7 de abr. de 2008

Samaranch não mistura política e esporte

O espanhol Juan Antonio Samaranch, ex-presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), acredita que a China "será muito mais aberta" após o evento. O ex-dirigente fez a afirmação ao diário espanhol El Pais. Samaranch, que atualmente ocupa o cargo de presidente honorário do COI, dá como exemplo a abertura da Coréia do Sul, após os Jogos de 1988, em Seul. O antigo dirigente, 87 anos, rejeita, qualquer responsabilidade política do esporte e do olimpismo em particular. "Muitos dos que protestam agora, deveriam fazê-lo diante das Nações Unidas e não diante do Comitê Olímpico" - sublinhou Samaranch que dirigiu o COI durante vinte anos, entre 1980 e 2001 e quem continua a ter grande influência. "Cada país tem o regime que escolheu" - afirmou Samaranch, qualificando como "extraordinário" o que se passou na China nos últimos 25 anos em relação ao desenvolvimento econômico. "Tenho a certeza que depois da economia virão outras mudanças. O tema dos Direitos Humanos é muito delicado. Somos favoráveis, é claro, mas muitos países que acusam ou não deviam olhar a si próprios" - sublinhou Samaranch.

Redação Sport Marketing