2 de abr de 2008

Amnistia Internacional preocupada com os Jogos Olímpicos

A quatro meses do início dos Jogos Olímpicos de Beijing, a Amnistia Internacional (AI) mostrou-se preocupada com o agravamento da violência da China contra ativistas. A AI pediu aos líderes mundiais, ao Comitê Olímpico Internacional e aos patrocinadores dos Jogos Olímpicos para exigirem uma mudança de atitude por parte da China. Num relatório, a AI defende que a punição de ativistas aumentou, por Causa do Jogos Olímpicos e dá o exemplo do Tibet, onde, nas últimas semanas, se têm registado confrontos entre os tibetanos e as polícias chinesas. "A incapacidade de exprimir preocupação e pedir mudanças publicamente corre o risco de ser interpretada como um apoio tácito às violações dos direitos humanos realizados pelas autoridades chinesas na preparação para os Jogos Olímpicos" - disse, em Comunicado, Irene Khan, secretária-geral da AI, que se mostrou, também, preocupada com a possibilidade de que os tibetanos presos nas manifestações venham a ser condenados à morte. De acordo com a TSF, o Comitê Olímpico Internacional respondeu à organização de defesa dos direitos humanos que "o seu papel não é controlar os direitos humanos ou pressionar os governos para obter mudanças sociais, econômicas ou políticas". Jiang Yu, porta-voz do Ministério chinês, criticou a Amnistia e lembrou que "qualquer plano para usar o evento para ameaçar a China será mal calculado".

Redação Sport Marketing