19 de jun de 2008

O efeito Tiger Woods

Depois da vitória espetacular no US Open, Tiger Woods anunciou que precisa fazer mais cirurgia no joelho e que estará fora pelo resto da temporada. Com a saída de Tiger dos greens, quem também sai machucado? O PGA claro. A audiência dos torneios certamente diminuirá. As vendas de produtos em torneios também. Isto é fato. Poucas marcas, especialmente marcas individuais, já conseguiram crescer combinando o poder e domínio da marca Tiger Woods. Ele é uma estrela do esporte americano. Amado, Tiger Woods tem estilo, graça, cortesia e postura que fazem dele um bem desejado pelos patrocinadores. Tiger se tornou o combustível que move o PGA. Sem ele nos torneios, as audiências de tv caem e os produtos subordinados ao evento também não vendem. Tiger é sinônimo de business. Também sai machucada com a falta de Tiger nos campos a divisão Buick da GM que criou a promoção especial "Iniciar com Tiger" para este outubro, a mais importante promoção do ano da fabricante de carros que investe muito dinheiro no patrocínio de Tiger Woods. Outros patrocinadores também saem machucados desta temporada como a marca de relógios TAG Heuer, Gatorade, Accenture e Nike. Quanto mais tempo Tiger Woods ficar longe dos greens, pior é a situação dos patrocinadores. Não é incomum um atleta se machucar. Porém, o choque em termos de business, publicidade e patrocínio que causa um machucado de um atleta como Tiger Woods é tão poderoso, que este "desaparecimento", terá um efeito dominó que nós só entenderemos claramente daqui a alguns meses com Tiger fora dos focos das câmeras e do golfe.

Sandra White - Correspondente Sport Marketing - Estados Unidos