10 de abr. de 2008

Quem quiser que conte outra!

Quem quiser que acredite nessa matéria dilvulgada pela imprensa estatal chinesa. Sem meios de confirmar a veracidade da notícia por via independente, analistas acreditam que o alarde chinês de desarticulação de uma rede criminosa que planeava raptar atletas participantes nos Jogos Olímpicos não passa de um balão de ensaio para desviar a atenção do mundo dos vários tumultos por que tem passado a Tocha Olímpica por diversas cidades do mundo. Segundo Wu Heping, porta-voz do ministério da Segurança Pública, o grupo criminoso que planeava raptar atletas operava na região ocidental de Xinjiang. O mesmo responsável indicou que 35 pessoas foram detidas entre 26 de março e 6 de abril por conspirarem e planejarem o rapto de atletas, jornalistas estrangeiros e outros visitantes durante os Jogos. "Um grupo terrorista violento queria sabotar os Jogos Olímpicos criando uma ação de impacto internacional" - afirmou Wu Heping. O porta-voz governamental indicou que o grupo pediu aos membros que se preparassem para lançar ataques terroristas contra os Jogos. Foi-lhes igualmente pedido que fizessem uns ensaios com gases venenosos, carne venenosa e explosões com controles remotos. As autoridades chinesas teriam conseguido apreender vários quilos de explosivos, oito barras de dinamite e literatura "jihadista", de acordo com Wu Heping, cita a Sky News. Sem outra versão além dos veículos estatais da China, fica difícil acreditar, ainda mais, em um momento em que a imagem da China não é das melhores para o resto do mundo e o marketing político chinês está em baixa.

Redação Sport Marketing