7 de jun de 2008

Meio Ambiente: Estádios Solares para a Copa de 2014

O projeto “Estádios Solares” para a Copa de 2014 propõe a instalação de painéis solares em toda a cobertura dos estádios que receberão os jogos, começando pelo Maracanã, no Rio de Janeiro. "Desenhamos uma cobertura de painéis fotovoltaicos para o Maracanã com gerador de 3,7 MWp, o suficiente para suprir energia para mais de duas mil residências”-explicou o diretor técnico do Instituto Ideal,Ricardo Rüther,responsável pelo projeto. Em entrevista ao site CarbonoBrasil, o professor disse que a idéia está muito próxima de sair do papel. “O projeto já chegou aos ouvidos do Lula e ficamos sabendo que ele ficou muito interessado”- revelou. Estádios com painéis fotovoltaicos já são velhos conhecidos de países que receberam competições internacionais. Alguns jogos da EURO 2008 serão realizados no maior estádio solar do mundo, o Stade de Suisse Wankdorf, em Berna, na Suíça. Com 10.738 células solares, o estádio gera 1,134 gigawatts hora (GWh) de energia por ano. A China também utilizará a tecnologia para alimentar o Nacional Indoor Stadium, um dos locais que receberá os Jogos Olímpicos. Os 1.124 painéis solares da cobertura irão fornecer 2,32 megawatts hora (MWh) de energia anualmente. As vilas olímpicas dos Jogos de Atlanta (EUA) e Sidney (Austrália) também receberam energia solar.O projeto “Estádios Solares” seria uma possibilidade de incentivo a uma fonte ainda pouco explorada no país, apesar do grande potencial. A média anual da energia solar incidente no Brasil é de 1500 a 2300 kWh/m2/ano. “A radiação solar na região mais ensolarada da Alemanha é 40% menor do que na região menos ensolarada do Brasil” - comparou Rüther. O professor explicou que a tecnologia fotovoltaica evoluiu muito e hoje pode ser adaptada à estética das edificações, nas paredes com filmes finos, nos telhados com modelos curvos colocados sobre as telhas, em janelas com módulos semitransparentes que permitem obter luz natural ao mesmo tempo em que é captada a energia, etc. “Todas estas inovações fizeram este mercado disparar. Em 2007, foram instalados quatro mil megawatts em todo o mundo, um aumento de 82% em relação a 2006” - destacou. O professor disse que, a cada ano, o custo para produção cai em 5%, o que permite calcular quando esta energia será competitiva no ambiente urbano frente ao modelo tradicional. Entre as vantagens do uso de painéis fotovoltaicos, Rüther relaciona a não necessidade de áreas extras para a instalação; a possibilidade de instalação no meio urbano, gerando energia junto ao ponto de consumo; a utilização dos painéis como telhados e fachadas e questões estéticas, ecológicas e de inovação. “Eles são projetados com grande garantia, de 20 a 25 anos, são adaptáveis à construção civil e modulares” - completou.

Redação Sport Marketing