29 de jul de 2008

COI irá averiguar denúncia de censura em Beijing

O IOC - International Olympic Committe - Comitê Olímpico Internacional (COI) vai investigar o aparente caso de censura no serviço de internet fornecido para a cobertura de mídia dos Jogos Olímpicos de Beijing. Como anunciado no Sport Marketing (ler matéria arquivo Sport Marketing - Censura velada irrita jornalistas em Beijing), os primeiros jornalistas que chegaram em Beijing não conseguiram alguns sites e blogs que estão bloqueados. A China havia prometido à mídia liberdade de imprensa. Criou reguladores mais flexíveis e afrouxou as medidas de segurança contra a imprensa estrangeira em janeiro do ano passado. Apesar desses novos reguladores, que deverão ser extintos em outubro, a mídia estrangeira na China tem reclamado de contínuos aborrecimentos. A ONG norte-americana Human Rights Watch divulgou recentemente relatório afirmando que a situação na China não está tão pacífica quanto o país anuncia. Tentativas de usar o acesso à internet do MPC - Main Press Center - Centro de Imprensa para abrir sites contra o regime comunista como o Amnesty International (anistia internacional), que publicou na segunda-feira (28/07) artigo criticando a China por não cumprir os deveres em relação aos direitos humanos nos Jogos olímpicos, foram em vão. Segundo o responsável pelas relações com a imprensa do COI, Kevan Gosper, será averiguado se existe algo interferindo no trabalho dos repórteres que cobrem o evento. O Ministro de Relações Exteriores da China, Liu Jianchao, disse que a imprensa devia ter acesso livre à Internet, mas que sites relacionados ao movimento religioso Falun Gong serão bloqueados. Jianchao sugeriu que a dificuldade para acessar alguns sites é culpa de problemas dos próprios endereços.

Redação Sport Marketing - Beijing 2008