24 de mar. de 2008

Apple Store no Brasil dentro da Fnac

Um relógico em contagem regressiva anuncia para esta quinta-feira, dia 27, o lançamento da primeira loja oficial da Apple no Brasil. Calma: ela não será uma Apple Store, a gigantesca loja-conceito que a empresa tem em metrópoles como Nova York e San Francisco e sim um espaço de 80 m² dentro da Fnac do Barra Shopping, no Rio, chamado Apple Shop. Mas já é uma grande coisa, principalmente no Rio de Janeiro, onde a qualidade de prestação de serviços das lojas franquiadas Apple deixava muito a desejar. A escolha da Fnac foi a dedo. Realmente, a loja é uma das que levam a sério o ótimo atendimento ao cliente antes, durante e pós a compra. É uma loja que segue o padrão de qualidade da Apple, sendo que tapete, iluminação e móveis são todos da empresa de Steve Jobs. Chique, hein? Pierre Courty, diretor-geral da Fnac no Brasil, explica como serão as tais Apple Shops, que nos próximos meses estarão presentes nas sete megastores espalhadas pelo País. Está prevista também a abertura de uma loja da maçã no próprio site da Fnac, o www.fnac.com.br.O que é a Apple Shop? É uma loja de 80m² que segue os padrões da Apple. Tudo é deles, do tapete à iluminação. A primeira será inaugurada no Rio e até o primeiro semestre espera-se que elas já estejam nas três lojas Fnac de São Paulo. Já estão no Brasil nove pessoas que vieram diretamente da Califórnia para instalar a loja no Rio. Tudo está sendo feito de noite, é um grande show americano. Na França, onde fica a sede da Fnac, existem várias Apple Shops dentro de nossas megastores. O Brasil é um mercado que interessa muito à Apple, e a vinda da Apple Shop é uma prova. Nos EUA, Europa e Japão existem várias Apple Shops. O que diferencia a Apple Shop dos atuais estandes oficiais da marca presentes em supermercados e em diversas megastores, como a própria Fnac? Tudo. Agora você compra produtos da Apple na loja certa e com as pessoas certas. São ambientes focados no universo da Mac. Primeiro que os profissionais da loja são da Apple. São consultores treinados não apenas para vender, mas tirar dos brasileiros o medo do “mundo Mac”. Esses funcionários darão workshops para os clientes, para que o produto se torne mais simples e o consumidor enxergue todas as facilidades do sistema. Outro ponto importante é a disponibilidade dos produtos da marca, que é a grande falha da Apple no mercado brasileiro. Estarão à venda todos os produtos Apple, inclusive acessórios dela e de terceiros, seja para o uso doméstico ou profissional.Inclusive o iPhone?Não, essa é a exceção. O iPhone não depende da Fnac, mas de negociações da Apple com as operadoras de telefonia celular brasileiras. Não há ainda nenhuma informação sobre a vinda dele ao Brasil.Existe a possibilidade de a Apple, com essas lojas oficiais, reduzir o valor de seus produtos, que é ainda o grande problema da marca para grande parcela do consumidor brasileiro?Há a possibilidade, mas isso depende da estratégia de marketing da empresa no Brasil. Por aqui, a Apple atende um mercado de luxo e é intenção dela se popularizar. Os preços de aparelhos da marca já têm caído nos últimos meses e poderão cair ainda mais. Tem produtos que poderão ficar 50% mais baratos.

Redação Sport Marketing