17 de jun de 2008

UEFA explica admissão do Porto e Benfica exige indenização

A UEFA justificou a admissão do Futebol Clube do Porto (FC Porto) na próxima edição da Liga dos Campeões para evitar "prejuízos irreparáveis" caso o clube português seja absolvido de todas as acusações. Após a realização da comissão de apelo da UEFA, é dito na ata que as decisões tomadas relativamente à culpabilidade do FC Porto em tentativas de corrupção não são definitivas nem executórias. O documento acrescenta que, se o presidente do FC Porto, Pinto da Costa, for condenado em primeira instância e recorrer da decisão, o clube vai beneficiar do resultado desse apelo. A UEFA salientou que dificilmente a decisão das entidades portuguesas de futebol, relativa ao recurso de Pinto da Costa, será conhecida antes do início da próxima temporda da Liga dos Campeões. A Comissão de Controle de Disciplina da UEFA irá rever o caso assim que a decisão do Conselho da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) seja tida como definitiva. A comissão da UEFA deixa claro que considerou contraditórias as explicações apresentadas pela FPF na documentação fornecida ao organismo europeu de futebol entre 15 de maio e 2 de junho, e salienta ainda que as restantes partes interessadas, Benfica e Vitória de Guimarães, deveriam ter sido ouvidas no início do processo. Já o Benfica exige 30 milhões de euros de indenização à Federação Portuguesa de Futebol por causa da reentrada do Porto na Liga dos Campeões. A imprensa européia diz que os encarnados consideram que tiveram danos morais e patrimoniais por deixarem de ir à pré-eliminatória do torneio. O Benfica ainda deve avançar com uma providência cautelar nos tribunais suíços e apresentar um recurso no Tribunal Arbitral do Desporto. No site do clube, o Benfica diz que ai recorrer aos tribunais por causa da forma negligente com que a Federação lidou com o processo. Em comunicado, a Federação Portuguesa de Futebol considera 'incompreensíveis' as acusações do Benfica.

Redação Sport Marketing