8 de abr. de 2008

FINA aprova código antidoping e maiô Speedo

A Federação Internacional de Natação (FINA) foi o primeiro organismo internacional esportivo a incorporar nos regulamentos o novo código antidoping. O novo código antidoping entrará em vigor nas competições da Fina a partir de 1º de janeiro de 2009. Além disso, no congresso foram aprovadas, entre outras medidas, uma série de regras para garantir a segurança e a proteção da saúde de todos os nadadores. Outro assunto em pauta foi a legitimidade do novo maiô LZR Racer, fabricado pela Speedo, que foi usado pela maioria dos nadadores que bateram marcas. Após as inúmeras quebras de recordes mundiais na natação neste último mês, surgiram polêmicas quanto ao uso do maiô, entretanto, a FINA analisou a tecnologia da roupa e aprovou. Sendo usado por 18 dos 19 atletas que quebraram recordes mundiais recentemente, o LZR foi bastante criticado. “Não existe nenhuma prova científica de que a roupa proporcione alguma ajuda”, disse a FINA. Para justificar a aceitação da tecnologia do maiô, a Federação Internacional afirmou que o processo de aprovação é “muito rigoroso” e que o LZR passou por uma série de testes. Porém, o técnico da seleção italiana de natação, Alberto Castagnetti, não se convenceu e permanece contra a utilização da nova tecnologia, que foi proibida de ser usada durante o último Campeonato Italiano, na semana passada. “Isso que está acontecendo estabelece um caminho muito perigoso, pois remove o aspecto puramente competitivo do esporte, colocando fatores extras em jogo. A natação sempre foi um esporte amparado pela habilidade, mas, agora, existem outros aspectos. É como se fosse um doping tecnológico, não pertencente ao espírito do esporte” -afirmou o italiano. Castagnetti não acredita que o LZR não tenha influenciado nas inúmeras quebras de recordes. “Seria diferente se fosse o Michael Phelps o responsável pelas novas marcas, mas muitos dos atletas que o fizeram estavam em quinto ou sexto no ranking” - complementou. Embora contra a nova tecnologia, o treinador italiano afirmou que a Itália não será prejudicada nos Jogos e irá adaptar-se até agosto. “Nós, certamente, não vamos para os Jogos em desvantagem. Isso seria como admitir uma derrota. Vamos ter que nos adaptar” -finalizou. Federica Pellegrini, italiana, foi a única atleta que superou um recorde no último mês sem estar usando o LZR. Ela fez o tempo de 4min01s53 na prova dos 400m nado livre, durante o Campeonato Europeu.

Redação Sport Marketing