22 de abr. de 2008

Revezamento relâmpago em Jacarta e autorização japonesa para protestar

A passagem da Tocha Olímpica por Jacarta, capital da Indonésia, foi relâmpago. A etapa foi reduzida ao mínimo necessário, durando cerca de 1h20. O percurso foi realizado dentro do estádio Bung Karno, que ficou fechado para apenas 5.000 pessoas que receberam autorização de entrada. Cinco pessoas foram detidas durante um protesto contra o governo chinês pela repressão contra o Tibet, antes da passagem da Tocha pela cidade. Cem ativistas se concentraram na frente do estádio Bung Karno, onde o Revezamento seria realizado. Bandeiras e cartazes a favor do Tibet, foram confiscados pela polícia local. Entre os detidos, estava um cidadão holandês. Mais de 2.000 policiais foram mobilizados para manter os ativistas afastados. Quando a Tocha Olímpica passar por Nagano, no Japão, os defensores da causa tibetana serão autorizados a protestar. A única ressalva é que se evite qualquer tipo de violência. "Protestar não representa problemas", disse o chanceler japonês, Masahiko Komura das Relações Exteriores, antes de advertir que a polícia atuará em caso de distúrbios. A Chama Olímpica chega sexta-feira ao Japão e sábado percorrerá as ruas de Nagano, cidade que foi a sede dos Jogos Olímpicos de Inverno em 1998. Quase 2.000 policiais foram mobilizados para proteger o Revezamento da Tocha, de acordo com a imprensa. A Coca-Cola que havia planejado desfilar com um carro promocional da marca durante o Revezamento, cancelou os planos, assim como a Lenovo e a Samsung. Este foi o primeiro sinal de que a controvérsia que segue o evento da Tocha passou também a mobilizar os patrocinadores que começaram a ajustar as estratégias de marketing. A Coca-Cola do Japão disse que a companhia mudou de idéia por causa de "preocupações com a segurança" e salientou que a decisão não teve conexão política.

Redação Sport Marketing