5 de jun de 2008

Proteção total aos patrocinadores olímpicos

"A primeira ação de marketing de emboscada, ou de guerrilha, em Jogos Olímpicos, aconteceu nos Jogos de 1932, em Los Angeles" - destaca o livro Ouro Olímpico, a história do marketing dos aros (selo COB/Cultural - editora Casa da Palavra). A obra traz um capítulo inteiro sobre o tema e os cases que entraram para a história do mega evento. O livro também ressalta os cuidados que o IOC - Internatonal Olympic Committee - Comitê Olímpico Internacional vem dedicando, ao longo dos séculos, aos patrocinadores olímpicos mundiais e locais, a fim de evitar que os direitos sejam incomodados por outras marcas que não pagaram para estarem aliadas ao evento. Em Beijing, o BOCOG - Beijing Organizing Committe Olympic Games - Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos, irá proibir a utilização de roupas ou uniformes iguais por grupos de espectadores contendo marcas de empresas. Outra medida que já foi tomada em outras edições olímpicas é a proibição de entrada de bebidas para as arenas, já que dentro serão vendidos apenas produtos da patrocinadora Coca-Cola. Entre 11 de julho e 17 de setembro, as autoridades também controlarão outdoors em locais privilegiados, dando prioridade para patrocinadores oficiais. Atletas e técnicos não poderão ceder imagens para marketing sem a aprovação de autoridades olímpicas. Normalmente, os organizadores dos Jogos Olímpicos recebem pressão para tomar medidas como essas, já que os patrocínios são extremamente relevantes para as receitas. Outra ação comum é a venda de produtos oferecendo bilhetes para os Jogos. Beijing promete que se esforçará ao máximo para que os direitos dos mais de 60 patrocinadores oficiais sejam garantidos.

Redação Sport Marketing