9 de abr. de 2008

ACNO se reúne pelo bem da Tocha

Em Beijing, onde acontece a 16 Assembléia Geral da Associação dos Comitês Olímpicos Nacionais, ACNO, dois temas principais roubam as horas do encontro entre os representantes dos países envolvidos com os Jogos Olímpicos de Beijing: boicote e suspensão do trajeto original do Revezamento da Tocha Olímpica. Com relação ao boicote, os representantes dos Comitês Olímpicos Nacionais já deram parecer contra, segundo anunciou o presidente da associação ao fim de uma reunião de três dias na capital chinesa. "A consulta aos 205 Comitês Olímpicos presentes ou representados não deu nenhuma indicação para não apoiar os Jogos" - declarou à imprensa o presidente da Associação de Comitês Olímpicos Nacionais, o mexicano Mario Vázquez Rana. Quanto ao trajeto da Tocha Olímpica de Beijing, o presidente do COI, Jacques Rogge, afirma que não pretende fazer alterações. Mas, as opiniões parecem divergir entre os representantes dos Comitês Olímpicos Nacionais. "Acho que não seria um problema suspender o trajeto da Tocha. Foi muito lindo quando a Tocha de Atenas 2004 passou pelo Rio de Janeiro, um dia que entrou para a história da cidade. O espírito olímpico que a Chama representa está padecendo no umbral de tanta brutalidade pela qual a Chama está passando em outras cidades. Nós estamos tentando separar o movimento político do esportivo. Os manifestantes estão usando a imprensa, estão cercando a Tocha dos Jogos, utilizando o momento para se expressar. Nossa idéia é de que o esporte não seja usado para isso, mas estão se aproveitando de uma arma, de ferramentas que estão ao alcance das mãos" - disse o Chefe da Delegação Brasileira do Comitê Olímpico Brasileiro, medalhista olímpico (prata) com a seleção brasileira de vôlei nos Jogos de Los Angeles em 1984, Marcus Vinicius Freire, que está em Beijing para a reunião da ACNO. Porém, suspender ou diminuir o trajeto do Revezamento da Tocha de Beijing não é tão simples assim como pode parecer. Existem patrocinadores atrás do Revezamento da Tocha: Coca-Cola, Samsung e Lenovo, que aliaram ao evento uma série de ações de marketing, endomarketing e de hospitalidade distribuídas em todo o mundo! Cada uma destas empresas teve direito a convidar um número específico de condutores da Tocha que, agora, não podem ser simplesmente dispensados e fica de mão abanando! Isso sem contar o investimento aplicado por estas empresas para estarem aliadas ao programa de marketing do Revezamento! Não é à toa que até o momento, o Comitê Olímpico Internacional garante que não vai cancelar nenhuma das etapas da viagem da Tocha Olímpica até Beijing. E não fará isso, a não ser que essas empresas se posicionem a favor o que também só irá ocorrer a partir de um acontecimento catastrófico - o que ninguém espera que aconteça. Enquanto os líderes se reúnem, a Chama segue o cavário de manifestações e protestos. Em São Francisco, os protestos contra o governo chinês e pela liberdade no Tibet marcam a passagem da chama. Centenas de manifestantes juntaram-se no centro da cidade norte-americana, numa vigília que contou com a participação do Prêmio Nobel da Paz Desmond Tutu e do ator norte-americano Richard Gere."Tudo teve início no dia 10 de março e não começou por causa dos Jogos Olímpicos. Houve uma simples manifestação em frente do templo Jokhang, em Lhassa, e abriu-se um vórtice, de onde saiu uma quantidade enorme de energia, que foi conduzida até este momento, obviamente à volta dos Jogos Olímpicos" - afirmou Gere. São Francisco assistiu a uma marcha pacífica contra a política de Beijing no Tibet, que culminou em frente à representação diplomática da China. A cidade tem uma longa tradição de protestos e ainda são esperadas importantes manifestações, enquanto a Tocha Olímpica realizar um percurso de 10 quilômetros, que poderá ser desviado por motivos de segurança, para evitar situações como as de Londres ou Paris, onde manifestantes chegaram a apagar momentaneamente a Chama. Com o símbolo olímpico em São Francisco, a líder da Câmara dos Representantes Nancy Pelosi apelou ao presidente George W. Bush para boicotar a abertura dos Jogos. "O símbolo dos Jogos cumpre hoje um percurso de 10 quilómetros em São Francisco, nos Estados Unidos, seguindo-se a capital da Argentina, onde vários grupos ativistas planejam protestos. Entretanto, têm crescido os apelos ao diálogo entre China e Tibet: o Primeiro-ministro australiano é mais um dos opositores do boicote aos Jogos Olímpicos, mas pede que a China respeite os direitos humanos. Também o Nobel da Paz Desmond Tutu já se mostrou muito surpreendido com a mobilização das pessoas em todo o mundo. Só no último mês a polícia chinesa deteve pelo menos 953 pessoas por suspeitas de envolvimento em motins no Tibet. O presidente do Comitê Olímpico dos EUA, Peter Ueberroth, entende que o acontecimento constitui "um importante momento para a cidade revelar caráter, hospitalidade e compromisso com a paz e a tolerância". As autoridades da São Francisco afirmaram a disposição de garantir o equilíbrio entre o direito dos manifestantes se expressarem e a manutenção da segurança pública. Mihir Bose, editor desportivo da BBC, afirmou saber de fonte do Comitê Olímpico Internacional que, se em São Francisco repetir os acontecimentos de Londres e Paris, a viagem internacional da chama poderá ser interrompida. Outro assunto que estará em pauta na reunião da ACNO foi a desclassificação de toda a equipe dos Estados Unidos das provas em que Marion Jones participou nos Jogos Olímpicos de Sydney, em 2000, por causa do envolvimento com doping da ex-velocista. As ex-companheiras de Marion Jones também pagaram o pato com a confirmação do uso de substâncias proibidas pela norte-americana. O COI decidiu retirar as medalhas da equipe americana nas provas de 4x400m (medalha de ouro) e 4x100 (medalha de bronze)."O Comitê Olímpico dos Estados Unidos receberá um pedido para devolver as medalhas e os certificados" - afirmou a representante do COI, Giselle Davies em entrevista coletiva. "O COI tem o conhecimento que outros atletas pagaram o preço pela culpa de Marion Jones" - completou. A atleta foi a primeira mulher a conquistar cinco medalhas no atletismo em uma mesma edição dos Jogos Olímpicos - três de ouro. Jones devolveu as medalhas dela no ano passado, quando foi condenada pelo uso de doping e também foi banida do esporte por dois anos.

Redação Sport Marketing