12 de abr. de 2008

Palavras, palavras, palavras

O ministro do Esporte, Orlando Silva, segue em peregrinação pelas cidades do país distribuindo palavras e promessas. Assumiu o compromisso de construir em Sorocaba uma pista de atletismo com padrões internacionais de qualidade. As obras estariam prontas até o final do ano de 2008. Orlando Silva recebeu o projeto da pista das mãos do prefeito, que ainda solicitou o auxílio do ministro para a construção de um centro olímpico na cidade. De acordo com o ministro, os dois pedidos poderão ser atendidos, mas o centro olímpico será um pouco mais complicado. “Infelizmente, não poderemos fazer as duas coisas ao mesmo tempo. Porém, vamos atender a cidade no que for possível” - disse. Com relação ao centro olímpico, o ministro garantiu que o primeiro passo será construir uma área poliesportiva em parceria com a Ufscar (Universidade Federal de São Carlos). O ministro anunciou também que Jundiaí tem chances de sediar uma das seleções na Copa do Mundo de 2014 . “Se a cidade fizer a ‘lição de casa’ não tem como ser recusada” - disse. Orlando Silva também não descartou a possibilidade de Porto Feliz abrigar uma seleção de futebol durante a Copa do Mundo no Brasil, em 2014. Porém, Silva afirmou que a cidade terá que correr para oferecer a estrutura adequada para que ser um dos municípios escolhidos. “Fica complicado eu dizer qual cidade vai e qual não vai.”A certeza apontada pelo ministro é de que a cidade que estiver interessada em receber um elenco que vai disputar a Copa do Mundo precisa ter uma ótima estrutura de logística. “Porto Feliz tem um projeto ousado e terá que seduzir uma das seleções a escolhê-la. Depende única e exclusivamente da própria cidade.”A principal aposta de Porto Feliz para abrigar uma das seleções é o moderno Centro de Treinamento que está sendo construído pelo Desportivo Brasil, do grupo Traffic. Até 2014 chegar, haja ouvidos para tantas promessas e tantas palavras que o vento normalmente levam para os campos do esquecimento! Enquanto o ministro peregrina, o relatório preliminar da Controladoria-Geral da União (CGU) apontou que Orlando Silva terá de devolver R$ 8 mil aos cofres públicos por gastos com cartão corporativo considerados irregulares. Segundo um assessor que acompanha o processo, em entrevista ao jornal Estado de São Paulo, a maior parte das despesas refere-se a almoços e jantares pagos a terceiros. Foram cobradas diferenças referentes a 2006 e 2007. O Ministério do Esporte argumenta que as despesas de 2006 já haviam sido aprovadas e não poderiam ser reavaliadas. Quinta-feira à noite a CGU recebeu as justificativas do ministério, que contestou a cobrança e sinalizou que pretendia manter a penalidade. Silva marcou reunião com o titular da CGU, Jorge Hage, para a próxima segunda-feira. De acordo com o jornal, Silva pretende reforçar os argumentos.

Redação Sport Marketing