1 de abr. de 2008

Fábrica da Nike enfrenta greve

Cerca de 21 mil trabalhadores de uma fábrica da Nike no Vietnã entraram em greve para reivindicar um aumento salarial que lhes permita combater a crescente inflação. Os empregados da fábrica Ching Luh, na província de Long An, exigem uma alta de pelo menos 20% no atual salário, de US$ 59 por mês, e um melhor serviço de alimentação na cantina, disse o membro do sindicato Nguyen Van Thua. Thua explicou que a fábrica, propriedade de uma empresa de Taiwan e que fabrica calçados para a Nike desde 2002, paga os trabalhadores, maioria mulheres jovens procedentes das zonas rurais, 14% a mais que o salário mínimo, mas o valor ainda é insuficiente para resistir à alta inflação. "A companhia cumpriu as leis vietnamitas, mas como os preços seguem disparando a cada dia, os empregados tinham problemas para sobreviver até o fim do mês", afirmou. O índice de preços ao consumidor no Vietnã subiu 19% no último ano, segundo as estatísticas oficiais. No começo de 2008, o governo tentou atenuar os efeitos da crescente inflação aumentando em 13%, para US$ 59 por mês, o salário mínimo dos empregados de companhias estrangeiras. No entanto, muitos trabalhadores se queixam que mesmo assim é difícil pagar as contas todos os meses. Vários investidores estrangeiros, especialmente os radicados em Taiwan, protestaram ativamente contra o aumento salarial e ameaçaram deixar o país se o intervencionismo estatal prejudicasse os negócios. De acordo com a agência Investnews, no entanto, o salário no Vietnã continua sendo até 30% em média menor que em partes da China, o que provocou o estabelecimento no país do Sudeste Asiático de milhares de novas fábricas nos últimos cinco anos.

Redação Sport Marketing