27 de fev. de 2008

O que será da Reebok sem Yao Ming nos Jogos Olímpicos?

Quando há 31 meses, a Adidas comprou Reebok por US $3.8 bilhões, a estratégia estava baseada na necessidade de entrar no mercado americano que sempre desafiou a marca alemã. A Reebok detinha na época 20% do mercado e a combinação das duas marcas (Adidas/Reebok), iniciaria uma briga legítima com Nike. Porém, depois disso, a Reebok quase desapareceu das lojas e dos esportes americanos. Hoje, os negócios de tênis da Reebok nos Estados Unidos é mais ou menos metade do que era quando Adidas adquiriu a marca. Tirando a marca nas camisas da NFL e da porcentagem de 3.6 do mercado de tênis de basquete dos Estados Unidos, a Reebok é quase um fantasma, inclusive nas lojas, enquanto a Adidas, ocupa 5.1% deste mercado e a Nike soma surpreendentes 86%. A notícia de que o gigante chinês Yao Ming, 27 anos, está fora do resto da temporada da NBA por causa de uma lesão no tornozelo esquerdo, perigando ficar fora também dos Jogos Olímpicos de Beiing, chega como uma bomba para a Reebok, patrocinadora do jogador e que apostou muitas fichas em Yao. Na atualidade, não existe nenhuma estrela de basquete mais importante que Yao Ming para a marca, principalmente pelo fato dele ser um ídolo nos Estados Unidos e na China. A marca investiu fortunas em Yao. Recentemente, a Reebok lançou um tênis Yao Ming - Elite do Dragão ATR II (foto) - o carro chefe da marca para os Jogos Olímpicos. O tênis é todo estiloso e tem um dragão desenhado do lado. Foi montada uma estratégia diferenciada para o novo produto. Apenas apenas 208 pares do tênis serão vendidos nos Estados Unidos e 2008 pares na China. Quando a Nike decidiu não renovar com Yao, muitos analistas do mundo do marketing de esportivo americano ficaram surpresos, dado o compromisso da Nike em estar presente nos Jogos Olímpicos, sem estar comprometida diretamente com o patrocínio olímpico. Mas, a Nike parece que previu o futuro. O que vai acontecer com a Reebok se Yao ficar fora dos Jogos Olímpicos é uma novela que vamos acompanhar de perto aqui no Sport Marketing.

Redação Sport Marketing