4 de mar. de 2008

Por que não Apple?

É inacreditável que, até hoje, a Apple não tenha se interessado em patrocinar eventos esportivos nem aqui no Brasil, nem no exterior. Talvez, até o momento, nenhum projeto que valha a pena tenha chegado nas mãos da equipe de Steve Jobs (que há nove meses luta contra um câncer no pâncreas). A ação da Apple ligada ao esporte é uma parceria com a Nike, na qual a marca da maçã desenvolve iPods compatíveis com um tênis da fabricante de materiais esportivos. Inclusive, as duas empresas anunciaram que estão trabalhando junto aos fabricantes de equipamentos de ginástica e academias, para criar uma tecnologia que permita que os usuários utilizem o iPod Nano nos equipamentos permitindo a indicação dos batimentos cardíacos durante as atividades físicas. A nova tecnologia é esperada nas academias norte-americanas com ansiedade. Diga-se de passagem, o sucesso de vendas do iPhone e do iPod - e da loja online iTunes - colocou a Apple no topo da preferência de 3.700 empresários, executivos e analistas de diversos setores, consultados pela revista Fortune para montar seu ranking das dez empresas mais admiradas dos Estados Unidos. No ano passado, a Apple ficou na sétima posição. A capacidade de inovação, a gestão e a qualidade dos produtos da empresa liderada por Steve Jobes foram as qualidades apontadas. O segundo lugar do ranking deste ano coube à companhia Berkshire Hathaway, do investidor Warren Buffett, conhecido em Wall Street como "o oráculo de Omaha".

Redação Sport Marketing