8 de mai. de 2008

Nuzman confiante em Jogos Olímpicos de 2016

O presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, ressaltou, em audiência pública na Comissão de Turismo e Desporto, a importância das leis aprovadas pelo Congresso para a preparação dos atletas que vão aos Jogos Olímpicos de Beijing. Nuzman disse que leis como a Agnelo Piva (Lei 10.264/01), a Lei de Incentivos Fiscais ao Esporte (11.438/06) e a Lei da Bolsa Atleta (10.891/04) foram fundamentais para o atual estágio de desenvolvimento do esporte e detalhou o planejamento do COB até agosto. Mais do que o número de medalhas, Nuzman ressaltou a evolução qualitativa já obtida pelo País nas últimas competições, como em Atenas 2004 e nos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro 2007. O presidente do COB assinalou que a atletismo e vôlei ficaram com a maior parte dos recursos arrecadados com a Lei Agnelo Piva. Já com a Lei de Incentivos Fiscais ao Esporte, o COB captou, neste ano, R$ 24 milhões da Petrobras para investir na preparação dos atletas que vão a Beijing. O COB também concentra as ações para que o Rio de Janeiro sedie os Jogos de 2016 e que a melhora no rating de investimento do Brasil, anunciada na última semana, trará benefícios à candidatura do país. Para o dirigente, o fato de a agência financeira Standard & Poor's elevar a nota de risco de crédito do Brasil para receber investimentos estrangeiros consolida as pretensões nacionais, pois garante maior estabilidade no mercado econômico. "É algo muito importante porque dá ao Comitê Olímpico a certeza de que o Brasil tem a segurança financeira para entregar os Jogos no nível exigido. Isso deixa a candidatura mais forte e segura", afirmou o presidente do COB. Nuzman acredita que o fato de ter realizado os Jogos Pan-Americanos em 2007 será crucial para que desta vez o Rio consiga ser sede olímpica, o que já tentou sem sucesso em 2004 e 2012. No início de junho, o Comitê Olímpico Internacional (COI) fará a primeira eliminatória entre as sete cidades concorrentes, e Nuzman aposta que o Rio vai continuar na disputa. "Nós temos uma expectativa otimista. As equipes já estão trabalhando. O presidente Lula, o governador Sérgio Cabral e o prefeito César Maia, junto com o ministro do Esporte Orlando Silva, deram todas as garantias necessárias para o questionário. Garantias até superiores para mostrar disposição." Na disputa pela sede dos Jogos Olímpicos de 2016, o Rio enfrentará Chicago (EUA), Madri (Espanha), Praga (República Tcheca), Tóquio (Japão), Doha (Qatar) e Baku (Azerbaijão).

Redação Sport Marketing