14 de mar. de 2008

Patrocinador TOP não vai se envolver em questões políticas da China

A marca de relógios Omega continuará a tocar o que lhe cabe nos Jogos Olímpicos de Beijing e não irá se manifestar contra a política externa da China, apesar da pressão do embaixador da marca George Clooney. O ator americano, que aparece nos anúncios dos relógios suíços está fazendo uma forte campanha contra a crise humanitária que assola o país. A marca Omega faz parte da lista de 12 empresas do programa de patrocínio TOP mundial do IOC - International Olympic Committee - Comitê Olímpico Internacional e tem sido cronometrista oficial do Movimento Olímpico desde 1932 e já estendeu contrato até 2012. Corte Hayek, o executivo principal do Grupo, disse à BBC que a companhia discutiu o assunto com Clooney, adicionando que respeita o envolvimento e compromisso dele com a causa humanitária e que compartilhada a opinião dele "especialmente com relação a Darfur". Porém, a política da companhia é de não se envolver em política: "Nós somos patrocinadores de vários atletas e do Comitê Olímpico Internacional, não dos governos. É por isso, que estávamos presente durante os Jogos boicotados de 1980 e 1984" - acrescentou Corte Hayek. Em Darfur, prós-milícias do governo árabe foram acusados de executar uma campanha étnica. Durante os últimos cinco anos de conflito, mais de 200.000 pessoas foram mortas e mais de 2 mil forçadas a deixar suas casas. A China, a qual é uma parceira comercial importante do Sudão, vetou as tentativas das Nações Unidas para forçar o país em permitir pacificadores na região. Quando questionado se a Omega falaria sobre a associação da China com o governo sudanese, Hayek disse à BBC: "Claro, é um processo contínuo, mas nós fazemos isto do modo suíço: 'pequenos golpes derrubam grandes carvalhos '.

Redação Sport Marketing