22 de mai. de 2008

CBF perde recurso contra a VIVO

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) perdeu o recurso que havia solicitado ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), no qual a entidade tentou quebrar unilateralmente o contrato de patrocínio com a operadora de telefonia celular VIVO o qual começou a vigorar em 2005 e só termina após a Copa do Mundo de 2014, no Brasil. Desde maio de 2007, a CBF tenta acabar com as relações com a VIVO, sob a alegação que a empresa não cumpriu os compromissos contratuais e que a receita proveniente da exploração da marca da Seleção Brasileira está abaixo do esperado pelo acordo. O contrato dá à VIVO o direito de estampar a marca nas mangas das camisas de treino da Seleção (foto) e nos back drops (painéis) de entrevistas coletivas da entidade. A defesa da operadora se baseia na alegação que nenhum valor fixo foi combinado para este caso e que a renda gerada pela comercialização de produtos relacionados a telefonia celular dependem diretamente do desempenho da Seleção Brasileira. Nas páginas do processo, a CBF afirma que poderia receber cerca de US$ 6 milhões (R$ 9,9 milhões) a mais por ano se tivesse um novo contrato de patrocínio.

Redação Sport Marketing