramento, o Sport Marketing teve a satisfação de somar mais de 25 mil visitações, mais de 25 mil acessos em 16 dias! De malas prontas para o próximo grande evento esportivo do calendário mundial, a Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, o Sport Marketing encerra os trabalhos em Beijing ciente de que, apesar da pouca liberdade de imprensa, que muitas vezes, atrapalhou o trabalho da mídia e dos problemas políticos que assolam a China, o país irá fazer parte das lembranças que marcaram nossa memória, a história do esporte e do marketing esportivo e olímpico. Beijing recebeu medalha de ouro em vários quesitos importantes como: instalações esportivas excepcionais, pontualidade, responsabilidade na entrega dos locais de competições, competência e organização transformadoras, precisão, seriedade, avanços tecnológicos nas transmissões dos Jogos e, principalmente, um programa de marketing local perfeito, que servirá de exemplo para as futuras cidades que receberem o mega evento daqui em diante. Bater a organização exemplar da China será um desafio para Londres. A China do mestre Confúcio ensinou ao mundo que: 'se quiser fazer uma montanha, é preciso carregar o primeiro grão de areia', ou seja, que planejamento é a grande chave para alcançar o sucesso e, principalmente, para mantê-lo. Prova disso é que antes do início dos Jogos, o BOCOG - Beijing Organizing Committee Olympic Games - Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Beijing já tinha um programa de marketing e gestão desenhado para o 'Ninho de Pássaro' e para o 'Cubo D'água' (ler matéria arquivo Sport Marketing - Especial: Ninho de Pássaro tem projeto de marketing definido), duas megas construções que não podem deixar a chama do esporte se apagar, mantendo vivo o espírito olímpico e o desenvolvimento dos atletas chineses. Não é à toa que os números que rodeiam os Jogos de Beijing são megas, como as construções olímpicas e os recordes batidos do outro lado do mundo. Mais de 60 patrocinadores investiram cerca de US$ 3 bilhões nos Jogos Olímpicos de Beijing. Estima-se que o total de investimentos de empresas interessadas em aproveitar os Jogos Olímpicos irão superar os US$ 5 bilhões (valor correspondente a agosto de 2006 a agosto de 2008), tornando esta edição olímpica a maior aposta de marketing já realizada, com investimentos que ultrapassam US$ 8 bilhões. Os Jogos de Beijing entraram para a história como a primeira edição olímpica em um país comunista que deu lucro, apagando da memória do mundo, as péssimas lembranças da última vez que um país socialista hospedou os Jogos. Apesar de todos os esforços, nos Jogos de Moscou 1980, o marketing olímpico chegou ao fracasso. Se por um lado havia produtos e serviços, por outro lado, não havia dinheiro para pagar os custos operacionais do evento, as construções, enfim... A organização dos Jogos não conseguiu fazer o evento lucrativo e os custos reais dos Jogos nunca foram revelados. O livro Ouro Olímpico - a história do marketing dos aros (selo COB - Cultural), escrito em parceria com o chefe da delegação e diretor do COB, Marcus Vinicius Freire, relata que dinheiro, direitos humanos e a soberania do Afeganistão à parte, a Coca-Cola e a Kodak foram os principais patrocinadores dos Jogos de Moscou. A Adidas, foi o terceiro patrocinador oficial dos Jogos, mesmo tendo dado o maior apoio ao boicote do governo da Alemanha, país onde a multinacional tem a matriz. Vinte e oito anos depois de Moscou, na China, Coca-Cola, Kodak e Adidas também estavam entre as empresas que movimentaram os Jogos, mas não foram os pilares do evento. Os Jogos da Beijing comunista tiveram uma história diferente (ler matéria arquivo Sport Marketing - O que os Jogos Olímpicos de Beijing têm de diferente para o público consumidor? ) e na segunda vez que os Jogos foram realizados em um país comunista, o evento contou com 64 patrocinadores: 12 empresas pertencem ao programa de marketing TOP mundial do IOC - International Olympic Committee - Comitê Olímpico Internacional (Coca-Cola, McDonald´s, Kodak, Samsung, Panasonic, Manulife, GE, Lenovo, Atos Origin, Johnson&Johnson, Omega e Visa) e as demais pertencem ao programa de marketing do BOCOG - Beijing Organizing Committee Olympic Games - Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Beijing que criou quatro níveis de patrocínio: parceiros oficiais - 11 empresas (Bank of China; China Network Communications Group Corporation; China Petrochemical Corporation; China National Petroleum Corporation; China Mobile Communications Corporation; Volkswagen Group China; Adidas; Johnson & Johnson (China) Investment Ltd; Air China Limited; PICC P&C; State Grid Corporation of China. ), 10 patrocinadores oficiais - (Tsingtao; Yanjing; UPS; Haier; SOHU; Yili; BHP Billiton; Heng Yuan Xiang; Budweiser; Uni-president), 15 fornecedores exclusivos e 15 fornecedores oficiais. Como ensinou a história olímpica que quantidade não é qualidade, apesar dos números oficiais ainda não terem sido divulgados pelo IOC - International Olympic Committee - Comitê Olímpico Internacional (COI), Beijing foi um sucesso de marketing e, além de se pagar, o evento certamente gerou lucros (ler matéria arquivo Sport Marketing - Coluna Olímpica 1: Beijing bate business records). Seis meses antes de começar os Jogos, as marcas de sport business já eram recordes! A Adidas, patrocinadora local oficial do BOCOG, por exemplo, registrou apenas no primeiro semestre um aumento de mais de 60% na renda na China, tornando-se no segundo maior mercado do Grupo Adidas, depois dos Estados Unidos. A meta do Grupo é alcançar vendas de mais que 1 bilhão de euros na China até 2010. A Adidas forneceu mais de 3 milhões de produtos para federações, voluntários, oficiais e outros. A marca alemã equipou 16 CONs - Comitês Olímpicos Nacionais, inclusive a nação mais bem sucedida na conquista de ouros 51 no total 21 pratas e 28 bronzes, a China e de mais três nações que entre as seis melhores dos Jogos: Grã-Bretanha, Alemanha e Austrália. Em total, mais de 3 mil atletas competiram vestindo a marca e produtos Adidas que proveu produtos para 27 dos 28 esportes olímpicos. Entre os atletas patrocinados pela Adidas melhor sucedidos e que subiram no degrau mais alto do pódio olímpico está a recordista mundial de salto com vara, a russa Yelena Isinbayeva, o alemão bicampeão olímpico da natação Britta Steffen, o ciclista inglês Chris Hoy, a ginasta norte- americana Shawn Johnson, o atleta cubano dos 110m com barreiras Dayron Rouba, a esgrimista italiana Maria Valentina Vezzali, o norueguês do lançamento de dardo Andreas Thorkildson, o jogador de futebol Lionel Messi da Argentina e o campeão chinês de judô Xian Dongmei. Depois da EURO 2008, os Jogos Olímpicos de Beijing foram a plataforma que a Adidas desejava para alavancar a marca mundialmente e estabelecer território no mercado chinês (ler matéria arquivo Sport Marketing - Adidas abre maior loja do mundo na China),EUFA EURO 2008 impulciona números da Adidas; Adidas vence EURO 2008; Adidas muda estratégia e sai da China; Nike x Adidas - histórica disputa olímpica). A empresa agora se prepara para a Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, onde terá pela frente a Puma e, já desenha a estratégia de marketing para os Jogos Olímpicos de Londres em 2012, quando a Adidas será novamente patrocinadora oficial do Comitê Organizador dos Jogos, o LOCOG - London Organizing Committee Olympic Games. Além da Adidas, empresas locais também se beneficiaram com os Jogos como a marca de materiais esportivos Li Ning que teve na disputa do ouro no basquete diante da Nike, quando Estados Unidos e Espanha se encontraram em quadra, um dos grandes momentos olímpicos da marca chinesa (ler matérias arquivo Sport Marketing -Li Ning - príncipe dos ginastas e rei do marketing olímpico chinês; Li Ning pega carona em escândalo espanhol; Nike aposta no basquete americano na China ). A Lenovo também recebeu os louros de se aliar aos Jogos Olímpicos, (ler matérias arquivo Sport Marketing - Lenovo realiza ações filantrópicas olímpicas; Lenovo lança lap top olímpico; Lenovo segue leilão mundial; Coluna Olímpica 4 - Revezamento da Tocha Olímpica; Coluna Olímpica 5: Chama Olímpica uma histórica trajetória de marketing; Coluna Olímpica 6: Chama da discórdia), porém, a única e primeira marca chinesa a pertencer ao programa de marketing TOP do COI não renovou contrato para o próximo quadriênio, deixando lugar para a estreante Acer na categoria. Entre as TOPs internacionais, a Coca-Cola, que completou 80 anos de envolvimento olímpico, de acordo com uma pesquisa realizada pela empresa chinesa CSM, joint venture entre a CTR Pesquisa de Mercado e a TNS, recebeu medalha de ouro das conquistas nas ações de marketing na China. A pesquisa apontou a gigante mundial de bebidas como a detentora da melhor avaliação no Olympic Performance Index (OP Index), indicador que mede a performance total de marketing das marcas patrocinadoras, antes, durante e após os Jogos Olímpicos. O índice OP foi criado em 2006 e é o primeiro que indica os benefícios revertidos aos patrocinadores dos Jogos em relação às edições anteriores do evento. A Coca-Cola lidera a pesquisa, seguida pela Yili, uma marca de produtos lácteos de destaque na China, endossada pelo atleta dos 110 metros com barreiras Li Xiang (ler matérias arquivo Sport Marketing - Coca-Cola sai na frente mais uma vez; Coca-Cola faz mega exposição olímpica; Coca-Cola lança uma ação institucional olímpica; Nova propaganda olímpica da Coca-Cola ; O futuro de Liu Xiang; Nike e Coca-Cola seguem com Liu Xiang; Liu Xiang e Fabiana Murer choram no 'Ninho de Pássaro'; Nike fica na pista com Liu Xiang; Nike apresenta uniforme de astro chinês do atletismo; Nike lança uniformes olímpicos do atletismo). O terceiro lugar foi conquistado pela Lenovo, a quarta do ranking é a China Mobile e em quinto lugar aparece a Adidas. Mal a chama olímpica se apagou e a maior fabricante de bebidas do mundo, já desenhou, inclusive, a estratégia para os Jogos de 2012 e já lançou uma edição limitada de garrafas de vidro comemorativa à próxima edição dos Jogos. As garrafas, incluam um rótulo criado pelo fotógrafo Rankin e um pacote promocional que convida os consumidores a visitar o site Coca-Cola Zone e concorrer a prêmios como uma viagem ao Pólo Sul, participar do treinamento de um astronauta ou usar pontos acumulados para ganhar souvenirs olímpicos. Outra empresa que também já saiu na frente e se planeja para os Jogos Olímpicos de Londres é a VISA que pretende distribuir centenas de milhares de cartões no mercado e criar cartões com a nova tecnologia contactless (pagamento sem contato), chamado Visa payWave, capaz de efetuar pagamentos por meio de leitores magnéticos (ler matérias arquivo Sport Marketing - VISA inova para os Jogos de Londres 2012; Visa patrocina festa olímpica em Londres). A Nike também já se prepara para outra olimpíada e mais quatro anos apostando no maior evento epsortivo do mundo (ler matéria arquivo Sport Marketing - Nike faz campanha de olho em Londres 2012). Ao lado de grandes empresas, grandes atletas que entraram para a lista dos deuses do Olimpo também pretendem estar em Londres como Usain Bolt, o homem mais rápido do mundo (ler matérias arquivo Sport Marketing - Bolt e Puma levam crianças chinesas à Copa de 2010; Usain Bolt, o puma mais rápido do mundo; 2 - o número da sorte de Usain Bolt), o lendário Michael Phelps que pretende vencer a si mesmo (ler matérias arquivo Sport Marketing - Michael Phelps lança novo livro ; Michael Phelps nas caixas de sucrilhos; Michael Phelps e oito medalhas de ouro, capa da Sports Illustrated; Quanto vale Michael Phelps - o rei das piscinas?; Michael Phelps chega antes em Londres para festa olímpica), a lendária e belíssima Yelena Isinbayeva (ler matéria arquivo Sport Marketing - Isinbayeva milionária exterminadora de recordes; COI lança campanha mundial), a guerreira seleção feminina brasileira de vôlei (ler matéria arquivo Sport Marketing - Seleção feminina de vôlei é ouro em Beijing) e as notáveis meninas de prata da seleção brasileira de futebol (ler matéria arquivo Sport Marketing - ); a lutadora lutadora (ler matéria arquivo Sport Marketing - Natália Falavigna traz medalha de bronze para o Brasil), a dourada Maureen Maggi (ler matéria arquivo Sport Marketing - Maurren Maggi é ouro em Beijing; Maurren Higa Maggi vira estátua), o nadador Cesar Cielo (ler matéria arquivo Sport Marketing - Depois do ouro, Cielo pensa em McDonald´s e em devorar títulos); a maravilhosa Ketleyn Quadros (Brasil desencanta nos Jogos Olímpicos com atleta da BeloDente; o incansável Leandro Guilheiro (ler matéria arquivo Sport Marketing - Judoca da Gol fatura segunda medalha brasileira em Beijing), Juliana e Larissa do vôlei de praia ...enfim...nomes que o mundo e o país esperam ver novamente, vencendo, superando os próprios limites com garra e profunda determinação. Que os Jogos Olímpicos de Londres sejam campeões e honrem o histórico fato de ser a única cidade e receber três edições dos Jogos Olímpicos (1908, 1948, 2012). Os correspondentes e colaboradores do Sport Marketing já estão trabalhando a todo vapor na capital da Inglaterra, a postos na incansável missão de contar a história da evolução do marketing olímpico e esportivo, porque a chama e a paixão que movem o esporte não se apagam em nossos corações, não se apagam aqui no Sport Marketing. Em nome de toda a equipe Sport Marketing, colaboradores e correspondentes internacionais, agradeço a sua maravilhosa audiência e estendo o convite para que você siga conosco, desfrutando, da melhor e mais completa cobertura do marketing olímpico e esportivo do país - aqui e sempre no Sport Marketing! Adeus Beijing, a pira olímpica se apaga, encerramos nossos trabalhos ao som dos Beatles e já em ritmo de Londres 2012!

非常感謝 (Muito obrigado)!

Deborah Ribeiro - Diretora Sport Marketing - Beijing 2008