13 de jun de 2008

Chineses abusam da Lei de Gerson com dinheiro doado às vítimas

Não é só no Brasil que impera a "Lei de Gerson", não. Para quem não sabe, a expressão originou-se em uma propaganda, de 1976, para os cigarros Vila Rica, na qual o canhotinha de ouro Gerson, da seleção brasileira, era o protagonista e dizia: "Gosto de levar vantagem em tudo, certo? Leve vantagem você também.". Pois bem, tem chinês usando e abusando da Lei de Gerson com o dinheiro doado pelo mundo às vítimas do terremoto. Uma agência do maior banco da China, o ICBC (Banco Industrial e Comercial da China), na cidade de Miangyang, na área devastada pelo terremoto, comprou 56 pares de sapatilhas de atletismo Nike para os funcionários. A quantia de 4.100 dólares, destinada às vítimas do terremoto de 12 de maio, foi utilizada ilicitamente pela agência do banco que, inclusive, falsificou as notas fiscais. Segundo uma auditoria realizada as notas fiscais falsificadas continham informações de compras de capas de chuva, botas de borracha e guarda-chuvas. Mais de seis bilhões de dólares de ajuda humanitária foram doados na China e no exterior para socorrer as vítimas do terremoto. Beijing afirma que está fazendo todo o possível para garantir o uso correto do dinheiro, mas sabe-se que do outro lado do globo, a corrupção é também uma doença moral endêmica. Se os chineses vão ou não se arrepender do dinheiro desviado para a compra de produtos Nike, a gente não sabe, mas o Gerson, anos depois da gravação do comercial, afirmou ter se arrependido de ter associado a imagem ao reclame, visto que qualquer comportamento pouco ético foi sendo aliado ao nome dele nas expressões Síndrome de Gérson ou Lei de Gérson, referindo-se à pessoas que "gostam de levar vantagem em tudo", no sentido negativo de se aproveitar de todas as situações em benefício próprio, sem se importar com a ética.

Redação Sport Marketing