28 de mar. de 2008

Ativistas prometem novos protestos em Atenas

Quando a Tocha Olímpica chegar em Atenas e a chama for entregue aos organizadores do evento serão realizados novos protestos. Essa é a promessa dos tibetanos exilados contra a ocupação chinesa. Nnos sítios arqueológicos de Olympia, minutos antes da atriz grega Maria Nafpliotou acender a simbólica chama que percorrerá o mundo até Beijing, dois ativistas pró-Tibet interromperam brevemente o discurso do representante chinês Liu Qi, presidente do Comitê Organizador dos Jogos de Beijing. O ativista conseguiu romper as medidas de segurança de Olympia e conseguiu levantar brevemente uma bandeira que convocava o boicote dos Jogos devido à repressão policial chinesa no Tibet. A bandeira trazia desenhados os aros olímpicos interligados como algemas. Os manifestantes foram retirados do sítio arqueológico de Olympia por policiais gregos sem maiores incidentes. O grupo "Repórteres sem Fronteiras" assumiu a autoria do protesto. Outros protestos já marcaram o Revezamento da Tocha, quando ativistas deitaram-se na frente do comboio que acompanhava os condutores da chama, também em Olympia, impedindo por diversas vezes o prosseguimento do evento. "Estamos planejando realizar várias ações no domingo e na segunda-feira, em Atenas, a fim de protestar contra a China, certamente", disse à Reuters Tashi Sering, representante do grupo Estudantes por um Tibet Livre. "Na segunda-feira, também realizaremos uma passeata pacífica na região central de Atenas." A Tocha Olímpica deve partir rumo à China na segunda-feira, quando terá início a fase internacional do Revezamento. Depois, ocorrerá a fase chinesa, que termina no dia 8 de agosto, com a cerimônia de abertura dos Jogos. A polícia grega ainda está desconcertada com a falha em Olympia e intensificou as medidas de segurança para a cerimônia no estádio Panathinaiko, em Atenas, local onde ocorreu a primeira edição dos Jogos Olímpicos da Era Moderna em 1896. "Cerca de 500 policiais ficarão dentro e nas cercanias do estádio e outros 500 serão estacionados próximos dali, prontos para intervir caso haja problemas na cerimônia", afirmou uma autoridade da polícia. Os policiais devem também isolar a área ao redor do estádio de mármore e submeter todos os visitantes a revistas antes de permitir que entrem no local. O governo disse que tomaria "todas as medidas necessárias" para salvaguardar o Revezamento da Tocha e a entrega dela aos chineses. O Comitê Olímpico Internacional (COI) também enfrenta críticas cada vez mais frequentes por não pressionar a China a respeito da violação dos direitos humanos. O COI rebateu essas críticas afirmando não ser um órgão político.

Redação Sport Marketing