13 de mar. de 2008

A supremacia Blatter

Em 2006, Philippe Blatter (foto), sobrinho do poderoso presidente da FIFA, Sepp Blatter, foi nomeado chefe da Infront Sport & Media, uma empresa de marketing baseada em Zug, na Suíça central. Dentre outros, a firma comercializou os direitos de mídia das edições 2002 e 2006 da Copa do Mundo organizada pela FIFA. A federação nega ter influenciado os acionistas nessa nominação. Desde 1998, Joseph "Sepp" Blatter dirige a Federação Internacional de Futebol (FIFA). Quanto ao irmão dele, Marco, é diretor do Swiss Olympic, a associação dos clubes esportivos da Suíça. Com 42 anos, Philippe Blatter foi convidado em dezembro de 2005 a ocupar o cargo de vice-diretor da Infront Sport & Media. Antes desse emprego, o sobrinho de Joseph Blatter havia trabalhado por onze anos na empresa de firma de consultoria internacional McKinsey, como especialista na área de negócios esportivos. Por essa razão ele chegou a trabalhar com a FIFA em 2000. Desde sua entrada na Infront, Philippe Blatter havia trabalhado à sombra do ex-presidente da empresa, Oscar Frei, antes de assumir a direção geral da Infront Sport & Media. "A nomeação de Philippe Blatter não tem nada a ver com as relações comerciais entre a Infront e a FIFA", declarou na época Jörg Polzer, porta-voz da empresa em Zug, logo após a indicação do sobrinho de Blatter ao cargo. Ele trabalhou intensamente no meio dos negócios de esporte e representa um valor agregado à nossa empresa". Do outro lado, o porta-voz da FIFA negou igualmente qualquer implicação do presidente da federação na indicação do sobrinho. Andreas Herren usou, como prova, o fato de que a Infront não obteve os direitos de comercialização da Copa do Mundo de 2010. O jornalista inglês Andrew Jennings não partilha, porém, da mesma opinião. Autor do livro recentemente publicado, cuja distribuição foi proibida pela FIFA (ver matéria abaio a respeito) e extremamente crítico à FIFA - "Foul!" ("Cartão vermelho!") - o jornalista sempre considerou suspeita a nomeação. "Os dirigentes da Infront não podem ser criticados", estima o jornalista. "Porém o mundo dos negócios tem algumas suspeitas sobre as relações de Philippe Blatter com a FIFA durante o tempo que trabalhou para a McKinsey". A Infront Sport & Media foi criada logo depois de um turbulento episódio relacionado às vendas de direitos de transmissão por TV durante a Copa do Mundo. Os problemas começaram quando a empresa ISMM-ISL, que havia obtido os direitos para as versões 2002 e 2006 do grande campeonato, faliu em 2001. A companhia alemã Kirchmedia tentou salvá-la da falência. Porém, em 2002, ela também viveu grandes dificuldades financeiras. Kirchsport, empresa do grupo Kirch, se separou então do grupo da parte de comunicações levando consigo os direitos de mídia. E no final, essa nova firma foi rebatizada de Infront Sport & Media, depois de ter sido comprada pelos próprios diretores. Os principais acionistas da Infront Sports & Media são Robert Louis-Dreyfus, ex-chefe da Adidas, e a holding KL Jacobs. Dentre outros, a Infront comercializa os direitos da Federação Internacional de Hockey no Gelo, nove times internacionais de futebol, incluindo também a Federação Alemã de Futebol, a equipe de Fórmula 1 Toyota Motorsport, a Federação Européia de Handball e de vários outros esportes de inverno. A companhia também irá comercializar os direitos da equipe chinesa de futebol nos Jogos Olímpicos de Beijing, e na Copa do Mundo de 2010.

Redação Sport Marketing