18 de fev. de 2008

IOC reconhece Kosovo

O italiano Mario Pescante, presidente da comissão de relações internacionais do IOC - International Olympic Committee - Comitê Olímpico Internacional (COI), afirmou que o organismo máximo do esporte "certamente reconhecerá a independência de Kosovo. Porém, não acredito que (Kosovo) tenha tempo para estar representado nos Jogos Olímpicos de Beijing" - acrescentou. "Kosovo já fez um pedido de admissão ao IOC e respondemos que seria aceito no momento em que as Nações Unidas tenham reconhecido (a independência)" finalizou. Para reconhecer uma nova nação, o COI exige que o país tenha sido reconhecido pela Organização das Nações Unidas, tenha um comitê olímpico nacional e estabeleça ligações com um número mínimo de federações esportivas mundiais. Com todos os pré-requisitos preenchidos, o país ainda tem de ser aprovado em reunião do Comitê Executivo da entidade. Os últimos países a passar pelo processo foram a ilha de Tuvalu e ex-república iugoslava de Montenegro, que chegaram ao COI em julho do ano passado. Cinco boxeadores de etnia albanesa já demonstraram vontade de lutar em Beijing por Kosovo. Caso o país não obtenha o reconhecimento internacional antes dos Jogos, os boxeadores poderão lutar como "indivíduos olímpicos", defendendo a bandeira do COI. Nos Jogos de Sydney-2000, quatro atletas do Timor Leste desfilaram sob a bandeira da entidade na cerimônia de abertura das Olimpíadas. Na época, o Timor era administrado pela ONU e ainda não tinha sido reconhecido. Em Barcelona-1992, a Iugoslávia competiu sem bandeira. Kosovo, que era administrada pela ONU desde 1999, declarou independência no último domingo de forma unilateral, sem a concordância da Sérvia. Países como Estados Unidos, Grã Bretanha, França e Alemanha apoiaram o ato, mas Rússia e alguns países da União Européia, como a Espanha, rejeitaram.