19 de fev. de 2008

America's Cup perde patrocínios

Na próxima edição da America's Cup a Louis Vuitton pode não estar entre os patrocinadores da Copa do Mundo dos mares. Em julho do passado, a marca anunciou que não iria renovar o patrocínio de longo prazo da série Challenger (Copa Louis Vuitton), uma sucessão de corridas classificatórias que determina quais barcos terão a honra de concorrer a levantar a taça do torneio. A Prada também anunciou a saída da competição depois de uma década de envolvimento. O êxodo das duas marcas mais luxuosas do mundo da moda do cenário esportivo levanta a questão do porquê! A Louis Vuitton declarou num comunicado à imprensa que a decisão de não "emprestar o nome" para a próxima série Challenger foi atribuída a uma "abordagem mais comercial", definida pelas novas regras da America's Cup. "Não gostamos da tendência de tratar o evento como apenas mais uma Copa do Mundo de futebol", diz Bruno Troublé, um antigo capitão America's Cup, que tem sido consultor da marca há 25 anos, responsável por introduzir a empresa no evento em 1983. "Há necessidades de eventos que são exclusivas". A rápida expansão da concorrência tem ocorrido desde a entrada do barco suíço Alinghi em 2003 que foi um sucesso financeiro. Uma série de regatas preliminares foram introduzidas e realizadas em toda a Europa. "Continuamos a ver a America´s Cup como uma saga e não como um evento desportivo", disse. Deve ser dito também que o custo para organizar a America´s Cup teve um aumento acentuado para a "bolsa" de patrocínio da Louis Vuitton. "Os suíços [organizadores] estão caminhando para marcas populares". A retirada da Prada é bastante diferente, uma vez que partiu do co-proprietário de um barco - Luna Rossa - e não de de um patrocinador da competição em si. A marca italiana diz simplesmente que após 10 anos de esforço para conquistar o troféu sem sucesso, chegou o momento do "a fim de um ciclo". "Nós consideramos a America's Cup como um desafio desportivo e não como um instrumento de propaganda"- acrescentou. No entanto, como Armando Branchini, presidente da Intercorporate recorda, Prada e Louis Vuitton criaram com sucesso várias linhas de produtos graças às ações na America's Cup.