6 de mar. de 2008

COB quer gerir Maria Lenk

O Parque Aquático Maria Lenk, um dos legados dos Jogos Pan-Americanos do Rio, pode ser gerido pelo COB - Comitê Olímpico Brasileiro. O Parque Aquático estava aguardando por uma proposta de algum organismo ou empresa que tivesse o interesse de obter a concessão e se comprometesse em arcar com todas as despesas de manutenção, funcionamento, obras e eventuais competições no local. O prefeito do Rio de Janeiro, César Maia, pretendia fazer um "leilão" pelo local, aberto apenas aos quatro grandes clubes do Rio de Janeiro, Flamengo, Vasco, Fluminense e Botafogo. Até que a entidade máxima do esporte no país enviou enviou nesta quinta-feira, dia 6, um ofício à Prefeitura da cidade do Rio de Janeiro demonstrando o interesse em obter a concessão do Parque Aquático, local onde foram realizadas as competições de natação, natação sincronizada e saltos ornamentais dos Jogos Pan-americanos Rio 2007. “COB pretende promover a administração e a manutenção de um equipamento muito importante para o Parque Olímpico do Rio de Janeiro”, disse o presidente do COB Carlos Arthur Nuzman, fazendo referência ao Parque Olímpico do Rio de Janeiro que será construído na região do Autódromo e que integra o dossiê de candidatura do Rio à sede dos Jogos Olímpicos de 2016. A partir do envio do ofício, o COB coloca-se à disposição da Prefeitura e dos órgãos municipais envolvidos para que, havendo a concordância ao pedido, seja estabelecido o processo de transição. “É importante o COB estar à frente deste projeto. O nosso objetivo é garantir a ampla utilização deste maravilhoso espaço pelos nossos atletas”, disse Nuzman. A prefeitura deixou claro que se exime, a partir do momento da concessão, de qualquer ônus com o lugar. O caso do Maria Lenk já ocorreu de forma semelhante com outra obra feita para o Pan do Rio. O estádio João Havelange, o Engenhão, ficou com o Botafogo, que ganhou a licitação feita pela Prefeitura do Rio e administrará o local pelos próximos 20 anos.

Redação Sport Marketing